Desde ontem, 13 de março, a ‘santíssima trindade’ de Mark Zuckerberg está enfrentando problemas técnicos ao redor do planeta. Facebook e Instagram passaram horas fora do ar, e o WhatsApp não está permitindo o envio de imagens e mensagens de voz.

Enquanto muitos se refugiaram para o Twitter só para acompanhar os comentários sobre um evento que era global, outros foram buscar outras alternativas de serviços de mensagem instantânea. E quem mais capitalizou com isso foi o Telegram, que recebeu 3 milhões de novos usuários nas últimas 24 horas.

O Telegram está aumentando progressivamente a sua base de usuários, até alcançar em 2018 a marca de 200 milhões de usuários ativos por mês. Números bem distantes dos serviços do Facebook (o WhatsApp ultrapassa a marca de 1.5 bilhão). Mesmo assim, são números nada depreciáveis.

Também não podemos desprezar esse ganho de 3 milhões em apenas 24 horas. Uma turma que chegou graças aos problemas do Facebook e, principalmente, do WhatsApp. E isso está acontecendo todas as vezes que os serviços do menino Zuck enfrentam problemas, sejam técnicos ou judiciais. Ou você já se esqueceu que o Brasil ficou 48 horas sem WhatsApp por força da justiça? O resultado? Meio milhão de usuários novos para o Telegram em apenas um dia.

 

 

Quando o WhatsApp cai, o Telegram tem um bom dia

 

 

O próprio Telegram se vale de aproveitar as oportunidades diante da desgraça alheia, ao reforçar que ‘a sua privacidade é sim de verdade’, além de oferecer espaço ilimitado de armazenamento e backup para todos os usuários.

Se bem que é sempre bom lembrar que, em termos de privacidade, nem o Telegram, nem o WhatsApp chegam aos pés do Signal, mas isso é assunto para outro post.

Ou seja, se você de repente viu uma porção de novos contatos na sua lista do Telegram (e, em alguns casos, pessoas que tinham um número de telefone antigo, mas acabou se desfazendo dele e agora voltam do mundo dos mortos através de outros usuários), não estranhe. Você não está sozinho. Aconteceu com muita gente.

E o motivo é o problema com a concorrência. Algo absolutamente normal.

 

Via Durov