Alguém ainda tem alguma dúvida que o formato físico morreu, e que o auge dos serviços de streaming de vídeo é algo espetacular? Com um mercado liderado pela Netflix e que só vai aumentar com a chegada do Apple TV+ e do Disney+, as vendas de DVDs e Blu-rays só vão despencar cada vez mais.

De acordo com a MPAA, o volume de vendas de DVD e Blu-ray caíram pela metade nos últimos cinco anos. Lembrando que, em 2018, o segmento de entretenimento cresceu 16% em comparação a 2017.

 

 

DVD e Blu-ray sangrando, cinema estancando o sangramento

 

Foram US$ 55.7 bilhões em receitas globais, de acordo com a Motion Picture Association of America. Nessas receitas, os serviços digitais domésticos registraram um importante aumento de 34% no mundo todo. Desde 2014, os gastos no entretenimento digital em cresceram 170%.

 

 

O aumento das assinaturas nos serviços de streaming também é notável. 613 milhões de usuários contam com pelo menos um tipo de assinatura, o que fez com que os formatos físicos fossem parcialmente esquecidos. O cinema, outra fonte importante de receitas, cresceu apenas 1% em comparação ao ano de 2017.

Já as vendas de DVD, Blu-ray e Blu Ray UHD 4K caíram 14% em 2018 (US$ 7.3 bilhões, contra US$ 8.4 bilhões em 2017). A queda antecipou a saída de fabricantes de reprodutores de mídia, onde Sony e Panasonic ainda seguem fabricando produtos, além dos consoles da Sony e da Microsoft, que também contam com um leitor de Blu-ray integrado.

 

 

Os números não mentem: desde 2014, as vendas de formatos físicos caíram pela metade. No mercado internacional, passaram de US$ 14.9 bilhões em 2014 para US$ 7.3 bilhões em 2018. Nos Estados Unidos, foram de US$ 10.3 bilhões para US$ 5.8 bilhões no mesmo período.

Ou seja, o futuro é do streaming, e não há muito o que a indústria de entretenimento possa fazer para impedir isso.

 

Via ArsTechnica