Compartilhe

bandeira-uniao-europeia

De acordo com o Wall Street Journal, a investigação da União Europeia sobre o suposto monopólio do Google no continente chegou ao fim, e a Comissão Europeia vai abrir um caso formal contra a gigante de Mountain View, por considerar que a empresa violou as leis anti-monopólio comunitárias.

É uma notícia muito importante, que poderá afetar de forma considerável o futuro do Google na Europa. Especialistas comparam essa ação com a batalha legal que a União Europeia travou com a Microsoft no passado.

De acordo com o WSJ, a decisão já foi informada para o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, depois de vários meses de deliberação. Amanhã (15), a conclusão das investigações serão comentadas com os demais comissários, e entrará em votação. Uma vez aprovada, o Google tem dez semanas para responder as alegações, ou pedir uma audiência para se defender.

Uma vez confirmado, chegará ao fim uma investigação de mais de cinco anos. A Comissão Europeia abriu o processo contra o Google em 2010, por considerar que a empresa utilizava o seu monopólio nos buscadores para favorecer os resultados dos seus serviços (como o Google Local), prejudicando o posicionamento dos serviços concorrentes. Apesar de em alguns momentos o processo parecer que estava próximo de um acordo, no final das contas, a Comissão Europeia decidiu jogar mais pesado.

 

O que isso significa para o Google?

Significa que a Comissão Europeia decidiu fazer valer a lei e não mais negociar. Provavelmente o Google terá que pagar multas pesadas (na verdade astronômicas), caso o veredito seja contrário: até 10% dos ingressos globais e anuais do Google, ou algo como US$ 6 bilhões.

O Parlamento europeu quer ir além, e aprovou em novembro de 2014 uma recomendação que propunha separar o serviço de buscas do Google dos demais serviços da empresa. Essa proposta não é vinculante, mas serve para fazer pressão na Comissão Europeia, além de ser mais uma mostra que Larry Page e companhia vão enfrentar um árduo caminho para agradar as instituições europeias.

Porém, a decisão da Comissão Europeia não quer dizer que o assunto vai se resolver nas próximas semanas. O Gogole pode tentar de novo um acordo, ou tudo isso pode parar nos tribunais, oficializando uma batalha legal que pode levar anos para terminar.

Via Wall Street Journal, Financial Times


Compartilhe