Compartilhe

A última temporada de Game of Thrones não só teve um pico de espectadores, média de 43 milhões por episódio apenas no EUA*, mas também de atividades criminosas. Como antecipado pelos especialistas da Kaspersky Lab, a estreia de cada episódio foi acompanhada de uma longa sequência de ataques contra os internautas que tentavam baixar o episódio recém-lançado, mas acabavam fazendo o download de malware disfarçados do episódio.

Alguns episódios mostraram-se significativamente mais perigosos do que outros, como é o caso do 3º episódio (The Long Night), que desencadeou o maior número de tentativas de atacar detectadas, com pico de 3.000 ataques por dia, muito provavelmente por ser considerada a maior batalha já filmada da indústria cinematográfica.

No geral, depois de rastrear atividades maliciosas associadas durante toda a oitava temporada, os pesquisadores da Kaspersky Lab descobriram que o número médio diário de ataques envolvendo malware disfarçado do novo episódio de Game of Thrones girava em torno de 300-400. Esse número saltava para 1.200 depois de três a quatro dias do lançamento do novo episódio – isto demonstra um crescimento de três a quatro vezes na atividade maliciosa dos cibercriminosos.

Outro vetor de ataque associado ao Game of Thrones são os sites de streaming que convidam os usuários a assistir gratuitamente aos episódios recém-lançados da série, mas que na verdade são projetados para extrair dados confidenciais dos usuários. Normalmente, o ícone do player online mostra uma cena do programa de TV e redireciona a vítima para uma página de registro, solicitando posteriormente detalhes do cartão bancário com o código CVC/CVV, alegando que é apenas para fins de validação. Pesquisadores apontaram as semelhanças entre este esquema e os recentes golpes em torno do último filme dos Vingadores.

 

 

 

Para evitar ser vítima de golpistas

 

1. Evite sites questionáveis, especialmente aqueles que distribuem conteúdo pirata;
2. Não insira informações – principalmente dados de cartão de crédito – em um site no qual você não tenha motivos para confiar;
3. Não use a mesma senha para diferentes páginas da web. Para facilitar a memorização de diferentes acessos, utilize um gerenciador de senhas em seu lugar;
4. Use uma solução de segurança confiável com proteção contra golpes online e phishing, como o Kaspersky Internet Security.

 

Via Kaspersky


Compartilhe