Uma de cada 142 senhas hackeadas é 123456

Compartilhe

Não adianta: entra ano, sai ano, e sempre que pensamos em senhas ruins, a sequência 123456 rapidamente vem na nossa cabeça. Isso não é um consciente coletivo ou mera casualidade: é a senha mais simples e a mais comum do mundo. E, obviamente, a mais utilizada e, por causa disso, a pior senha que você pode usar.

Mais um estudo confirmou o óbvio: a cada 142 senhas que vazam na internet ou são hackeadas, pelo menos uma é 123456. Esse estudo gigantesco foi publicado pelo GitHub, e compilou senhas de enormes bases de dados que foram publicadas depois de hackeadas.

Normalmente essas senhas estão em bases de dados de sites especializados em identificar as senhas vazadas pela internet, como é o caso do Have I been pwned?, mas podem ajudar a entender quais são as senhas mais vulneráveis.

Entre as mais de 1 bilhão de senhas vazadas e analisadas, as estatísticas mais interessantes do estudo mostram o seguinte:

– De mais de 1 bilhão de senhas, apenas 168.919.919 eram únicas
– De mais de 1 bilhão de senhas, 7 milhões eram 123456
– 29% das senhas eram apenas letras
– 13% das senhas eram apenas números
– 12% das senhas contavam com um caractere especial
– Em média, as senhas contavam com 9 caracteres de longitude
– 34% de todas as senhas terminavam com números, e apenas 4% de todas as senhas começavam com números

Senhas fracas são mais vulneráveis aos ataques de força bruta (onde o atacante testa todas as possibilidades). É muito mais fácil descobrir uma senha como 123456 do que uma como ‘hA3=RWX{Mt%8fbGz>BJAgWkA4y’. Quanto maior e mais complexa a combinação de caracteres para uma senha, melhor.

 

 

 

Como não ser um daqueles que usa 123456 como senha?

 

 

Primeiro, ter um QI acima de 90. Segundo, usar esse QI.

Ter tantas senhas débeis não é o motivo para essas senhas serem descobertas, mas é fato que elas oferecem maior vulnerabilidade, já que não são nada complexas. Mas isso pode ser corrigido de várias formas, e sem grandes esforços.

A forma mais cômoda de todas é utilizando um gestor de senhas, que geram uma senha diferente para cada serviço que você utiliza. Além disso, esses gestores contam com recursos extras, como serviço de autenticação em dois passos integrado ou dicas para modificar as senhas débeis, já hackeadas ou mais antigas.

Ou seja, não tem desculpa para você utilizar uma senha fraca para os seus serviços online. Nem mesmo a desculpa da preguiça em ficar inventando senha você tem. Logo, seja um garoto esperto e proteja de forma adequada os seus dados para navegar na web com maior tranquilidade.

 

 

Via ZDNet, GitHub


Compartilhe