Arquivo para a tag: macbook

Novos MacBook Air Retina e iMacs 4K em outubro de 2014? Difícil sem o Broadwell

by

650_1000_macbookair

A Apple liberou a beta pública do OS X 10.10 Yosemite, que promete melhoras visuais importantes, além da integração (não disponível na beta) da promissora tecnologia Continuity. O lançamento da versão final do sistema operacional acontece no final de outubro, e segundo o 9to5Mac, novos modelos de desktops e portáteis da Apple devem aparecer.

Espera-se um MacBook Air de 12 polegadas com tela Retina, e um iMac com tela UHD/4K ou da família Cinema Display, com 4K. Fontes próximas da Apple indicaram para esta fonte que o hipotético MacBook Air chegaria com uma espessura e peso ainda mais reduzidos, porém é muito provável que ele não apareça tão já.

O motivo é bem simples: é mais lógico que a Apple renove esses portáteis como os novos processadores da Intel, o Broadwell, que não deve estrear até o final do ano. Obviamente, existe a chance da Intel ter acelerado a produção já pensando nos novos MacBook Air, mas se isso acontecer, seria uma (grata) surpresa.

O mesmo acontece com os iMac com telas 4K, algo que tem sentido – principalmente com o fato do OS X 10.9.3 suportar essa resolução -, e que também reforçaria sua estratégia de produto, agora que fica claro que características como o Cotinuity reforçarão um ecossistema que pode trabalhar de forma integrada tanto no iPhone como no iPad ou no Mac.

Logo, paciência, caro amigo. Se nenhuma novidade nos computadores Apple for revelada em outubro, você já sabe o motivo.

Via 9to5mac

BatteryBox, uma bateria externa de 12.000 mAh para o seu MacBook

by

batterybox-main

E quem não quer um pouco de autonomia de bateria a mais em qualquer lugar? Uma bateria externa para o notebook não seria uma má ideia para quem vive trabalhando em qualquer lugar. Pois bem, uma das soluções para os portáteis é a BatteryBox.

Esta é uma bateria de pequeno tamanho e grande capacidade para os MacBooks da Apple, já que conta com o conector de corrente MagSafe 2. Oferece 12.000 mAh de energia e 50 Whr, que segundo sua especificação oficial, oferecem até 12 horas de autonomia adicional ao MacBook Air, ou 6 horas a mais para o MacBook Pro. Além disso, seu conector USB permite a recarga de bateria de outros dispositivos, como smartphones ou tablets.

O BatteryBox tem medidas de 2.50 x 6.68 x 7.62 centímetros, e 250 gramas de peso. Ou seja, não vai fazer peso algum na sua mochila. Além disso, o acessório conta com um gestor próprio, o BatteryOS, que monitora o status da bateria externa, para que a sua durabilidade seja a máxima, garantindo que a bateria mantenha pelo menos 96% de sua capacidade original após 3 mil ciclos de recarga.

O único problema do BatteryBox é o seu preço de US$ 140, um pouco caro para muitos. Mas a relação custo/benefício é promissora. Ele já pode ser reservado, com os primeiros envios previstos para o mês de novembro de 2014.

 

Via Geeky Gadgets, BatteryBox

Apple atualiza o MacBook Air, que passa a contar com processadores Haswell

by

apple-macbook-air

A Apple atualizou o seu querido MacBook Air, de forma discreta e quase silenciosa. Basicamente, eles mudaram o processador dos atuais modelos por um chip de nova geração, e deixaram todo o resto como está. Dito isso, o novo MacBook Air mantém os seus 4 GB de RAM, capacidades de 128, 256 e 512 GB, gráficos Intel HD 5000 e uma tela com resolução de 1.440 x 990 pixels. Já o citado processador passa a ser um Core i5 de 1.4 GHz na sua configuração básica, no lugar de um com 1.3 GHz.

Os itens de conectividade também seguem inalterados, oferecendo o mesmo número de portas Thunderbolt, USB 3.0 e leitor de cartões no modelo de 13 polegadas. Assim como sua tela, que segue sem ser Retina, para a tristeza de muitos.

Preços? Pois não. No Brasil, os novos MacBook Air custam entre R$ 4.699 (para o modelo de 11 polegadas e 128 GB de armazenamento) e R$ 5.999 (para o modelo de 13 polegadas e 256 GB de armazenamento). Tabela completa de preços e especificações a seguir.

apple-macbook-air-2014-precos

Via Apple

Rumor: Apple pode atualizar o MacBook Air na semana que vem

by

macbook-air

É o que dizem por aí. O MacBook Air pode ser atualizado na semana que vem. Quem levanta essa hipótese é o site MacGeneration, baseando-se em suas fontes, que afirmam que os renovados Air de 11 e 13 polegadas serão apresentados na semana que vem, provavelmente na próxima terça-feira (29), data que a Apple habitualmente escolhe par atualizar a sua Apple Store.

Sobre o que podemos esperar desses equipamentos, não podemos dizer muito, mas algumas pequenas mudanças nas especificações técnicas poderiam acontecer – como por exemplo, na RAM -, mas sem oferecer grandes surpresas. 

Muitos são o que esperam que a Apple adicione a tela Retina na sua linha Air, mas ao que parece, pelo menos por enquanto, Tim Cook e companhia não estão dispostos a oferecer esse gosto aos usuários. Teremos que seguir esperando. Inclusive o que vai acontecer na próxima terça-feira.

Via Pocket-Lint

Apple também reconhece problemas no teclado e no trackpad do novo MacBook Pro de 13″

by

Se você é um daqueles que estão esperando com muita ansiedade para colocar as suas engorduradas mãozinhas em um MacBook Pro Retina de 13 polegadas e processador Intel Haswell… eu te entendo. Porém, infelizmente (e mais uma vez), os early adopters vão pagar o preço por serem os primeiros a comprarem o produto. Motivo: problemas no novo computador, típico das primeiras levas de qualquer produto.

A Apple reconheceu publicamente que uma falha de origem indeterminada pode bloquear o teclado e o trackpad do computador portátil, transformando o mesmo (de forma temporária) em um belo peso de papel gigante revestido de alumínio. Alguns usuários que já receberam o novo computador garantam ter despertado os seus novos MacBook Pro fechando a tela durante um minuto ou forçando uma reinicialização do equipamento (depois que o mesmo apresenta os problemas de inoperância de teclado e trackpad), porém, o problema persiste.

Seja como for, a Apple considera como válida a reclamação desses clientes, e informou que está trabalhando em uma atualização, que deve solucionar esse contratempo, que pode acontecer “em circunstâncias excepcionais” (segundo palavras do pessoal de Cupertino). Até a publicação da correção, o conselho que a equipe técnica da Apple passa aos consumidores afetados é forçar uma hibernação de até um minuto, para verificar se os computadores afetados conseguem despertar em plenas condições de uso.

Via CNET

iFixit também desmontou o MacBook Pro Retina (2013)

by

macbook-pro-2013-ifixit-topo

As ferramentas de desmontagem da equipe do site iFixit não param, e o último dispositivo a passar pela sala de operações deles é o novo MacBook Pro com tela Retina.

E tal como parece que está sendo uma tradição nos produtos com tecnologia de ponta (e até infelizmente para muitos usuários), temos que dizer que o nível de reparação segue sendo dos mais baixos, o que torna o produto de difícil conserto. Além de utilizar parafusos especiais de cinco pontas para complicar o acesso ao interior do equipamento, eles se depararam com módulos de RAM soldados na placa, impedindo assim a sua expansão.

Além disso, a sua tela é completamente soldada, e isso obriga o usuário a trocá-la por completo, em caso de avarias mais sérias, assim como o novo disco PCIe, que segue sem manter o seu formato padrão.

Se tudo isso parece ser pouco para você, saiba que a bateria segue colada ao corpo do equipamento, de forma até mal intencionada. Sobre as novidades do novo MacBook Pro, o dissipador agora chega com uma única almofada térmica, graças à integração do processador gráfico.

A pontuação final do MacBook Pro com tela Retina na análise do iFixit foi de 1/10, o que dá uma clara ideia do trabalho que o usuário vai ter para consertar o produto. Ou melhor, que inevitavelmente o produto danificado terá que passar pela Apple.

macbook-pro-2013-ifixit-01 macbook-pro-2013-ifixit-02 macbook-pro-2013-ifixit-03 macbook-pro-2013-ifixit-04 macbook-pro-2013-ifixit-05

Para ver a análise completa do iFixit, clique aqui.

Apple Cover 2013 | Novas versões do MacBook Pro com processadores Haswell e tela Retina são anunciados

by

overview_apps_hero

A Apple também anunciou novidades na sua linha de notebooks profissionais. Os novos modelos do MacBook Pro com tela Retina oferecem melhorias de hardware, que se alinham ao novo sistema operacional anunciado hoje (o Mac OS X Mavericks).

A principal novidade dos novos notebooks da Apple é a inclusão da nova família de processadores Intel Haswell, que oferece muitas  melhorias técnicas aos dispositivos, como gráficos no padrão Iris e um melhor desempenho de bateria. Combinados com as melhorias do Mac OS X Mavericks, a Apple promete um desempenho maior, com uma autonomia de uso igualmente maior (em, pelo menos, uma hora de uso).

Os novos MacBook Pro mantém a sua tela Retina, e contam com armazenamento em SSD a partir de uma porta PCI Express, gráficos gerenciados por uma GPU NVIDIA GeForce GT 750M e conectividade Wi-Fi 802.11ac, oferecendo melhorias em itens considerados pontuais, que se convertem em um melhor desempenho.

Falando um pouco mais de sua autonomia de bateria, o modelo com tela de 15 polegadas pode ser utilizado por até 8 horas sem a necessidade de conectá-lo na tomada. Já o modelo com 13 polegadas de tela tem autonomia de 9 horas de uso. É algo excelente, levando em consideração o perfil de usuário que esse produto tem como consumidor-alvo.

overview_performance_hero

É dispensável dizer que tantas novidades custam alguma coisa. No caso da Apple, uma boa quantia de dinheiro. Nos Estados Unidos, o MacBook Pro 13 Retina 2013 está disponível na sua configuração mais básica (processador Intel Core i5 de 2.4 GHz, 4 GB de RAM e 128 GB de SSD) tem preço sugerido de US$ 1.299. Já o modelo com tela de 15 polegadas, nas mesmas especificações, tem preço sugerido de US$ 1.999. Nos EUA, já podem ser adquiridos a partir de hoje (22).

Enquanto isso, no Brasil, o MacBook Pro 13 Retina 2013 tem preço inicial sugerido de R$ 5.999. O modelo de 15 polegadas mais acessível custa R$ 9.999. Já podem ser reservados, com a previsão do início dos envios previsto para “de 2 a 3 semanas”.

overview_what_is

Via Apple

O que podemos esperar da Apple no evento de amanhã (22 de outubro)

by

apple-lots-to-cover

Como você bem já sabe (não é possível que você não saiba a essa altura do campeonato), a Apple convidou a imprensa especializada nos Estados Unidos para um evento que vai acontecer amanhã, 22 de outubro, no Yerba Buena Center, em San Francisco, California. Nesse evento, eles devem apresentar uma série de novidades que devem chegar ao mercado internacional até o final de 2013 (ou naqueles mercados que a Apple considera importante – e nessa lista, o Brasil não está presente), além de algumas possíveis surpresas que Tim Cook deve ter guardado na manga.

Tudo indica que o evento de amanhã será o último evento da Apple no ano, mas apesar da empresa não deixar muito claro os seus reais motivos, o que fica implícito é que serão alguns lançamentos. Ou muitos, já que a frase que reforça o convite é “we still have a lot to cover”.

Sabendo que essa é a sua última oportunidade para mostrar novos produtos (mesmo apenas um mês depois de lançarem os novos iPhones), a Apple fatalmente deve apresentar os novos iPads, novos Macs e o preço e data de lançamento do OS X Mavericks. Mas… será que é só isso? Nesse post, faremos uma revisão sobre o que pode ser apresentado amanhã no evento. Se nada disso acontecer, a culpa não é nossa se eles mudam de planos do nada.

Logo, vamos revisar tudo o que pode ser anunciado amanhã pela Apple.

(Com certeza) Novos iPads (iPad 5 e iPad mini 2)

Os principais destaques do evento de amanhã podem ser os novos iPads. A quinta geração do iPad deve ser um produto completamente redesenhado, e a segunda versão do iPad mini deve receber melhorias de especificações, para um melhor desempenho.

As fones de tecnologia que especularam sobre o assunto nos últimos meses (e que anteciparam os novos iPhones antes dos mesmos serem anunciados pela Apple) indicam que o novo iPad 5 terá uma aparência externa muito mais próxima ao do iPad mini, com laterais mais finas. Já o iPad mini incluiria a esperada tela Retina. Nos dois casos, também é esperado que a Apple inclua o novo processador A7 e o identificador biométrico Touch ID.

Em junho de 2014, a Apple mostrou a sua nova versão do sistema operacional para desktops e notebooks, o OS X Mavericks, e prometeu o seu lançamento para o final de 2013. Logo, está quase confirmado que este evento também servirá para apresentar mais novidades e recursos ainda não anunciados, além da sua data exata de lançamento e o seu preço. Muito provavelmente ele deve estar disponível no mesmo dia do evento, ou poucos dias depois.

(Provavelmente) Novos Macs

Na parte de computadores, além do OS X Mavericks, a Apple deve revelar mais detalhes sobre o novo Mac Pro, que foi apresentado na WWDC 2013. O produto recebeu uma radical reformulação de hardware, recebendo não só novas e turbinadas especificações técnicas, mas também apresentando modificações importantes na sua estética.

O novo MacPro é agora um cilindro tecnológico, com a parte central aberta. As novas características do produto incluem um processador mais rápido, memórias Flash com maior velocidade, além das conectividades Thunderbolt 2, HDMI e USB 3.0.

A Apple deve finalmente contar ao mundo quanto vai custar para nós ter um produto como esse em casa.

Por outro lado, o MacBook Pro pode apresentar diferenças em seus dois modelos: dos modelos com tela Retina é esperado pelo menos uma atualização para os processadores mais recentes da Intel (da linha Haswell), o que deve se converter em um maior desempenho para o produto. Por outro lado, os modelos cuja tela não possui retina não são atualizados desde junho, e a tela com especificações melhoradas pode ser uma das novidades desses modelos.

O Mac Mini é outro produto que não é atualizado desde outubro de 2012, e pode receber uma nova versão. Alguns rumores apontam para alguma menção da porta Thunderbolt 2, uma vez que a primeira versão do Thunderbolt foi lançada no final de 2011.

Uma Nova Apple TV (talvez)

Alguns veículos de imprensa (inclusive nós aqui no TargetHD) chegaram a publicar um vazamento da versão alemã do site da Amazon, que apontava para uma nova versão da Apple TV. Alguns rumores foram ditos sobre isso nos últimos meses, mas não com tanta ênfase como acontece hoje com os novos iPads. O que fez reacender a fogueira de especulações sobre esse tema foi justamente esse vazamento. Logo, não será surpresa se o produto aparecer no evento, atualizado e repaginado.

Novos iPods (pouco provável)

Como a Apple não falou sobre novos iPods no evento de lançamento dos novos iPhones (e eles mesmos afirmam que estão com um monte de coisas para contar”, existem os mais otimistas que estão na esperança que a empresa de Cupertino apresente novas versões do seu player musical. Particularmente, acho pouco provável de acontecer, mas não completamente impossível. A Apple não decretou oficialmente o fim da produção dos seus players musicais. Logo, enquanto há vida, há esperança.

Por outro lado, as vendas dos iPdos caem de forma vertiginosa a cada trimestre. Com os usuários buscando outras soluções para ouvirem as suas músicas preferidas (e em muitos cassos, aproveitando da portabilidade), não será surpresa se esse segmento chegar ao fim em um futuro próximo.

Apple HDTV e iWatch (quase certeza que não)

Essas são duas novidades muito esperadas e especuladas pelos analistas e especialistas em tecnologia, e são produtos considerados como certos entre as futuras iniciativas de inclusão de mercado da Apple. Porém, nada aponta para um lançamento de qualquer um deles para o final de 2013. Talvez o iWatch contasse com mais chances de ser apresentado (e, se for anunciado amanhã, será uma imensa surpresa para todos. Talvez fosse até positivo o lançamento do relógio inteligente da Apple agora, mas por outro lado, pode não ser algo estrategicamente sábio. O melhor mesmo é deixar para o começo de 2014.

O mesmo acontece para a suposta Apple HDTV. É fato que é a intensão de Tim Cook e sua turma é adentrar de forma séria nesse terreno, mas acredito que o produto ainda está em estágio de desenvolvimento, e espera um momento mais adequado para ser anunciado. Logo, não é possível sequer imaginar que será anunciado amanhã. Se for, é mais uma surpresa daquelas. Mas não vamos reclamar por conta disso. Muito pelo contrário.

MacBook Air é transformado em um notebook para games, graças a uma GPU externa

by

macbook-air-external-gpu-larry-gadea.jpg.pagespeed.ce.JfwoialRUe

Sim, eu sei. O finíssimo MacBook Air de 11 polegadas já conta com uma GPU integrada. Mas por causa das restrições impostas pelas dimensões do portátil, e pelo target ao qual o produto se dirige (mobilidade e produtividade básica em um equipamento com OS X), ele não é o notebook que podemos chamar de “ideal” para os jogos. Até agora.

Um usuário do fórum Tech Inferno conseguiu transformar um MacBook Air em um autêntico notebook para games, e dos mais versáteis. Para isso, ele precisou de dois elementos considerados essenciais para esse tipo de experiência: uma boa unidade gráfica externa, e muita dose de paciência.

O modder conectou uma placa PCI Express na porta Thunderbolt do equipamento, combinando dois adaptadores. Somado à isso, ele instalou o Windows 7 no MacBook Air (via Boot Camp) e um aplicativo para fazer o reconhecimento da GPU externa.

Como era de se esperar, o desempenho final do equipamento no quesito jogos foi simplesmente excelente. A combinação elevou o framerate do portátil em até sete vezes, superando com sobras o potencial que a Intel HD 5000 presente no MacBook Air pode oferecer.

Porém, antes que você comece a buscar as chaves para abrir o seu portátil da Apple, ou já esperando que uma solução dessas pode ser encontrada ao mercado, vamos colocar um pouco de água no seu chope. O próprio modder alerta que o procedimento de modificação do MacBook Air é mais complexa do que parece, uma vez que a GPU externa exige uma fonte de alimentação externa para se manter em funcionamento, e não parece que a Intel vai facilitar as coisas na hora de disponibilizar as licenças necessárias para comercializar GPUs que funcionem via Thunderbolt.

Mesmo assim, não custa você conferir o vídeo abaixo e, quem sabe, tentar o mesmo projeto na sua casa, garagem ou bancada de trabalho.

 

Via MacRumors, Tech Inferno

Novo MacBook Air é desmontado pela iFixit, e algumas surpresas são reveladas

by

ifixit-mb-air-13-2013-teardown.jpg.pagespeed.ce.dxXCrigGEO

Alguns anseiam contar com os mais recentes lançamentos do mercado apenas para ligar e aproveitar dos avanços do novo modelo. Mas o pessoal do já famoso site iFixit conta com uma ideia fixa na cabeça: desmontar os produtos por completo, apenas para saber como ele é construído. Nesse sentido, o produto da vez que foi desmontado é o novo MacBook Air, e algumas surpresas foram descobertas durante o processo.

Graças ao pessoal da iFixit, agora sabemos que a Apple combinou toda a eficiência dos últimos processadores Intel Haswell com uma bateria de maiores dimensões (7.150 mAh), e que a Broadcom é a responsável pela fabricação do chip WiFi do equipamento. E o conjunto processador Haswell + bateria de 7.150 mAh + sistema Mac OS Mavericks (que é capaz de gerenciar melhor os recursos), podemos afirmar que as chances desse produto contar com a tal autonomia de “um dia inteiro de uso” (prometida pela Apple) aumentam consideravelmente.

Outra grande mudança dessa nova versão do Air está na unidade SSD, que está consideravelmente menor, se comparada com o modelo 2012. Com tantas mudanças o MacBook Air 2013 se tornou mais difícil e ser consertado, o que faz com que a sua pontuação pelo site iFixit seja de 4/10 pontos. Clique aqui para ver a análise completa.

Novo MacBook Air (2013) é anunciado oficialmente

by

novo-macbook-air

O keynote inaugural da WWDC 2013 começou, e uma das primeiras novidades anunciadas pela Apple no segmento de hardware é a versão 2013 do MacBook Air. Os portáteis com tela de 11 e 13 polegadas foram atualizados, recebendo novos processadores e uma autonomia de uso maior.

O novo MacBook Air conta agora com uma autonomia de bateria prometida de até “um dia completo de uso” (isso se traduz em 9 horas de bateria para o modelo de 11 polegadas, ou 12 horas de bateria para o modelo de 13 polegadas). Essa capacidade de funcionamento longe da tomada só é possível graças aos novos processadores Intel Haswell presentes nos portáteis.

Macbook-Air

Além disso, a sua GPU foi atualizada, para oferecer uma maior capacidade de reprodução, o que se converte em gráficos até 40% mais rápidos para a maioria das atividades. O novo portátil também e mais inteligente no gerenciamento de processos de baixo consumo de hardware.

Além disso, os dois modelos tiveram as suas capacidades de armazenamento dobradas, contando agora com 128 e 256 GB em SSD (antes era 64 GB).

macbook-air-haswell

Os preços iniciais sugeridos para o novo MacBook Air é de US$ 999 (modelo de 11 polegadas) e US$ 1.099 (modelo de 13 polegadas), e os novos portáteis começam a ser vendidos nos Estados Unidos a partir de hoje (10/06). No Brasil, a Apple Store local já lista os novos modelos de MacBook Air. A seguir, os preços:

  • MacBook Air de 11 polegadas (128 GB SSD), por R$ 4.199,00
  • MacBook Air de 11 polegadas (256 GB SSD), por R$ 4.999,00
  • MacBook Air de 13 polegadas (128 GB SSD), por R$ 4.599,00
  • MacBook Air de 13 polegadas (256 GB SSD), por R$ 5.399,00

new-macbook-air2013

Via Apple

 

Estaria a Apple preparando um MacBook híbrido?

by

patente-apple-notebook-hibrido

Uma patente recém publicada na USPTO mostra que a Apple está mesmo pensando em um notebook conversível. As imagens do dispositivo mostram uma proposta muito parecida com aquela adotada por outros fabricantes que utilizam o Windows 8, onde uma tela poderia se destacar do teclado, transformando o portátil em tablet. Porém, com algumas diferenças que poderiam tornar o modelo uma opção única no mercado.

A principal diferença que a patente proposta pela Apple possui dos seus rivais está em um sistema de transmissão de energia sem fio, oferecendo (na teoria) uma maior autonomia de bateria do produto. A ideia da Apple é fabricar um MacBook Pro em um chassi monobloco, onde a tela pode ser extraída, se transformando em um “iPad”, que se conecta com a a sua base para transferência de dados através de diversos protocolos.

Faz um bom tempo que a Apple trabalha em seu sistema de recarga de bateria sem fio, mas até agora, isso não foi incorporado em nenhum dos seus produtos. A ideia é que, no futuro, os gadgets da Apple sejam compatíveis com esse sistema, de alguma forma. Vale lembrar que, em março de 2013, uma patente revelada da empresa mostrava a ideia de incorporar um sistema de carga de bateria indutiva no próprio case original do iPad.

A vantagem (e diferença) do sistema da Apple para outros sistemas de recarga sem fio (como a almofada Fatboy para o Nokia Lumia 920, por exemplo), é que o case da Apple não irá interferir na experiência de uso e produtividade com o iPad. O usuário pode trabalhar normalmente com o tablet enquanto sua bateria é recarregada, uma vez que o case ficaria posicionado perfeitamente na parte traseira do tablet.

ipad_smart_cover_inductive_charging

Finalmente, temos aqui uma possibilidade real de inovação da Apple, que pode estar disponível nas futuras gerações do iPad. A má notícia é que, se depender de Tim Cook,  um produto híbrido ou outras inovações convergentes vão demorar a aparecer nos produtos da empresa. Palavras do próprio durante a apresentação dos resultados financeiros do segundo trimestre de 2012: “os intercâmbios entre os dispositivos dão um resultado que não favorece a ninguém (…) e tais conversões provavelmente não são de agrado dos usuários”. Só queria saber quantos usuários disseram isso para ele.

Mesmo assim, Cook tem a sua dose de razão. Se levarmos em conta um universo de milhões de usuários da Apple ao redor do planeta, que sabem o que querem (na teoria), apesar da ideia de um MacBook Pro híbrido ser tentadora, a tendência é que os usuários da gigante de Cupertino querem mesmo ter um dispositivo específico para cada tarefa ou atividade.

Outro detalhe importante: a maioria das patentes que a Apple registra nos Estados Unidos jamais chegam às lojas. Tudo faz parte da velha estratégia de registrar patentes para a já conhecida “guerra de patentes” contra outras fabricantes de tecnologia. Veremos se as propostas apresentadas podem se tornar realidade a longo prazo, pelo menos.

Via USPTO

[Futurologia] a Apple em 2013: iPhone “de entrada”, Apple HDTV e MacBook Air com iOS

by

2012 está acabando, e os exercícios de futurologia já começaram entre os veículos especializados de tecnologia, e em blogs de segundo escalão, como o TargetHD. Começamos a série de posts de “Futurologia” com o que pode acontecer no próximo ano em termos de lançamentos com a maior empresa de tecnologia do mundo, a Apple.

Antes, é sempre bom lembrar que o que vou fazer nesse post é um chutômetro total. Não existe base científica nenhuma que comprove minhas teorias, e nada do que eu disser a seguir pode vir a acontecer até dezembro de 2013. Mas ao menos vai resultar em um bom post, gerando algum tipo de discussão (saudável, eu espero) sobre as possibilidades de cada empresa em termos de lançamentos futuros e novas estratégias de mercado.

Apple

A Apple é líder de mercado, mas precisa inovar novamente. E definitivamente, pois existe um ar de descontentamento geral entre os usuários mais pioneiros da empresa. Existe espaço para inovação. Agora, se ela vai acontecer? É difícil saber. Mas podemos chutar algumas possibilidades.

iPhone “de entrada”

A Apple deu o seu primeiro passo em busca do “povão”, ou de popularizar os seus produtos entre aqueles que não podem pagar caro para se ver livres de contratos. O iPad Mini é esse primeiro passo, mesmo custando US$ 150 mais caro que os seus principais concorrentes no segmento de tablets de 7 polegadas (Amazon Kindle Fire HD e Google Nexus 7). Os tais planos pré-pagos são os mais populares na Europa (e no Brasil, desde sempre), e é um público que a empresa de Cupertino não pode desperdiçar.

Logo, o lançamento de um iPhone mais simples e acessível pode ser uma estratégia interessante para buscar um público que, em partes, já foi dela. Com a crise na Europa e nos Estados Unidos, os usuários trocaram os seus iPhones com planos pós-pagos para escolher smartphones mais simples (e na maioria dos casos, com sistema Android) com planos pré-pagos, para continuar se comunicando com amigos e familiares. E com a saída do mercado do iPhone 3GS (e o iPhone 4 não tendo o mesmo apelo popular de antes), talvez o lançamento de um iPhone de entrada não pareça algo tão absurdo assim. Apesar de considerar algo realmente difícil de acontecer.

Apple HDTV

Esse é o rumor mais forte envolvendo um futuro lançamento da Apple para 2013. Analistas acreditam que o modelo já está em estágio avançado de desenvolvimento, e que a primeira TV de alta definição da Apple deve começar a ser produzida no começo do ano que vem, para ser anunciada no segundo semestre de 2013. As apostas para esse produto são diversas. Uma delas envolve o seu conceito: para ser diferente das demais, ela vai oferecer uma combinação de um hardware potente e competente, um software que os usuários já conhecem (o iOS ou uma firmware com uma interface similar) e um conjunto de serviços atraentes.

Teria como objetivo inicial conquistar a base de usuários que já usam algum dispositivo iOS (iPhone, iPad, iPod, etc), para depois abraçar os consumidores fora do ecossistema de produtos da empresa. É uma aposta importante, pois além de adicionar a Apple em um novo segmento de consumo, é mais uma aposta de expansão do seu portfólio de eletrônicos.

MacBook Air com iOS

Bom, tem gente lá fora falando sobre isso. Particularmente, eu não acredito, mesmo fazendo algum sentido. Pense comigo: aproximadamente 85-90% dos lucros da Apple hoje envolvem algum produto com o sistema operacional iOS (iPhone, iPad e iPod), logo, não seria de todo mal ver a Apple lançando outros produtos com o sistema operacional móvel. Porém, estamos falando de um notebook que impulsionou todo um segmento de ultrabooks (ou pelo menos a Intel se inspirou neles para criar esse conceito), com um poder computacional considerável, que é uma bela ferramenta de produtividade para muitos usuários.

Por outro lado, o principal objetivo do MacBook Air é oferecer produtividade e mobilidade. E faz um bom tempo que a Apple está querendo “fundir” a aparência de uso do OS X com o iOS. Na impossibilidade dessa fusão acontecer, poderia ser uma boa oferecer uma versão do seu MacBook com o iOS, para entregar uma alternativa aos usuários que já estão acostumados ao iOS, depois de anos de uso.

Não sei se essa ideia vinga. Acho realmente bem difícil, mas até que não seria uma má ideia.

E isso porque eu não falei de novos e melhorados iPad, iPad Mini, iPhone, MacBooks… só falamos daquelas que podem ser consideradas inovações da Apple, e não reformulações. Se essas previsões se tornarão realidade, não sabemos. Mas que pelo menos poderemos dizer que avisamos se alguma dessas se confirmar, isso é fato.

Veja as três propagandas criadas pela Apple os seus novos produtos (em vídeo)

by

O produto mal entrou em pré-venda, e uma de suas versões já está esgotada. O iPad Mini na versão branca só poderá ser enviada em duas semanas, esgotando rapidamente o seu estoque inicial. Quem conseguiu comprar de forma antecipada vai receber as primeiras unidades da versão WiFi a partir do dia 2 de novembro. Até lá, não resta outra coisa a fazer, a não ser esperar e assistir aos três vídeos publicitários que a Apple preparou sobre o iPad Mini e o seus outros produtos apresentados nessa semana.


Via

O MacBook Pro com tela Retina de 13 polegadas, em detalhes, com fotos oficiais

by

Por fim, o MacBook Pro com tela Retina de 13 polegadas. Aqui, a Apple acompanhou o movimento dos seus próprios usuários, que indicaram para a empresa aquilo que eles mais queriam. E, como a empresa de Cupertino é tudo, menos boba, encontrou aqui mais uma forma de conseguir dinheiro, seguindo o caminho que o seu público consumidor está indicando.

Durante a apresentação realizada hoje (23) nos Estados Unidos, a própria Apple afirmou que o MacBook que era mais vendido em seu mercado era justamente o modelo Pro com tela de 13 polegadas. Logo, por que não lançar um modelo com tela Retina, para agradar esse povo todo? E foi exatamente isso que a Apple fez.

O principal destaque do novo MacBook Pro de 13 polegadas é, sem dúvida, a sua tela Retina. São mais de quatro milhões de píxels inseridos nessa tela, com a mesma promessa de altíssima densidade. Tão alta, que os seus olhos não vão poder distinguir os píxels na tela. Sua resolução é de 2650 x 1600 píxels, e por consequência dessa nova tela, a redução do reflexo é de até 75% nesse novo modelo, com um contraste 29% maior. A tecnologia IPS ajuda na eficiência de exibição de imagens do produto, oferecendo um ângulo de visão de 178 graus na tela.

Outro benefício desse portátil é que o seu desempenho é totalmente baseado na memória Flash, o que também garante um armazenamento de dados mais eficiente e seguro, em opções de 128 e 256 GB de armazenamento. De forma alternativa, você pode adicionar unidades de 512 ou 768 GB de armazenamento interno. Ou seja, para quem quer um bom notebook para trabalhar e com uma excelente qualidade de imagem, essa é a opção ideal (dentro do mundo Apple). Aliás, a própria Apple afirmou que muitas pessoas compram o modelo para combinar as atividades profissionais, alto desempenho e mobilidade maior que os modelos com telas maiores.

O modelo é um pouco mais fino e mais leve que o MacBook Pro 13 tradicional, mas oferece uma ótima autonomia de bateria de 7 horas de uso, ou 30 dias em standby. Com esse tempo de autonomia, é possível que o usuário que depende de um bom notebook para atividades itinerantes consiga realizar as mais diferentes atividades, sem se preocupar em procurar uma tomada. Isso vale para a maioria dos usuários, pois dificilmente estamos em algum evento ou local público com o notebook ligado por 7 horas consecutivas, trabalhando sem parar.

Para atender a demanda da tela Retina, o novo MacBook Pro de 13 polegadas conta com os novos processadores Intel dual-core e quad-core de terceira geração (Core i5 ou Core i7, dependendo do modelo escolhido), com tecnologia Hyper-Threading e velocidades de até 2.9 GHz (3.6 GHz com Turbo Boost). Os modelos trabalham com os chips gráficos Intel HD Grapchis 4000, que oferecem um bom desempenho para as tarefas cotidianas.

Preços:

– MacBook Pro com tela Retina de 13 polegadas, com processador Intel Core i5 de 2.5 GHz e 128 GB de SSD, por US$ 1.699
– MacBook Pro com tela Retina de 13 polegadas, com processador Intel Core i5 de 2.5 GHz e 256 GB de SSD, por US$ 1.999

Via

Novo MacBook Pro Retina de 13 polegadas é anunciado oficialmente

by

A Apple já fez o seu primeiro anúncio no evento de San José, Califórnia. O MacBook Pro Retina de 13 polegadas foi oficialmente anunciado por Phil Schiller a poucos minutos, e segue a tendência de demanda da própria Apple, uma vez que eles detectaram que o notebook mais vendido da empresa é justamente o MacBook Pro de 13 polegadas.

O modelo é 20% mais fino, conta com a tela Retina como principal novidade, um contraste 29% maior, reflexão 75% menor, ângulo de visão de 178 graus, brilho de 300 nits e resolução de rela de 2560 x 1600 píxels, em uma tela de 13.3 polegadas. Preço inicial de US$ 1.699, e já começa a ser vendido hoje nos Estados Unidos.

[em desenvolvimento]

Rumor: MacBook Pro Retina de 13 polegadas pode ser anunciado no evento do iPad Mini

by

De um rumor incerto para um rumor com possibilidades. E de um rumor com possibilidades para uma quase certeza. Assim foi a evolução das notícias sobre o iPad Mini, que deve ser apresentado no próximo dia 23 de outubro (data essa que precisa ser oficialmente confirmada pela Apple). Mas parece que ele não vem sozinho. O evento, que será centrado nas soluções educacionais, pode também apresentar uma nova versão do MacBook Pro Retina, com tela de 13 polegadas.

Segundo “fontes confiáveis” (porém, anônimas), essa versão reduzida e mais leve também seria mais barata, até acompanhando essa proposta de oferta de produtos para fins educacionais mais acessíveis que a Apple está desenvolvendo. Mas, a pergunta principal é: tem algum sentido um portátil de 13 polegadas em um segmento tão “premium” como é o do MacBook Pro com tela Retina? Bom, do ponto de vista do consumidor em geral, sim. E do ponto de vista da Apple, também.

Do lado do consumidor, qualquer desconto conquistado em um produto da Apple é uma vitória. Ter esse novo MacBook Pro Retina de 13 polegadas, com um preço inferior a US$ 2.000 pode ser uma boa pedida para o usuário norte-americano, principalmente para aqueles que querem mesmo contar com os benefícios da nova tela. Para a Apple, é a chance de unificar as suas linhas, e distribuir melhor os preços em cada uma delas, tonando o MacBook Air o seu modelo “econômico”, com valor inicial de US$ 999, e indo até o MacBook Pro Retina, de US$ 2.199, oferecendo no meio do caminho opções para diferentes tipos de consumidores, desde o casual ou não profissional, com o MacBook Air de 11 e 13 polegadas, até o usuário profissional ou avançado, com o MacBook Pro, de 15 e agora 13 polegadas.

Muitas surpresas, incógnitas e pontos de interrogação para os próximos dias, que preparam todos para um evento que promete muito mais do que um “simples tablet de 7.85 polegadas”. Faltam apenas alguns dias para que as dúvidas sejam esclarecidas (ou não). Se os convites começarem a pipocar na internet a partir de amanhã, podemos nos preparar para uma próxima semana muito movimentada.

Via AppleWeblog, 9to5Mac

Quais são os principais problemas técnicos dos Ultrabooks mais populares do mercado?

by

Os ultrabooks são uma proposta muito interessante para quem quer ter produtividade e mobilidade. Eu mesmo tenho um ultrabook e uso ele todos os dias para escrever nos meus blogs. Mas reconheço que algumas limitações e problemas técnicos podem afugentar uma boa parte dos usuários interessados em futuramente adquirir essa modalidade de computador.

O pessoal do site FixYa resolveu então reunir em um único artigo as principais reclamações que os usuários fazem sobre os ultrabooks. Acho o texto válido, pois ele pode ajudar os futuros compradores a se decidirem pela compra ou não do produto, além de mostrar que não é só você que deve estar passando pelo mesmo problema com o seu produto, e eventualmente, encontrar uma solução.

Para esse texto, veremos sete modelos diferentes de ultrabooks, e apresentaremos os principais problemas detectados e reclamados pelos usuários.

Apple MacBook Air

O modelo que incentivou o nascimento do ultrabook tem como principal ponto de reclamação dos usuários a baixa quantidade de memória, seguido pelo desligamento automático por questões térmicas (o MacBook Air desliga sozinho quando sua temperatura fica muito elevada). Alguns proprietários ainda dizem que o Air tem uma manutenção muito complicada, e que a qualidade dos seus alto-falantes é sofrível.

Para resolver o problema térmico, o FixYa sugere que os proprietários do portátil da Apple tenham certeza que os ventiladores não estão cobertos por algum obstáculo físico (almofadas, mesas, etc), desligar o brilho da tela, dar uma pausa no uso do portátil por 30 minutos, não deixar muito tempo o produto exposto ao sol, e não deixar que o produto fique carregando depois de sua bateria completar os 100% de carga.

Lenovo Thinkpad X1 Carbon

Sobre o Lenovo Thinkpad X1 Carbon, a principal reclamação dos usuários está na sua limitada vida de bateria, acompanhada do seu touchpad inconsistente, baixa habilidade para recursos multitarefa e performance lenta. Isso, sem falar nos diversos problemas de performance de Wi-Fi, baixa qualidade de tela, um ventilador que faz muito barulho, e esquentar de forma excessiva.

Para ajudar a preservar a bateria do produto, o pessoal do FixYa recomenda aos proprietários desligar o brilho da tela, levar o carregador consigo (o que é ridículo: desculpe, Lenovo, mas…), e não executar muitos aplicativos ao mesmo tempo. Obviamente, essas dicas acabam limitando alguns benefícios que os usuários procuram no uso de um computador portátil. Por outro lado, uma bateria com baixa autonomia é algo comum em muitos laptops, e em muitos casos, os usuários precisam usar de tais recursos para trabalhar com o seu laptop em momentos específicos.

Dell XPS 14z

Problemas com o Wi-Fi, baixa qualidade de tela e grande geração de calor foram citados pelos proprietários do Dell XPS 14z que acessam o site FixYA. O modelo já foi descontinuado, mas os atuais proprietários podem fazer o download da mais recente versão dos drivers Wi-Fi para resolver os problemas de conectividade sem fio.

Entre os demais modelos de ultrabooks citados no estudo, temos o Asus Zenbook Prime, o Acer Aspire Timeline Ultra M5 e o Vizio Thin+Light. Em comum, os problemas citados são praticamente os mesmos: teclado de difícil utilização, baixa qualidade de Wi-Fi e baixa autonomia de bateria.

O FixYa informa aos proprietários de ultrabooks e principalmente, aos futuros compradores, que com o crescente mercado de computadores nessa modalidade, a escolha por um novo produto precisa ser cada vez mais cuidadosa pois equívocos podem acontecer, e o risco de você adquirir um equipamento que não vai atender as suas necessidades é cada vez maior. Lembrando que o mercado tende a ficar cada vez mais diversificado com a chegada dos novos ultrabooks com Windows 8, a partir do final do mês de outubro.

O MacBook Air pode ser o produto mais popular entre os ultrabooks, mas existem modelos de fabricantes com sistema operacional Microsoft Windows com alta qualidade, que são tão ou mais vantajosos que a opção da Apple, de acordo com os seus objetivos e suas necessidades. Logo, faça a lição de casa antes de comprar o seu ultrabook: pesquise, leia as opiniões de outros usuários em blogs e fóruns especializados, veja vídeos de reviews, verifique a relação custo/benefício… enfim, passe por todo o processo de pesquisa sobre o produto que você vai adquirir.

Procure saber mais sobre o produto antes mesmo de comprá-lo. Afinal de contas, pelo preço pago, e por todas as possibilidades que ele pode te oferecer, os ultrabooks devem ser vistos hoje como um investimento, e todo cuidado é pouco para fazer a melhor compra.

Com informações do CNET

Tablet Modbook Pro com OS X Mountain Lion é lançado oficialmente

by

É hora de ver o MacBook Pro ser modificado para um design de tablet. O Modbook Pro foi oficialmente anunciado, com uma tela de 13.3 polegadas, e tem sua chegada ao mercado confirmada para o dia 3 de outubro. O pessoal da Modbook tem uma curiosa situação em suas mãos, onde de uma forma ou de outra, eles são capazes de controlar toda a rigidez de restrições que o sistema Mac OS X da Apple possui, criando assim tablets que são, essencialmente, um MacBook Pro sem o teclado e uma tela sensível ao toque.

O anúncio de hoje também adiciona uma unidade SSD, para combinar o seu hardware potente com a velocidade e solidez de armazenamento de dados. O modelo também aceita uma interação com uma caneta stylus, e a sua unidade de SSD tem capacidade de armazenamento inicial de 64 GB, podendo ser atualizada para até 480 GB, dependendo das necessidades do usuário (disponível a partir da segunda quinzena de novembro).

O dispositivo combina o hardware original de um Apple MacBook Pro com o OS X Mountain Lion com uma digitalizadora Wacom com 512 níveis de sensibilidade à pressão. Também conta com uma interface combinada com o recurso ForceGlass, para poder utilizar a caneta digitalizadora, e você pode também instalar o Windows 7 no produto, se assim precisar (não foi informado se o tablet é compatível com o Windows 8).

A configuração básica do Modbook Pro conta com a tecnologia NAND, oferecida por uma unidade de armazenamento SATA 3 SSD. Com essa tecnologia, você vai ter a maior velocidade e desempenho disponível em uma unidade de armazenamento em flash, e sem partes móveis do produto, o que é a melhor parte para quem quer utilizar um produto como esses a longo prazo.

O produto começa a ser vendido nos Estados Unidos a partir da próxima quarta-feira (3), e as primeiras unidades começam a ser entregues a partir de novembro. A equipe do Modbook deixa claro que esse não é um produto original da Apple, mas sim, uma modificação do produto originalmente fabricado pela empresa de Cupertino.

Via SlashGear

O mundo Apple: uma pequena revisão em produtos e acessórios com o gosto da maçã

by

Desde o seu início, a Apple sempre se dedicou a oferecer ao seu público computadores de qualidade. E a partir do momento que a empresa de Cupertino começou a desenvolver eletrônicos de consumo, com o lançamento do primeiro iPod, em 2001, expandiu essa tendência a níveis quase inimagináveis na indústria. Para ser mais claro, hoje, (quase) todo mundo quer um produto da Apple, por combinar de forma muito equilibrada a beleza, a boa performance e a qualidade de construção dos seus produtos.

O chamado “Mundo Apple” possui uma vasta gama de produtos que cobrem as principais áreas de tecnologia e entretenimento doméstico. Alguns produtos são altamente recomendados para produtividade e para o ambiente profissional, e são vistos como investimento, com garantia de retorno em tempo e dinheiro para aqueles mais habilidosos em suas funcionalidades. Nesse post, vamos fazer uma revisão das principais categorias de produtos e acessórios da Apple, que estão em maior destaque no mercado. Algumas produtos podem complementar a sua experiência com os produtos que você já tem. Já outros, podem ser novas oportunidades de investimentos.

 

Magic Trackpad

A ideia do Magic Trackpad é oferecer o mesmo controle dos laptops da Apple para os seus desktops. É um sistema de apontamento multitoque que oferece um controle total aos principais recursos do Mac OS, oferecendo uma área de atuação, pelo menos, 80% maior que você teria no computador portátil. É ideal para quem quer ter uma maior precisão e agilidade na execução de comandos e programas no sistema, principalmente para o uso de entretenimento e navegação na internet, além de atividades mais profissionais, como softwares de desenho e criação musical. Se você tem um MacBook, e já se habituou aos comandos inteligentes para manipulação dos seus recursos, é um acessório que vai melhorar ainda mais o seu uso com o seu desktop Mac.

 

Teclado Apple sem fio

Elegante, compacto, fino e confortável. O teclado sem fio da Apple ocupa cerca de 24% menos de espaço do que um teclado convencional, deixando mais espaço para o seu mouse, e ocupando menos espaço na sua mesa de trabalho. Com uma proposta minimalista (e seguindo a tendência dos demais produtos de escritório da Apple) esse teclado conta com teclas de bom tamanho, oferece um digitar confortável, o que é essencial para quem vai trabalhar por muitas horas na frente do computador. Com funcionamento via Bluetooth, também pode ser uma boa opção para quem usa o Mac Mini como reprodutor multimídia, pois pode atuar como um bom controlador das principais funções do equipamento, enquanto você está no conforto da sala de sua casa.

 

Mac Mini

Ao longo dos anos, o Mac Mini foi deixando de ser usado como o computador compacto da Apple, para se tornar, em muitos casos, a principal central multimídia do usuário da Apple. E isso, não só por causa do seu tamanho, que é realmente muito compacto, mas principalmente por causa do seu hardware acima da média para suas dimensões. A Apple rapidamente entendeu isso, e hoje, o Mac Mini possui recursos especialmente otimizados para atuar nos dois campos. Para quem quer ter um computador Apple e não pode gastar muito dinheiro, essa é a opção a ser escolhida. Se você deseja um equipamento para streaming de fotos e vídeos com mais recursos que um Apple TV, essa é a opção a se considerar.

 

Apple iMac

O iMac é o desktop feito para usuários domésticos, corporativos e profissionais. Combina o desempenho robusto o suficiente para atender de forma equilibrada a grande maioria das necessidades (e as mais diferentes necessidades também) em um computador, o sistema Mac OS, que é perfeitamente alinhado ao seu hardware, que resulta em uma ótima experiência de uso, e um design de um produto com linhas compactas, que se integra muito bem em qualquer ambiente. É um pacote computacional completo, que poucos computadores no mundo conseguem oferecer.

 

MacBook (Air e Pro)

Os notebooks da Apple estão entre os mais elogiados do mundo, e por motivos diferentes. O MacBook Air é o preferido de jornalistas, blogueiros e internautas que querem um computador portátil leve, fino e elegante. Ficou tão popular que fez com que os seus concorrentes criassem uma categoria nova de portáteis para concorrer com ele, os ultrabooks. Já o MacBook Pro, mesmo não sendo tão portátil quanto o Air, foi a solução adotada pelos usuários profissionais, que gostariam de contar com o mesmo design e características de um autêntico notebook, mas com um desempenho elevado. O MacBook Pro é uma ferramenta de trabalho completa para quem quer produzir em diferentes situações, mas com a praticidade de poder usar o computador em qualquer lugar, na hora que quiser.

 

Apple TV

O equipamento especialmente dedicado à reprodução de conteúdos multimídia na sua TV não faz feio. A pequena caixinha da Apple pode reproduzir os conteúdos já presentes na Apple iTunes, além de vídeos de grandes players do mercado, como o YouTube e Neflix, sem contar com a possibilidade de você compartilhar os conteúdos presentes em outros equipamentos de sua casa com o Apple TV, de modo sem fio. Outro ótimo benefício é que você pode controlar o equipamento com o seu smartphone, player portátil ou tablet com iOS.

 

iPod (Classic, Shuffle, Nano, Touch)

O produto que deu origem a essa jornada de sucesso da Apple no mercado de eletrônicos de consumo não poderia ficar de fora. O iPod evoluiu ao longo de mais de 10 anos, se tornando mais compacto, com maior capacidade e, em alguns casos, em formatos bem intuitivos. O que torna o iPod diferente dos demais players é a sua praticidade no sincronismo das músicas, e pela sua disposição prática dos recursos no player. No caso especial do iPod Touch, o produto é uma espécie de “iPhone sem o telefone”, oferecendo a mesma experiência de uso do smartphone mais popular do mundo.

 

iPhone (iPhone 4, 4S e 5)

O produto mais popular da Apple hoje. É o smartphone mais popular do mundo, com mais de 250 milhões de usuários ativos. E contando, pois o iPhone 5 foi lançado recentemente, e os seus números iniciais de vendas já são impressionantes. Estabeleceu o padrão de como seria o smartphone nos anos seguintes, com um design elegante, com um desempenho impecável, e com uma grande gama de aplicativos. Se existe um produto que define a Apple nos últimos 10 anos, esse produto é o iPhone.

 

iPad (iPad 2 e iPad 3 ou novo iPad)

Para encerrar, o mais recente sucesso da Apple. O iPad, com as devidas proporções, repetiu o efeito do iPhone, sendo a referência de produto na sua categoria. Leve, elegante, com ótimo desempenho e funcionalidade atraente, o tablet da Apple é hoje o segundo produto mais vendido da empresa de Cupertino, e deve ter a sua popularidade ampliada, com o iminente lançamento da versão compacta do produto, o iPad Mini.

Esses são apenas alguns exemplos do tamanho do “Mundo Apple”. E olha que só falamos dos produtos considerados essenciais, e de itens oficiais da empresa. Se o tema for explorado um pouco mais, vamos encontrar uma surpreendente gama de produtos e acessórios, que certamente farão a alegria dos usuários dos produtos “com gosto de maçã”. E, para a grande maioria dos usuários, basta provar desse gosto uma vez, para querer consumir sempre.

Esse post foi oferecido por Novo Mundo.