Tinder

Não é surpresa para ninguém que muitas pessoas sem um relacionamento amoroso ou compromisso apelam para o Tinder para encontrar alguém.

Para quem não sabe (acho difícil), o Tinder é um app que promove encontros entre pessoas baseado na reciprocidade dos dois lados, ou o tal do match.

Você vê as fotos que estão nas redondezas, e escolhe as pessoas mais interessantes para você. Se alguém escolher a sua foto, temos um match. A partir daí, você pode conversar diretamente com a pessoa escolhida, e depois disso é por sua conta e risco.

 

 

Existe a remota possibilidade de você encontrar um cônjuge no Tinder. Remota, bem pequena. Mas existe. Logo, caso esse relacionamento se torne sério o suficiente, é de bom tom você desinstalar o aplicativo do seu smartphone.

Porém, isso não é o suficiente. Remover o aplicativo do smartphone não exclui o seu perfil da plataforma, que ainda pode ser visto por qualquer pessoa.

Inclusive por seu cônjuge, amigos em comum, os pais da outra pessoa, etc.

Vale a pena lembrar que o Tinder é integrado ao seu perfil do Facebook, ou seja, tudo o que você disser, gostar ou fizer no Tinder é registrado pela empresa, via Big Data, com informações cruzadas com o Facebook e Instagram.

E… não. Não existe nada de errado nisso. Quando você decidiu integrar o Tinder ao Facebook, você automaticamente concordou com os Termos e Condições do aplicativo.

 

 

Em resumo: se você usa o Tinder, mas encontrou o amor da sua vida, desative a sua conta na rede de encontros. Você pode manter o registro de tudo o que fez lá, e uma vez eliminada a conta, você não aparece mais como sugestão de encontro na plataforma.

A dica é altamente recomendada para quem tem um relacionamento com alguém possessivo e extremamente ciumento.

Depois não diga que eu não avisei.