Compartilhe

Olha como são as coisas…

A frase “o futuro é privado” pronunciada por Mark Zuckerberg em 30 de maio de 2019 choca diretamente com a visão do mesmo Mark Zuckerberg de 9 de janeiro de 2010, quando o CEO do Facebook falou, com todas as letras: “a era da privacidade chegou ao fim“.

Naquele momento, era uma apreciação no contexto sobre como o comportamento das pessoas na internet havia mudado desde o começo do Facebook em Harvard, quando as pessoas se perguntavam: “por que eu quero enviar as minhas informações pessoais e fotos para a internet?”.

É claro que naquela época as palavras de Zuckerberg estavam corretas sobre os novos comportamentos sociais. As pessoas perderam o medo de enviar dados pela internet, e todos os usuários de redes sociais se comportaram assim nos últimos 10 anos.

Mas o grande problema não está nas pessoas, mas sim em como o Facebook se tornou uma questão sociológica para operar como uma empresa. Que as pessoas não se importam em compartilhar a sua vida, tudo bem. O problema está em como o Facebook considera o desejo de privacidade dos usuários uma ilusão no sentido técnico.

Jamais o Facebook trabalhou a questão da privacidade como uma questão moral ou ética. O Facebook se valeu disso para adotar práticas ilegais, o que resultou em multas bilionárias. Tanto, que espera ser multada em até US$ 5 bilhões pela FTC norte-americana.

 

 

Mark Zuckerberg se desmentiu pela enésima vez

 

Muita gente quer compartilhar a vida com os amigos, mas não quer que empresas especializadas no tratamento massivo de dados possam (por exemplo) manipular eleições com os dados pessoais. E a fala de 2010 de Zuckerberg já o contradizia com uma fala dele mesmo de 2008, ao afirmar que “a privacidade era o vetor onde o Facebook trabalhava ao redor”, ou seja, o elemento central do Facebook.

Obviamente, as pessoas podem mudar de ideia com o passar do tempo. Porém…

É a terceira grande mudança de filosofia (ou, sendo mais otimista, uma volta às origens) que Zuckerberg compartilha em pouco mais de 10 anos. E essa voltar a olhar para a privacidade deveria ser comemorado. Afinal, de contas, o que tem de ruim nisso? Um pouco mais de privacidade sempre é bem vindo.

Porém, existem muitas dúvidas sobre como vai acontecer essa mudança. Principalmente porque não existem evidências ou provas de que isso vai realmente acontecer, ou nada além do que menções soltas sobre a codificação ponto a ponto.

O mais curioso é que essa mudança do público para o privado não vai acontecer por uma questão de princípios, mas sim porque o Facebook está observando o que esta acontecendo com a popularidade da sua rede social e dos seus apps, e quer contornar o êxodo de usuários.

Ao longo dos anos, Mark Zuckerberg tinha tudo para evitar tudo isso. E não fez nada. E agora, lança “o futuro é privado”.

Muitos de nós já viram esse filme antes…


Compartilhe