Bitcoin

O Bitcoin segue em queda livre, e ficou ontem (17) na cotação abaixo dos US$ 10 mil.

Contextualizando: no mês passado, um Bitcoin custava US$ 15 mil, com valor máximo de US$ 19.343 (em 16 de dezembro). De lá para cá, a queda virtual só perdeu valor de mercado, até alcançar a marca de US$ 9.199 em 17 de janeiro.

Nos últimos dias, a queda de preço foi generalizada, e praticamente todas as moedas virtuais perderam valor. Os motivos são diversos, mas um que se repete está relacionado com as futuras regulamentações para as criptomoedas anunciadas em alguns mercados asiáticos.

Há literalmente um sentimento de pânico no mercado, e as pessoas estão vendendo suas moedas virtuais para sair do jogo. Isso faz com que o valor dessas critpomoedas despenque.

Outro motivo para as mudanças de preços está relacionado com as manipulações específicas das criptomoedas. Uma única pessoa poderia ser capaz de subir o preço do Bitcoin de US$ 150 para US$ 1.000 em apenas dois meses.

O impacto de atividades suspeitas no mercado de intercâmbio Mt. Got é um exemplo disso. Aproximadamente 600.000 Bitcoins, avaliados em US$ 188 milhões foram adquiridos de forma fraudulenta por essa via.

 

 

Durante dois períodos, a taxa de intercâmbio do Bitcoin subiu 4% em dias onde aconteceram transações suspeitas, enquanto que em dias sem essas atividades houve uma queda na taxa de intercâmbio.

Baseado em uma análise rigorosa e extensa, o estudo mostra que as atividades suspeitas podem ser as responsáveis pelo aumento sem precedentes do Bitcoin no final de 2013, justamente quando o valor da moeda subiu de US$ 150 para US$ 1.000.

E esse efeito foi visto até o final de 2017. Agora, parece que a fonte secou, e uma galera pode deixar de ganhar um bom dinheiro com o valor da moeda virtual escorrendo pelo ralo.

 

Via Coin Desk