Arquivo para a tag: óculos

GameFace, o óculos de realidade virtual com 2560 x 1440 pixels de resolução

by

GameFace1

Nós não sabemos o que vai acontecer com o Oculus Rift (agora que o Facebook é dono do projeto), mas sabemos que o pessoal da Avegant Glvph decidiu criar a sua própria solução de óculos de realidade virtual, o GameFace. Esse modelo se destaca dos demais por contar com uma tela de 5.5 polegadas com resolução 2K (2560 x 1440 pixels), a poucos milímetros de nossos olhos.

Estamos falando de nada menos que 534 pixels por polegada, ou seja, muito acima do que aquilo que o olho humano consegue distinguir. Mas isso não importa. Afinal de contas, esta é uma resolução que vai se traduzir em imagens com qualidade máxima.

Obviamente, controlar tais telas não é uma tarefa fácil. Para isso, os desenvolvedores do GameFace testaram duas opções de processadores (Tegra 4 e Snapdragon 800), que não entregaram os resultados desejados por eles. Nesse momento, eles optaram em inserir nos seus protótipos um chip Tegra K1.

É esperado que as primeiras unidades do GameFace cheguem ao mercado no final de 2014, mas os desenvolvedores poderão analisar o SDK do produto, que estará disponível nas próximas semanas.

Via GameFace

MWC 2014 | Sony SmartEyeglass, óculos de Realidade Aumentada com visão binocular

by

sony-smartglasses

Nem tudo se resume a smartphones na Mobile World Congress 2014. A Sony levou ao evento de Barcelona o SmartEyeglass, óculos de realidade aumentada ainda em fase conceitual, mas mostrando que o Google Glass terá a concorrência dos fabricantes em um futuro a médio prazo.

A ideia é que o óculos mostre informações adicionais sobre as cenas que você vê no dia a dia. O produto foi apresentado na CES 2014 em Janeiro, e dessa vez, eles mostram como está o desenvolvimento do conceito. Por exemplo, quando estamos vendo um jogo de futebol, os óculos mostrarão os nomes do jogadores. Em um aeroporto, os óculos mostram como chegar ao portão ou guichê correto, entre outras funções.

O mais legal é que os óculos não representam a informação pensando em um olho, mas sim levando em conta a visão binocular, para que os dois olhos interpretem a mesma informação de forma conjunta. Por enquanto, eles só representam gráficos monocromáticos, com um brilho máximo de 1000 cd/m2.

Diferente do Google Glass, o protótipo dos óculos da Sony contam com um pequeno computador que se mantém conectado por cabo, onde é possível controlar a interface de usuário e a câmera. Obviamente, tais elementos devem desaparecer no produto final, tornando o produto efetivamente móvel.

O Sony SmartEyeglass contará com conectividades WiFi e Bluetooth de última geração, além dos sensores de movimento e posicionamento, como acelerômetro, giroscópio, bússola ou sensor de luz ambiente. Além de microfone e câmera em tamanho reduzido.

Nessa fase atual de desenvolvimento, os óculos podem trabalhar em conjunto com smartphones Android, com as notificações sendo enviadas diretamente para os nossos olhos. A Sony está trabalhando em ferramentas de desenvolvimento para terceiros, com a intenção que apareçam aplicativos produtivos no momento do seu lançamento para o grande público.

 

Via Sony

MetaPro oferece uma alternativa ao Google Glass, mas com muito estilo

by

metapro-1

Existe vida além do Google Glass? Pelo visto, sim. É o que a Meta nos mostra, desafiando o óculos inteligente do pessoal de Mountain View, com o seu produto, o MetaPro.

Se tudo der certo, esses óculos começam a ser vendidos em junho de 2014. Porém, não se anime, pois o produto será para poucos: o preço inicial sugerido para o MetaPro é de US$ 3 mil. Por outro lado, esse óculos será carregado de tecnologia, mas ao mesmo tempo preservando uma estética mais ajustada para a maioria das pessoas.

O protótipo que seus criadores estão desenvolvendo promete deixar o Google Glass a quilômetros de distância. Ou, pelo menos, oferecer mais recursos que aqueles até agora apresentados pelo produto da Google. Um dos principais trunfos do MetaPro é a realidade aumentada: os óculos oferecem até 15 vezes a superfície de visão, e prometem até 500 aplicativos disponíveis em uma loja própria, para que você possa explorar todo o potencial do dispositivo.

metapro-006-1

Na verdade, o MetaPro são pequenos computadores integrados nos óculos. As especificações confirmam isso: processador Intel i5, 4 GB de RAM, 128 GB de SSD, bateria com autonomia de até 32 horas de uso, e tudo isso em um chassi que pesa 180 gramas. No quesito conectividade, ele conta com WiFi, Bluetooth 4.0 e porta USB para recarga de bateria e transmissão de dados. De quebra, estão integrados no produto: bússola, giroscópio e acelerômetro, eliminando assim de forma completa a dependência de um smartphone para ser totalmente funcional.

Vamos acompanhar de perto a evolução desse projeto, que como já informamos, deve ver a luz em forma de um produto comercial em 2014. Por enquanto, veja o vídeo promocional do projeto, e mais fotos do produto.

 

metapro-003-1 metapro-004-1 metapro-001-1 metapro-002-1 metapro-005-1

Via SpaceGlasses

Motorista é multada por dirigir usando o Google Glass, e recorre diante do vazio legal

by

Cecilia-Abadie

Quando uma tecnologia é muito nova, é normal que todos fiquem confusos sobre o que podemos ou não fazer com ela. Até porque as legislações avançam em uma velocidade muito menor que a tecnologia como um todo. Dito isso, os “pequenos problemas legais” envolvendo o Google Glass começam a aparecer.

Não faz muito tempo que escrevi no blog sobre um engenheiro que foi convidado a se retirar de um restaurante por utilizar o Google Glass dentro do estabelecimento – algo que, supostamente, violava as políticas do local (clique aqui para ler). Agora, temos essa moça da foto acima, Cecilia Abadie, que está entre as 10 mil felizardas do primeiro lote do óculos inteligente do Google, que por sua vez, também se envolveu em problemas por conta do óculos.

O caso é o seguinte: a citada condutora, residente em uma cidade do estado da Califórnia, conduzia o seu veículo em uma velocidade maior do que poderia em uma das rodovias do estado. Por conta disso, foi parada pela polícia. O agente rodoviário que a abordou detectou que, não apenas a condutora estava em uma velocidade maior que a permitida, como também utilizava o Google Glass ao dirigir.

Resultado: Cecilia recebeu uma multa dobrada.

O motivo para a multa vir em dobro está no fato em que a condutora estava utilizando um elemento que potencialmente poderia distrair a sua atenção ao volante. Cecilia se defende das acusações, com o argumento mais óbvio (nesse momento): não há nenhuma lei que impede que alguém dirija utilizando óculos, por mais moderno que esse óculos seja. Além disso, ela argumenta que as leis da Califórnia permitem o uso de câmeras integradas ao carro, algo que o Google Glass também possui.

Como podemos ver, existe um claro vácuo legal sobre o assunto, de modo que a Justiça e os tribunais terão que se posicionar sobre o assunto. Vamos acompanhar a questão de perto.

Via Associated Press

Estes óculos Ray-Ban carregam o seu smartphone com energia solar (em vídeo)

by

shades-solar-ray-ban

Agora que os óculos estão em evidência no mundo da tecnologia, é possível aproveitar esse momento de evidência para combinar com a tecnologia de energia solar para recarregar os seus gadgets. Uma mochila solar pode ser uma boa solução para dar um pouco mais de bateria para o seu smartphone, mas levar essa mochila nas costas o dia inteiro não parece ser uma solução viável para todos.

Talvez algo mais compacto e que nos acompanhe em todas as horas seja algo mais aceitável. Ainda mais quando esse acessório armazena a energia do sol durante o dia, e recarrega nossos dispositivos quando necessário. Pois bem, um grupo de estudantes da Miami Ad School que estudam na sede da escola em San Francisco se depararam com uma ideia bem razoável: um óculos de sol que capta as energias do sol para recarregar nossos gadgets. E mais: um óculos de sol… de marca.

O Ray-Ban Shama é a estrela desse projeto. Esse óculos possui o design já consagrado pela marca mundialmente conhecida, mas com o diferencial de contar com placas solares presas às pernas do óculos. Essas placas recolhem a energia durante o dia, sem precisar ser um peso para o usuário.

A ideia é que, no final do dia, você possa conectar o seu smartphone (no projeto, eles utilizaram um iPhone como referência) no óculos, permitindo assim a transferência de energia. Os seus desenvolvedores afirmam que a energia acumulada pelo óculos é capaz de recarregar completamente um iPhone 5.

Se a ideia te interessa, temos a seguir um vídeo promocional do projeto. Lembrando: ele ainda é um protótipo, ou seja, não tem previsão de chegada ao mercado.

Ray-Ban Shama Shades from Ramiro Ramirez on Vimeo.

 

 

Via CNET

Nissan namora o terreno dos óculos inteligentes, com o conceito 3E (em vídeo)

by

nissan-3e-concept

Todo mundo quer aproveitar o momento dos óculos inteligentes. Inclusive a Nissan, que mostrou um primeiro esboço em forma de teaser de um produto que pode ou não chegar ao mercado no futuro. Vamos então conhecer o 3E.

O modelo com design futurista será apresentado no próximo Salão do Automóvel de Tóquio (Japão), ou ao menos é isso que pode ser extraído do contador instalado no site do fabricante, que será zerado no dia 22 de novembro, coincidindo com o evento da montadora japonesa no evento.

Até então o fabricante deixa um primeiro aperitivo do produto em vídeo (que está no final do post) que recebe o nome de “Birth” (“nascimento”), onde é possível ver um pouco melhor o seu aspecto visual. Uma vez que, até o presente momento, o produto segue sendo apenas um conceito.

 

Via CNET, Nissan

Oculus Rift: geniais óculos de realidade virtual para os gamers

by

Uma coisa é fato: a Kickstarter oferece a possibilidade de que pessoas sem muitos recursos ou sem apoio de uma grande empresa trabalhem em projetos que, eventualmente podem se transformar em interessantes produtos e, em alguns casos, um sucesso incontestável. E um dos novos projetos lá publicados que possuem esse potencial é o Oculus Rift.

O que vemos aqui são óculos de realidade virtual para gamers que prometem e muito, ou pelo menos é isso que passa as primeiras versões de testes apresentados pelos seus desenvolvedores. O projeto é impulsionado por Palmer Luckey, que é um entusiasta da realidade virtual, e apresenta argumentos bons o suficiente para afirmar que esse projeto merece e muito receber os investimentos destinados até agora.

Eles precisavam de US$ 250 mil para que o projeto entrasse em linha de produção, mas como a ideia parece ser realmente muito boa, eles já contam mais de US$ 873 mil (e contando; o número registrado foi no momento em que esse post foi escrito). Se levarmos em conta que ainda faltam 29 dias para que as doações se encerrem, podemos dizer que estamos diante de mais um sucesso do site.

As primeiras versões do Oculus Rift para os desenvolvedores devem ficar prontas para envio em dezembro, e serão enviadas com um SDK para que todos já possam criar seus aplicativos e jogos de forma imediata, além de oferecer uma cópia do jogo Doom 3 BFG Edition. Aqueles que desejavam ser os primeiros a adquirir o produto no ato do seu lançamento, teriam que investir US$ 300, mas essa janela já está esgotada. Vão ter que esperar novos lotes do futuro produto.

Vídeo demonstrativo abaixo.

Via The Verge

Olympus anuncia seus óculos MEG4.0 com tela integrada

by

Com a incrível apresentação do Project Glass durante o Google I/O 2012, provavelmente este modelo da Olympus não deve surpreender muito. Porém, não podemos nos esquecer que este protótipo de óculos tem nada menos que 7 anos de desenvolvimento, ou seja, não se trata de qualquer coisa, menos de uma cópia do produto da gigante de Mountain View.

E depois de tanto tempo de pesquisa e desenvolvimento, a empresa avançou bastante no projeto, e hoje vemos como estes óculos MEG4.0 funcionam, através de uma conexão Bluetooth 2.1 que dá vida a uma pequena tela QVGA (320 x 240 píxels de resolução). Além disso, sua bateria incorporada possui uma autonomia total de 8 horas de uso (duas com a tela ligada) e como principal diferencial para o modelo do Google, tanto o processamento de dados quanto a conectividade à internet é feita através de uma conexão com o smartphone.

Infelizmente não há informações sobre o seu preço ou disponibilidade, apesar de fontes informarem que a Olympus deve lançar o produto “mais cedo ou mais tarde” (precisa essa janela de lançamento, não?).

Via Akihabara News

Mais detalhes sobre o Google Glass: comandos de voz e gestos sensíveis ao toque

by

Ainda que muita coisa tenha sido dita sobre o Google Glass durante a coletiva inaugural do Google I/O 2012, nem todos os seus detalhes foram revelados. Alguns engenheiros do Google ofereceram tais detalhes ao pessoal do Engadget, e vamos contar esses detalhes para vocês.

– O Google está nesse momento “experimentando” as diferentes opções de conectividade para o produto. Os protótipos atuais não incluem conectividade WWAN.
– É possível que o modelo final termine com conectividades 3G/4G, mas por enquanto a ideia é que o dispositivo se conecte a redes WiFi apenas, ou pela conexão compartilhada do smartphone.
– Será possível controlar o dispositivo de várias formas: por voz ou pela barra touchpad, que vai permitir o uso de gestos.
– Possivelmente será permitido controlar a Glass a partir do seu smartphone, mas o Google prefere se concentrar nas formas físicas de controle.
– A Glass inclui um acelerômetro e um giroscópio, aceitando assim comandos por meio de movimentos da cabeça.
– A bateria está localizada na parte posterior da cabeça. Não confirmaram o tamanho, nem sua autonomia.
– Ainda que seja possível gravar vídeos de forma local, a ideia é permitir um stream ao vivo da rede. Com a Glass, o Google quer promover a ideia do “ao vivo, agora mesmo”.
– A gravação local poderá ser usada em locais onde não existe nenhum tipo de conexão (WiFi ou das redes móveis), como em uma reserva ecológica ou em ilhas.
– O Google pensa em vender o produto em várias cores.

Isso é tudo o que foi revelado, por enquanto. Mas já é muita coisa.

Via Engadget

Google I/O 2012: Jelly Bean, Nexus 7, Nexus Q, Google Glass e muito mais

by

Acabou agora a pouco a coletiva inaugural do Google I/O 2012, o evento para desenvolvedores do Google. Muitas novidades, novos produtos, uma nova versão de um sistema operacional e até streaming do Google Glass rolou hoje (27/06) no Moscone Center. Abaixo, um resumo de todas as novidades apresentadas.

Como toda coletiva que se preze, o Google começou apresentando os seus números, que são simplesmente impressionantes. São nada menos que 400 milhões de dispositivos Android ativos desde o início do projeto do Android. Mas o que mais impressiona é o crescimento do número de aparelhos com o sistema do Google ativos nos últimos 12 meses. Em 2011, nessa mesma época do ano, eram apenas 100 milhões de dispositivos ativos.

E hoje, o Google anunciou a concretização de um sonho antigo: a marca de um milhão de dispositivos Android ativados por dia ao redor do planeta. Ou seja, se você ainda tinha alguma dúvida que o Android dominou o mundo, ela acabou hoje.

Outro detalhe interessante está diretamente ligado à Google Play, a loja virtual da empresa. O Google superou a marca de 600 mil aplicativos, e 20 bilhões de aplicativos instalados desde o início do Android. Isso mostra que a curva de crescimento do sistema é constante e consistente. Além disso, merece destaque o fato da loja ter uma maior variedade de produtos, como filmes, séries de TV (por episódios ou temporadas), revistas virtuais e até tablets! Mas vamos falar disso daqui a pouco.

Dito isso, o Android 4.1 Jelly Bean se tornou oficial. A nova versão vem com uma série de melhorias para tornar o Android ainda mais intuitivo, funcional, simples e acessível para os mais diferentes tipos de usuários. A primeira e talvez principal novidade está no Project Butter, que é uma iniciativa encarregada de promover uma melhoria nos tempos de comando e resposta no sistema. Com isso, o Jelly Bean é capaz de reproduzir gráficos a 60 FPS com facilidade, os comandos de toque na tela estão mais rápidos, com uma fluidez de sistema muito maior.

Outro destaque é o triple buffering, que foca os recursos do sistema para uma melhor performance multimídia. Isso se reflete de forma direta na reprodução de vídeos e jogos, além das propriedades gráficas do sistema, que estão devidamente otimizadas. Sua interface gráfica foi modificada, para permitir o redimensionamento inteligente dos widgets, que podem se adaptar ao espaço disponível na tela do dispositivo. Por exemplo, se você possui um espaço para quatro ou seis ícones livres, um widget de e-mail pode preencher automaticamente esse espaço, sem deslocar os demais ícones.

Também há um novo sistema de remoção de ícones e elementos da área de trabalho, e melhorias no álbum da câmera. Agora, com um simples movimento você pode remover uma foto indesejada, dispensando a necessidade de dar mais de um toque na tela. Mas o principal destaque do novo Jelly Bean está nos seus itens de acessibilidade, que honestamente, deixam o Siri no chinelo.

Para começar, o Google implantou um sistema de reconhecimento de voz offline (por enquanto, disponível apenas para o inglês), que permite que o usuário digite uma mensagem de texto ou até textos mais longos sem depender de nenhum tipo de conexão de rede. Ou seja, você pode ditar e-mails ou textos pré-formatados até mesmo com o smartphone no modo avião.

O teclado virtual também foi renovado, e conta agora com um sistema de previsibilidade de texto, no mais puro estilo Swiftkey (quem tem o aplicativo sabe do que estou falando #recomendo). O Google Search foi implementado, e agora, você pode fazer uma pergunta em voz alta, que o Search responde em voz alta, mostrando referências dos resultados, caso você queira saber mais detalhes.

O sistema de notificações também recebeu melhorias, com alertas que se expandem ou se escondem para facilitar o seu uso. Por exemplo, se recebemos uma mensagem multimídia, podemos pré-visualizar a imagem em anexo ou ver essa mesma imagem em tamanho completo, dentro da própria área de notificações.

Por fim, o Google Now, um recurso que basicamente te deixa atualizado sobre o que você quiser, em tempo real, com riqueza de informação e detalhes. Tráfego de uma determinada região, previsão do tempo, resultados esportivos, tráfego aéreo e outras informações que você necessita podem ser enviados automaticamente para o seu smartphone, atualizados constantemente.

O Jelly Bean chega oficialmente ao mercado no meio do mês de julho, e inicialmente estará disponível nos dispositivos Galaxy Nexus, Nexus S e Motorola Xoom, que receberão a atualização via OTA (Over The Air). Os desenvolvedores já podem acessar ao seu SDK a partir de hoje.

Outro grande destaque (que você que lê o TargetHD já sabia antes mesmo do evento começar) foi para o tablet do Google, o Nexus 7. Fabricado pela ASUS, o tablet de 7 polegadas possui uma tela IPS de 1280 x 800 píxels, processador NVIDIA Tegra 3 de quatro núcleos, com uma GPU de 12 núcleos de processamento. Ou seja, ele promete fazer miséria na hora de reproduzir filmes, vídeos e jogos.

O tablet ainda conta com câmera frontal, conectividade WiFi, Bluetooth, NFC, peso de 340 gramas e bateria com autonomia de até 9 horas de reprodução de vídeos em HD. Como não poderia ser diferente, o produto chega ao mercado com o sistema operacional Android 4.1 Jelly Bean, e muitos dos aplicativos mais básicos foram redesenhados, para melhor se adaptarem com a experiência de uso do Nexus 7.

Por exemplo, o Mapas agora permite armazenar de forma local os mapas selecionados, ou a possibilidade de ver o interior de alguns estabelecimentos. Outro aplicativo que foi modificado foi o YouTube, que conta com um novo formato para aproveitar ao máximo as sete polegadas de tela do Nexus 7.

O Google Nexus 7 já está disponível para reserva na Google Play, em versões de 8 e 16 GB de armazenamento. Por enquanto, apenas para alguns países selecionados, como Estados Unidos, Canadá e Reino Unido;. Seu preço sugerido é de US$ 199, e as primeiras unidades começam a ser distribuídas na segunda quinzena do mês de julho.

Mas o Google ainda tinha uma carta escondida na manga: o Nexus Q, um player multimídia com recursos diferenciados, uma vez que ele vai reproduzir conteúdos por streaming a partir da nuvem, trabalhando lado a lado com o aplicativo Google Play Music. Com essa combinação, o usuário poderá criar listas de músicas com os nossos amigos via internet, utilizando qualquer dispositivo Android, e permitindo a reprodução no dispositivo.

No seu interior, ele conta com um processador OMAP 6640 (o mesmo processador presente no Galaxy Nexus), e conta com uma conectividade dual WiFi, Ethernet, NFC e Bluetooth. O produto já pode ser reservado no mercado norte-americano, com lançamento anunciado para a segunda metade do mês de julho. Preço sugerido de US$ 299.

Mudando de assunto… apesar de eu, você, e metade da torcida do Flamengo não utilizá-lo, o Google+ foi atualizado, com o objetivo de ser funcional para todo o tipo de tablets. Tudo indica que a rede social d o Google vai continuar se remodelando de forma profunda, justamente para alcançar um maior número de usuários, em diferentes dispositivos.

Uma série de mudanças foram anunciadas para que os conteúdos sejam melhor exibidos na tela dos tablets, mesmo aqueles que não são do sistema Android. Entre as principais novidades, temos um novo sistema de navegação, uma nova distribuição na orientação paisagem, e uma aparência diferente nos Hangouts, para se adaptar melhor às telas dos tablets.

Os usuários de tablets com Android já poderão atualizar o aplicativo do Google+ a partir de hoje. Já os usuários do Novo iPad vão ter que esperar um pouco mais (e o Google não revela quando). E para não dizer que o Google+ não é um sucesso, a empresa de Mountain View afirma que o serviço já conta com 250 milhões de usuários.

Além disso, eles apresentaram oficialmente a função “Events”, que promete ajudar a organizar as comunicações e lembretes com nosso contatos, integrando o recurso ao Calendário, além de oferecer o modo Festa, para associar diretamente ao contato a foto registrada.

Por fim, o Project Glass. Como de costume, o Google não estava muito disposto a dar detalhes concretos sobre suas especificações, se limitando a fazer uma demonstração com saltos de para-quedas, demonstração de bikes, descida de prédios e outras ações radicais. A empresa de Mountain View aproveitou o evento para contar que o óculos futurista conta com um potente processador e uma grande quantidade de memória RAM, além de acelerômetro, giroscópio e conexão sem fio.

Os comandos de voz são recebidos através de um microfone integrado, mas o óculos possui o seu próprio alto-falante e uma câmera, como bem sabemos. O dispositivo estava presente no cenário do Moscone Center em três versões (nas cores azul, branco e preto), e a unidade central está um pouco acima do nível dos olhos.

Os óculos multifuncionais estarão disponíveis na sua versão Explorer Edition durante o Google I/O, de forma exclusiva para os desenvolvedores norte-americanos, com um preço inicial de US$ 1.500. Sua data de envio ainda está por ser determinada, mas o próprio pessoal do Google informa que as primeiras unidades não devem ser enviadas antes do começo de 2013.

Pesquisadores espanhóis criam óculos de realidade aumentada para alertar deficientes visuais sobre os obstáculos nas ruas

by

Sempre que falamos nos óculos/tela, pensamos em complexos sistemas de realidade aumentada, com fins produtivos ou lúdicos, como o ProjectGlass ou os diversos modelos desenvolvidos especificamente como monitores, mas o aparelho criado pelos pesquisadores da Universidade Carlos III de Madri busca algo mais louvável, que chega ao nosso mundo via Google Ads: ajudar as pessoas com problemas de visão a detectar possíveis obstáculos em seu caminho.

Utilizando tais óculos e um computador portátil (que com alguma sorte pode ser substituído no futuro por um smartphone ou algum dispositivo mais portátil), o acessório permite localizar objetos ou pessoas nas proximidades, e ressaltar tais objetos desenhando um perfil colorido ao seu redor. A tonalidade do objeto varia dependendo da distância, oferecendo assim uma certa sensação de profundidade, para tornar mais fácil a orientação espacial do usuário.

O protótipo está sendo desenvolvido em colaboração com o Instituto de Oftalmologia Aplicada da Universidade de Valladolid, que se encarregará de levar adiante os ensaios químicos. Os primeiros resultados devem ser publicados até o final do ano.

Via Phys.org

Patente dos óculos Project Glass do Google é apresentada

by

Com o objetivo de evitar possíveis cópias de clonadores, o Google apresentou a patente do design de seus óculos de realidade aumentada. Essa imagem que você vê acima pode ser o design final do Project Glass, um óculos com um certo toque hipster, que segundo o pessoal de Mountain View, vai oferecer “isso”… que não sabemos direito o que é. Seria este o começo de uma nova linha de negócio para o mercado de óculos e acessórios?

E você? O que achou do design final? Muito convencional? Nada futurista? Ou coisa de hipster mesmo?

Via Engadget

Sergey Brin aparece em público usando um protótipo da Project Glass

by

O Google está levando o projeto do Project Glass a sério, e como podemos ver na imagem acima, o seu co-fundador gostou tanto da ideia que se animou a usar um dos protótipos em desenvolvimento em Mountain View em público.

Sergey Brim apareceu em um evento de caridade realizado nesta semana, usando uma barba (algo incomum entre os CEOs norte-americanos) e usando os óculos/tela. Segundo informa as pessoas que lá estiveram presentes, os óculos refletiam uma pequena luz azul sobre os olhos, e aparentavam ser totalmente independentes, já que ainda que Brin usasse uma mochila nas costas, não parecia ser esta a encarregada de enviar energia para as lentes.

Quanto ao seu design, ele mantém a estética já apresentada em seus conceitos, e aparenta ser um produto realmente leve. Além disso, parece que um dos executivos da empresa, Vic Gundotra, estava com outro óculos em seu poder, de modo que podemos ter mais uma unidade funcional.

Via Electronista

Google Project Glass: o futuro, cada vez mais próximo da tua retina

by

Você se perguntava como será o futuro? Pois bem, o Google começa a responder essa pergunta com um atraente vídeo. O Project Glass apresenta uma espécie de óculos/tela, que traz uma tecnologia que permitirá um resultado semelhante ao vídeo que você verá abaixo. O projeto ainda está em fase de desenvolvimento de conceito, mas já é oficial, e o Google convida os usuários a compartilhar as suas ideias sobre o produto. Abaixo, o vídeo mostra o que o conceito será capaz de fazer: trazer o futuro para diante dos nossos olhos.

Via Google

Zeal Optics iON, para gravar as suas manobras de snowboard

by

A Zeal Optics continua surpreendendo a todos com a sua linha de óculos, e desta vez, eles apresentam um modelo com design e características que parecem ter saído de um filme de ficção científica. O iON são óculos que são capazes de gravar vídeos a 1080p, graças ao seu sensor e uma lente, onde é possível ter um a visão de 170 graus.

Além disso, é possível registrar fotos com uma resolução de 8 MP, através de um pequeno visor eletrônico, e sua bateria pode alcançar as 6 horas de uso contínuo, entre vídeos e fotos. O produto utiliza um cartão microSD para armazenamento do conteúdo, e para conectá-lo ao PC, tudo o que é necessário é um cabo mini USB, para converter os conteúdos ao disco rígido.

O Zeal Optics iON já está disponível nos Estados Unidos, por um preço de US$ 399.


Via Zeal Optics

Brando apresenta um tablet 3D sem necessidade de óculos e que custa menos de US$ 200

by

Da Brando, podemos esperar praticamente qualquer coisa. Inclusive um tablet 3D com Gingerbread, que tem como maior destaque ser um tablet tridimensional que dispensa o uso de óculos. O equipamento recebe o nome de GAdMEI T863-3D, e tem tela de 8 polegadas, saída HDMI, slot para microSD, câmera frontal, 512 MB de memória RAM e preço de apenas US$ 199. Acredite, se quiser! Ah, e a Brando entrega o produto para todo o planeta. Abaixo, vídeo demonstrativo.


Via CNET

Smart Glasses da Vuzix prometem telas holográficas conectadas

by

Por enquanto, não existem muitas informações, e os detalhes não são muito claros, mas pelo menos sabemos que a Vuzix planeja fabricar óculos com telas “muito brilhantes e de alto contraste”, em parceria com a Nokia. Os modelos teriam um design comum, parecendo com óculos normais.

Entre os detalhes técnicos, falam de uma estrutura holográfica de entrada e saída na superfície, que se “mistura com o mundo real”, e expande as imagens nos olhos do usuário. Entendemos que esta solução permitiria a navegação pela internet, leitura de e-mails e até a visualização de vídeos, sem bloquear a visão do usuário.

A Vuzix espera ter os óculos prontos para o meio do ano, e é possível que a empresa apresente algum protótipo durante a CES 2012.



Via Engadget

Epson lança os primeiros óculos-tela transparentes para consumo

by

A Epson lança a Moverio BT-100, os primeiros óculos-tela transparentes dedicados ao consumo geral. Os óculos, que integram dois projetores LCD (960 x 540) podem simular diante dos seus olhos uma tela de 320 polegadas a 20 metros de distância. Os óculos se conectam ao seu próprio player, que tem software baseado no sistema Android 2.2, suporte para aplicativos, 1 GB de memória (expansível para até 32 GB via microSD) e WiFi, assim como um controle no estilo touchpad. Sua bateria oferece uma autonomia de até 6 horas.

O Moverio BT-100 tem lançamento previsto no Japão a partir de 25 de novembro, e custa aproximadamente US$ 770. Tem previsão de lançamento na Europa para o começo de 2012. Devemos ver o produto novamente na CES 2012.

via TechOn

NVIDIA 3D Vision 2: maior conforto para os adeptos do 3D

by

Dois anos são uma eternidade no mundo do 3D. E já era hora da NVIDIA renovar o seu 3D Vision. Os seus novos óculos 3D Vision 2 se destacam pelo uso de lentes 20% maiores, para serem usadas de forma mais cômoda com monitores 3D de dimensões maiores, uma maior claridade de imagem e um design mais confortável, para que você possa ficar mais tempo usufruindo do entretenimento 3D.

Os novos óculos 3D Vision 2 da NVIDIA estarão disponíveis a partir desse mês de outubro, com um preço de 119 euros para o modelo sem fio, e 99 euros para o modelo cabeado. Obviamente, esses óculos são compatíveis com as telas 3D Vision lançadas até agora, e segundo informa a NVIDIA, fabricantes como Asus e Toshiba começarão a incluir esses novos óculos em seus monitores 3D.



via Engadget

NU Hawkeye, os óculos de sol que não perdem nenhum detalhe de suas aventuras

by

Estes são os óculos Hawkeye, da NU, que além de proteger os seus olhos do sol, permite que você tire fotos e grave vídeos de forma discreta e eficiente. Na prática, esses óculos possuem lentes móveis polarizadas e design ergonômico, e incorporam a opção de gravação em resolução 640 x 480 (em formato AVI), com duração de até 2 horas.

Além disso, a Hawkeye possui fones de ouvido para você ouvir as músicas em MP3 armazenados em seus 4 GB de memória (que podem ser adicionados em uma interface USB), além de um pequeno controle remoto para capturar as fotos e vídeos. Já disponível na Europa por um preço de 139 euros.

via Naical