Arquivo para a tag: futuro

Intel aposta na mobilidade, integrando modems 3G e 4G nas suas plataformas

by

intel

A Intel prepara uma estratégia agressiva para competir de forma mais enfática no mercado de dispositivos móveis, dotando todos os seus microprocessadores e SoCs com a capacidade de conectividades via 3G/4G, apostando assim na mobilidade.

O objetivo é que, no começo de 2015, eles possam competir lado a lado com empresas como Qualcomm ou MediaTek. Para isso, a Intel aposta nas redes móveis, além do suporte para o 64-bits. Os processadores Intel focados em tablets e smartphones seguirão a tendência atual de hardware, e o chip SoFIA será o primeiro produto dessa nova geração, contando com recursos como baixo consumo de energia e alto desempenho.

Também é importante mencionar que a próxima geração de processadores Intel para portáteis e híbridos também contarão com essas características (alto desempenho, baixo consumo de energia e conectividade 3G/4G). Brian Krzanich, CEO da Intel, garante que a primeira aposta é centrada nos Chromebooks, pensando justamente na conectividade móvel para tirar o melhor proveito possível. Mais adiante, os portáteis com maior popularidade, MacBooks, híbridos e portáteis de marcas como HP, Dell, Asus e Lenovo receberão os novos chips.

intel_atom_roadmap_update_intc_benefits

Inicialmente, a Intel contará com o apoio da Taiwan Semiconductor Manufacturing Co (TSMC) para fabricar os modems, mas no futuro eles querem ser independentes nessa produção. Com esse movimento, podemos dizer que a Intel está se adequando cada vez mais à “era Pós-PC”. E a disputa com a Qualcomm e MediaTek promete ser cada vez mais acirrada.

Via KitGuru

Comprar um jogo para dois consoles: esse pode ser o futuro da Nintendo

by

154746074

As últimas declarações feitas por Shigeru Miyamoto em uma entrevista para o site Kotaku esclarecem um pouco o estado atual da Nintendo. Todo mundo sabe como ela está, porém, levando em conta o seu histórico, fica a pergunta: o que fez ela parar de ter sucesso?

Miyamoto aponta as diferenças entre as arquiteturas do Wii U e do Nintendo DS como uma grande dor de cabeça para a Nintendo no quesito compatibilidade (diferente da Sony e os consoles PS3, PS4 e PS Vita), mas garante que eles já trabalham em uma forma de permitir que o usuário compre o jogo uma única vez, e jogue em qualquer uma de suas plataformas.

Palavras de Miyamoto:

Se tivermos um padrão de desenvolvimento mais unificado, capaz de fazer um jogo que funcione nos dois sistemas no lugar de ter que criar um jogo para cada um, essa é definitivamente uma área de oportunidade para nós.

Porém, muita calma nessa hora. Isso não significa que veremos o Nintendo DS rodando os jogos do Wii U. Falamos de um futuro distante, de um novo console ou de algo completamente diferente. Esperamos que todos os contratempos atuais sirvam para a Nintendo aprender o caminho de volta ao sucesso.

Via Kotaku

Os smartphones que esperamos da Nokia daqui até 2015

by

nokia-roadmap

O que conhecemos pela indústria como um Roadmap acabou vazando pelas mãos de ninguém menos que o @evleaks. A essas alturas, é complicado duvidar da autenticidade das informações, o que justifica o destaque que ele recebe nesse blog, principalmente levando em conta que agora estamos em um período do ano mais “tranquilo”.

Tranquilo no que se refere à Nokia, já que a Microsoft está trabalhando com o assunto da melhor forma possível, onde a prioridade parece ser explorar novas marcas, ou apresentar novas propostas com o Windows Phone em forma de protótipo.

A seguir temos uma lista de dispositivos e datas. Em primeiro lugar, nos deparamos com um Lumia 930 que já conhecemos. Apresentado em abril para o resto do mundo, após a sua aparição nos EUA com o nome Icon. O próximo, o Lumia 635, também é um recém conhecido, pois é a versão 4G do 630.

1

A informação é orientada ao mercado norte-americano, de modo que há detalhes como operadoras e datas que não são tão relevantes para nós. Outros modelos como o Lumia 530 (Rock) estão relacionados com a operadora T-Mobile, mas nos interessa a possibilidade desse modelo se transformar no sucessor do bem sucedido Lumia 520.

A partir daí, chegam dispositivos com nomes de código interessantes, porém, desconhecidos. Dois modelos de linha média, conhecidos como Tesla e Superman, e um telefone top de linha com o nome McLaren – previsto para o final do ano, com novas tecnologias (3D Touch).

Há também informações de modelos previstos para 2015 para as operadoras norte-americanas. Dois modelos para a primavera, conhecidos como Makepeace e Dempsey. No final do verão, teremos um phablet, o Cityman, e um smartphone top de linha, o Talkman.

3

Aqui temos os nomes e as datas, esperando que as informações vazadas contem com a bênção da Microsoft, e que não sejam dados anteriores à compra da Nokia. Também é interessante apresentar esses dados, pois ao longo dos próximos meses veremos muitos vazamentos que podem ou não casar com as informações passadas nesse post.

Sem falar na família de smartphones Android, já que temos rumores de um possível Nokia X2.

Via @evleaks

Assim é o futuro da televisão, na visão da Netflix

by

netflix_pr_tablet_ui_only_us_web_442014

Uma das vantagens do vídeo on demand e as escolhas voluntárias que fazemos é que a tecnologia nos conhece, ou pode “aprender” com nossas escolhas. É assim que a Netflix vê o futuro. Quem afirma é Neil Hunt, que afirmou que em alguns anos a plataforma será capaz de saber o que queremos ver antes mesmo de tomarmos a decisão.

Suas previsões não ficam por aí. Neil avisa que a Netflix poderá oferecer mais de 47 milhões de possibilidades em 2025, superando o acervo de qualquer operadora de TV paga do planeta, com personalização absoluta e sem muitos esforços. Afinal, a plataforma pode fazer recomendações e até decidir por você.

Mais conteúdo adaptado ao gosto e desejo do consumidor

Para a Netflix, essa quantidade de conteúdos é, na maioria dos casos, de nicho. E isso não vai contra o usuário,e  sim, a seu favor. Com o seu motor de recomendações a tecnologia de previsibilidade, o usuário poderá “encontrar” conteúdos quase pensando de forma individual, sem que ele se dê conta disso.

650_1000_netflix-screenshot

Para a Netflix, a TV pela internet vai beneficiar também os produtores de conteúdo, oferecendo maior liberdade aos seus títulos. Veremos no futuro se essa fórmula oferecerá lucros suficientes para tornar viável a sua personalização.

Além disso, uma mudança na publicidade e na forma de anunciar e obter lucros na era da TV pela internet também deve aparecer. Uma possibilidade com muito potencial seria a publicidade muito personalizada e ajustada para aquilo que o espectador precisa, e no momento em que ele assiste o conteúdo. Para a Netflix, o que acabará se impondo é o conteúdo sem publicidade, ao menos como conhecemos hoje. Logicamente, eles propõem ao anunciante usar o seu sistema de recomendação como o ideal.

Eventos esportivos ao vivo, o próximo objetivo da Netflix

Aproveitando o seu olhar para o futuro da televisão pela internet, a Netflix deixou claro que o esporte e eventos ao vivo estão na sua alça de mira. Não para agora, mas sim, para o futuro. Eles deixam claro que o conteúdo em UHD será algo importante, sendo a empresa que mais investe nesse momento em conteúdos nesse formato.

Via Xataka

Documentário mostra como pode ser a F1 em 2030

by

formula-1-futuro-lotus-burn

Quem é fã da Fórmula 1 fatalmente já se fez essa pergunta: “como será essa categoria daqui a 20 anos?”. Pois bem, a equipe Lotus e a Burn (marca de bebida energética) também fizeram essa pergunta, e produziram o documentário Human Ignition, que mostra como eles imaginam o futuro da F1 em 2030.

No vídeo, vemos os pilotos com capacetes de realidade aumentada, onde eles poderiam visualizar o fluxo de ar de outros carros, e desse modo, eles poderiam escolher melhor a sua trajetória. Da mesma forma, um novo carro com asas móveis, que é capaz de redirecionar o ar de forma mais eficiente, sabendo quando o motor está superaquecido, e até a possibilidade de utilizar airbags de segurança nos circuitos. E essas são apenas algumas das ideias imaginadas por eles.

Como curiosidade, informamos que a proposta do carro de F1 do futuro que aparece no vídeo foi desenvolvida por Harald Belker, o responsável por veículos famosos do cinema, como por exemplo Minority Report, Tron e Batman & Robin.

O documentário é dividido em três partes (no total, dura uns 30 minutos), de modo que se você é fã da F1 e está com o inglês em dia, vale a pena conferir. E mesmo se o seu inglês não é tão bom assim, aperte o play. Barreiras idiomáticas não podem ser desculpa nessas horas.

 

Via BBC, Bcn Cool Hunter

Stephen Elop e o futuro: “o Nokia X é uma grande oportunidade para a Microsoft”

by

elop

O processo da aquisição da Nokia pela Microsoft terminou na última sexta-feira (25), mas ainda restam muitas dúvidas sobre o futuro dos atuais dispositivos da empresa, e principalmente, sobre os próximos passos da divisão mobile.

Para esclarecer essa e outras dúvidas, Stephen Elop, novo responsável pela divisão de dispositivos da Microsoft, organizou uma seção de perguntas e respostas no blog Nokia Conversations, que pelo menos por enquanto, segue ativo de forma indeterminada. O post pode esclarecer algumas das questões que apareceram depois da conclusão do processo de aquisição.

O futuro do Nokia X, e qual será a marca dos futuros smartphones?

Elop afirma que “a Microsoft Mobile Oy não é uma marca que será vista pelos consumidores. A marca Nokia poderá ser usada pela Microsoft para os seus smartphones durante um certo tempo”. Esse certo tempo seria, no máximo, 10 anos. Elop esclareceu ainda que “estamos trabalhando para selecionar uma marca de telefones que será utilizada de agora em diante”.

nokia_x

Sobre o futuro do Nokia X, que contam com um fork Android com os serviços da Microsoft, Elop afirma:

Os aparelhos Nokia X usam a nuvem da Microsoft, e não a da Google. Esta é uma grande oportunidade para conectar novos clientes ao Skype, Outlook.com e Onedrive pela primeira vez. E já vimos dezenas de milhares de novas assinaturas a esses serviços.

Depois, Elop respondeu a outra pergunta relacionada ao assunto, explicando que apesar de hoje eles estarem aproveitando do AOSP para uma oportunidade específica no mercado, eles estão fazendo isso “de uma forma metódica, de modo que que tanto a Microsoft como a família Lumia possam se beneficiar disso”.

Se defendendo das críticas

Alguns aplicativos que a Nokia integrou em seus dispositivos Windows Phone seguirão presentes nos futuros dispositivos, como o MixRadio, TV ou câmera. Elop também destacou que seguirão trabalhando em novos produtos onde a captura de imagem segue sendo “um importante diferencial” para esses dispositivos.

nokia-lumia-1020-01

Um dos participantes dessa rodada de perguntas e respostas criticou duramente a gestão de Elop à frente da Nokia, acusando de tentar sabotar a fabricante finlandesa, com projetos como o MeeGo, Symbian ou Meltemi, que simplesmente desapareceram. Elop tratou de ser diplomático, e respondeu:

No final de 2010 e durante o ano de 2011, estudamos cuidadosamente o estado dos esforços sobre o sistema operacional interno da Nokia. Infelizmente, não conseguimos ver uma forma onde o Symbian poderia ser realmente competitivo com o iPhone, lançado três anos antes. Os esforços relacionados com o MeeGo se atrasaram, e não deu a perspectiva de que chegaria a cobrir um portfólio amplo o suficiente rápido. Tivemos que tomar uma decisão forçada para fazer com que a Nokia tivesse a oportunidade de competir novamente.

Também se falou da nova posição da Microsoft com os dispositivos com Windows Phone, e de como isso afetaria os demais fabricantes que poderiam se transformar em parceiros da Microsoft na hora de lançar produtos com o sistema operacional. Elop considerou essa pergunta muito boa, e demonstrou otimismo sobre o assunto.

É ótimo que a Microsoft estimule outros fabricantes que também queiram lançar dispositivos com WP, e houve alguns anúncios nesse sentido ultimamente. Nossa intenção no Grupo de Dispositivos da Microsoft é a de “construir um mercado”, de modo que outros possam participar, de modo que seguiremos trabalhando para facilitar ao máximo possível a entrada de outros OEMs.

Via Nokia Conversations

Especial | Como será a nossa vida digital em 2025?

by

digital-life

Prever como será a tecnologia em 30, 50 ou 100 anos é algo quase impossível. Uma década, porém, é algo bem aceitável. É possível levantar algumas teses sem ter medo de errar em tudo. E foi justamente isso que tentou a Pew Research Center, uma das instituições que mais investem nas pesquisas sobre a evolução da internet e o seu impacto na sociedade. Eles questionaram a 2.551 especialistas mundias por suas previsões digitais em 2025. E esse post comenta as conclusões desse estudo.

A Pew realizou o estudo entre novembro de 2013 e janeiro de 2014. Na longa lista de especialistas consultados, temos engenheiros, cientistas, empreendedores, sociólogos e jornalistas. Todos com anos de experiência em suas atividades. Entre os nomes, temos desde Vint Cerf, um dos “pais” da internet – hoje, vice-presidente da Google -, até Marc Rotenberg, presidente da Electronic Privacy Information Center.

O estudo foi dividido em 15 grandes previsões ou teses, que em comum, possuem algum dos quatro elementos a seguir.

1. A internet das coisas será uma realidade

Em 11 anos, viveremos em uma contínua rede de sensores, câmeras, software, base de dados e cetros de dados massivos, todos interconectados e, por sua vez, conectados à internet. É o que até agora chamamos de Internet das Coisas, mas que em 2025, será uma realidade plena. A comunicação será mais instantânea que nunca, estaremos mais informados que nunca, e as relações serão mais globais (e superficiais, talvez) do que nunca.

2. Teremos a realidade aumentada de verdade

É uma tendência que agora está começando, mas que segundo a Pew, estará plenamente instaurada em 2025. O mundo aumentado, com informações e dados que serão apresentados em dispositivos que levaremos conosco (óculos, relógios, implantes de sensores, etc), que será algo mais comum e avançado do que é hoje em dia. Os gadgets vestíveis, ao que parece, vieram para ficar.

3. Maior impacto político, e mais revoltas sociais

A tecnologia e a internet facilitaram as mudanças sociais e políticas nos últimos anos. E isso vai continuar. De acordo com o estudo, em 2025, a internet dará a um maior número de pessoas a educação, a informação e a conectividade. Isso vai resultar em mudanças sociais e políticas em muitos países emergentes. Vai reduzir o conceito de fronteiras tradicionais, e surgirá um novo conceito de “nação”, baseado em pessoas que compartilham interesses e objetivos comuns. Com isso, teremos mais mudanças.

4. Aumentarão os problemas de segurança e privacidade

A vida digital em 2025 terá vantagens, mas também muitas desvantagens. Segundo o estudo, veremos um aumento na brecha entre aqueles que podem ter acesso à dita sociedade digital, e aqueles que não podem ter esse acesso. Haverá maior instabilidade e possível violência, mas também novos problemas de segurança e privacidade relacionadas com a plena digitalização. A privacidade será algo que só alguns poucos (com muito dinheiro) poderão se dar ao luxo de ter.

Você pode ler o estudo da Pew Research e suas previsões clicando aqui.

Samsung oferece um esboço dos seus últimos projetos, em um impactante vídeo

by

fure

A Samsung é um constante viveiro de idéias, e como consequência disso, uma goteira ininterrupta de novos projetos que inundam o mercado. Mas sempre há espaço para mais. Eles fazem questão de lembrar que são um autêntico arsenal de ideias em ebulição, e faz isso através de um vídeo/teaser, que mostra uma breve previsão do que pode chegar no futuro.

Os coreanos pretendem reunir todos esses projetos e ideias em uma página na internet, que será lançada no próximo dia 27 de março. Nela, vamos ficar sabendo de todos os avanços de seus projetos, mostrando as etapas do design de alguns dos seus principais produtos, mas também do futuro, algo que muito nos interessa.

Vídeo a seguir.

 

Lenovo reforça os seus planos com a Motorola: manter a marca e torná-la rentável

by

lenovo-motorola-google

Yang Yuanquing, CEO da Lenovo, deu entrevistas esclarecedoras para os sites da Bloomberg e do Wall Street Journal, onde reforça os planos de sua empresa com a recém adquirida Motorola.

Vale lembrar que, hoje, a Lenovo já vende mais smartphones e tablets que computadores, sendo uma típica empresa que se encaixa na “era pós-PC”. Também é uma empresa que não para de crescer, e que recentemente revelou resultados financeiros muito positivos.

Yuanquing explica que a sua ideia não é apenas que a Motorola mantenha os seus valores nos mercados onde ela já está indo bem, mas também inserí-la em em outros mercados emergentes e no cobiçado mercado chinês. Ou seja: continuar o movimento iniciado pela Google com o Moto G antes de realizar essa segunda fase de seus planos de expansão.

A intensão da Lenovo não é abandonar a marca Motorola, muito menos o mercado premium em todas as áreas onde a empresa possui produtos. É de objetivo deles se posicionarem entre os grandes o mercado de telefonia móvel, mas a própria Lenovo sabe que isso vai levar tempo para acontecer, e que não deve ser em 2014.

Porém, Yuanquing é otimista, e deseja que a Motorola volte a ser uma marca que obtenha lucros a curto prazo. Sabe que o seu valor de mercado caiu (basta ver os valores envolvidos na época da compra da Google, e por quanto a Lenovo comprou a mesma empresa). Talvez o grande desafio da Lenovo será convencer aqueles que já haviam comprado a ideia da “Motorola by Google” que a nova Motorola não será tão diferente assim.

Via Bloomberg, Wall Street Journal

Samsung avisa: TVs OLED seguirão sem ser rentáveis por alguns anos

by

Super-OLED

Já nos esquecemos a quanto tempo ouvimos falar sobre as TVs com telas OLED, e como essa tecnologia seria o futuro da televisão. Mas tem um fabricante que decidiu colocar água no chope dos mais futuristas. Ainda que a Samsung tenha adotado o OLED como um dos componentes fundamentais para as telas dos seus smartphones, ela mesma profetiza que o seu sucesso nas telas de TVs vai demorar um pouco mais do que todos desejavam.

A prova disso foi a CES 2014. Tantos anúncios e lançamentos, mas pouca ênfase para as TVs com tela OLED. Em 2013, elas nem estiveram presentes em Las Vegas, e nesse ano, só LG e Samsung apresentaram alguns poucos produtos com a citada tecnologia.

Se por um lado não é necessário ver essa questão com tanto pessimismo, uma vez que tal proposta tem poucos meses no mercado, por outro lado, os demais fabricantes simplesmente não parecem dispostos a apostar nessa tecnologia para um futuro próximo, o que pode ser traduzido como uma espera de aposta para o futuro. Ou que pelo menos teremos que aprender a viver mais alguns anos sem essas telas na sala de casa.

Para a Samsung, está tudo muito claro. Bom, pelo menos no entendimento do seu chefe do departamento de telas nos Estados Unidos, HS Kin. O executivo não duvida do fato da qualidade de imagem dessas telas ser melhor do que aquelas que podemos encontrar no mercado nesse momento. Porém, com um custo inicial estimado de US$ 9 mil, são muito restritivas para que a maioria das pessoas comecem sequer a especular a compra de uma unidade de TVs com OLED.

Colocando como principal obstáculo os custos de produção, o executivo da Samsung acredita que ainda vão levar mais quatro anos para que esta tecnologia esteja preparada para chegar ao mercado de consumo. Ainda que possa parecer muito tempo (ainda mais em uma era onde a tecnologia avança muito rapidamente – vide a resolução 4K já chegando às lojas), com certeza os preços de produção devem aumentar nos próximos meses, por conta de diversos fatores.

Nesse momento, Kim apenas confirma o que todos já sabiam quando deixaram a CES 2014: o futuro imediato da TV está nas mãos do Ultra HD. E, longe de afirmar qualquer coisa com tom pessimista, não vemos grandes volumes de conteúdos produzidos nesse formato (a notícia mais importante nesse aspecto foi o anúncio da segunda temporada de House of Cards ser ofertada em 4K pela Netflix). Ou seja, nem o 4K será ofertado logo de imediato pelo consumidor, diferente do que aconteceu com as resoluções 720p e 1080p, há 10 anos atrás.

Via Gizmologia

Google revela o seu próximo grande passo: criar robôs (com a ajuda de Andy Rubin)

by

rubinrobots

“Este é o melhor trabalho do mundo”. Essas são palavras de Andy Rubin durante uma entrevista dada ao New York Times. Nessa mesma entrevista, ficamos conhecendo qual é o o próximo grande projeto da Google: fabricar robôs.

Semelhante projeto, carregado com um potente componente estratégico, foi encomendado a uma das principais figuras do nosso tempo no mundo da tecnologia: o próprio criador do Android já citado no primeiro parágrafo desse post. Foi o próprio Rubin que revelou que a gigante de Mountain View entregou para ele a responsabilidade de criar uma linha de robôs. Porém, antes que você imagine que você vai usar um robô para a limpar a sua casa (tal como acontecia no desenho dos Jetsons), saiba que a ideia é que esses robôs se incorporem à indústria de forma que o processo de automação sejam ampliado em diferentes setores.

Logo, podemos rapidamente detectar que a Google tem uma importante visão de futuro para esse mercado. “Temos que considerar o tempo como um fator chave”, afirma Rubin, que esboça um panorama robotizado para daqui a dez anos, pelo menos.

O certo é que, além disso, esse campo da robótica não é algo completamente novo para Rubin, uma vez que ele já trabalhou nesse ramo da tecnologia na Carl Zeiss, e agora, tem mais esse desafio como “presente” aos 50 anos de vida. Tal como um aventureiro diante da possibilidade de enfrentar uma jornada de descobertas e desafios, Rubin afirma estar entusiasmado com o novo projeto. Se sente um privilegiado, e está convencido que o seu projeto será uma realidade tangível para o mercado.

“Os veículos sem motorista eram coisa de ficção científica quando começaram o seu desenvolvimento, e agora, eles são reais”, afirma Rubin, que vê claramente o projeto como viável, uma vez que a Google já tem pleno controle do hardware, software e know-how. Por fim, para que você tenha uma ideia do peso do novo projeto para a Google, o próprio Larry Page falou sobre ele no seu perfil do Google+.

É amigo… o futuro está chegando, tal como foi esboçado no cinema….

Via New York Times, Google+ (Larry Page)

Tim Cook confirma: Apple vai apresentar dispositivos de outras categorias em 2014

by

tim-cook-2013

Depois de apresentar os resultados financeiros financeiros do quarto trimestre fiscal da Apple em 2013, Tim Cook, CEO da empresa, respondeu a uma série de perguntas sobre os rumos que a empresa vai tomar nos próximos meses. Entre elas, uma das mais importantes era sobre a aposta de algum novo dispositivo até então desconhecido por todos.

Cook confirmou que novos produtos chegarão ao mercado no final de 2013 (já apresentados – novos iPhones, iPads, MacBooks e Mac Pro) e ao longo de 2014. Entre as opções até então especuladas, estão o relógio inteligente, mas muito apostam que outros grandes itens de eletrônicos de consumo possam ser apresentados ao longo do próximo ano, como por exemplo uma TV UHD.

Durante a coletiva, Tim Cook quis pontuar tais declarações:

Vocês viram muita coisa nos últimos dois meses. Sobre novas categorias, eles se alinharão às habilidades da Apple tanto no hardware, software e serviços em seu incrível ecossistema, e vocês verão um set de novos produtos realmente único. Ninguém tem um set de habilidades parecido. Obviamente, acreditamos que podemos utilizar essas habilidades para criar outros produtos que estão em categorias que representam áreas onde não estamos presentes nesse momento. Estamos muito confiantes nisso.

Cook reforçou que o iPhone 5c nunca foi um telefone de baixo custo. “Nunca foi nossa intensão, sinceramente. Nosso iPhone de baixo custo é o iPhone 4s”, afirmou o executivo. Para a Apple, o iPhone 4 funcionou bem durante o ano passado como telefone acessível, e eles esperam que o 4s repita esse sucesso em 2014.

O executivo também falou sobre o iPad, mas as notícias não são tão animadoras. “Não sabemos se teremos unidades suficientes para o Natal. Nunca se sabe se podemos atender essa demanda até que as vendas comecem”, afirmou Cook. Os rumores sobre a escassez de unidades do iPad mini Retina são grandes, muito por causa dos problemas de produção. Ou seja, se você quer um iPad novo (mesmo que seja importado), é melhor correr.

Por fim, uma informação bônus para vocês.

MacOsXMavericks

O CFO da Apple, Peter Oppenheimer, confirmou no mesmo evento de apresentação do relatório financeiro da empresa, que as futuras versões do sistema operacional OS X seguirão gratuitas. O movimento coloca mais lenha na fogueira e, principalmente, mais olharesm em cima da Microsoft, que ainda cobra pela atualização para o Windows 8.1 (dos usuários que não atualizaram para o Windows 8 em 2012 – para quem já tem o Windows 8, a atualização é gratuita).

Oppenjeimer também confirmou que as atualizações do iWorks e iLife também permanecem gratuitas, e novas cópias dos softwares estarão disponíveis sem custo adicional para qualquer um que comprar um computador Mac ou um dispositivo com iOS.

Via Gadgetos, TechCrunch

Conheça a TV de 120 polegadas 4K da Microsoft. Isso mesmo: Microsoft!

by

microsoft-4k-120-inch-widescreen-television-0

Não, amigo leitor. A Microsoft não vai entrar no segmento de televisores, nem quis dar um tapa na cara da Apple (um pouco, talvez, mas não tão forte). Porém, o fato de não pertencer a um mercado não quer dizer que você não possa colocar dinheiro no desenvolvimento de alguma coisa referente ao produto. Pois foi exatamente isso que a gigante de Redmond fez: construiu uma mega TV de 120 polegadas e resolução 4K, que foi demonstrada no seu centro de pesquisas e desenvolvimento, o Envisioning Center, montado na sede da empresa, em Seattle (EUA).

Essa nova TV presumivelmente rouba da Samsung o título de maior TV 4K do mundo com uma grande margem de vantagem, e está sendo utilizada para a demonstração que ilustra como será a casa do futuro (ou o conceito que a própria Microsoft acredita que deve ser daqui a 10 anos), e para isso, conta com a ajuda do sensor Kinect, para a coisa toda ter um pouco mais de graça.

microsoft-4k-120-inch-widescreen-television-1

Segundo o pessoal do site Pocket-lint, que registrou imagens de toda a experiência, a imagem projetada pela tela é simplesmente deslumbrante, tal como era de se esperar de uma TV 4K. Não foi observado nenhuma deformidade na imagem, mesmo quando visto mais de perto. A demonstração feita pela Microsoft foi a portas fechadas, e segundo o futuro esboçado por eles, a TV vai ser conectada a uma série de tecnologias diferentes ao redor da casa, incluindo as molduras em torno dela para ampliar ainda mais a imagem na tela (na demo, foi exibido um desenho animado infantil) e luzes para criar uma experiência de imersão completa na sua sala de estar.

Até agora, uma série de fabricantes já apresentaram suas propostas com televisores 4K, com demonstrações na CES 2013 em janeiro, mas nenhuma experiência de imagem foi tão completa, e em uma tela tão ampla.

Porém, pare de jogar dinheiro na tela do seu notebook agora. A Microsoft já afirmou que não tem planos de entrar no mercado de televisores, e esse modelo existente no seu centro de futurologia é apenas para que eles possam começar a conversar com os seus parceiros que eventualmente eles convidam para ir até a sede da empresa, apenas para dar uma olhada no que está rolando.

microsoft-4k-120-inch-widescreen-television-3 microsoft-4k-120-inch-widescreen-television-2

 

 

A Microsoft vislumbra o futuro mais uma vez (vídeo)

by

futuro-microsoft

De tempos em tempos, podemos ver como será o futuro segundo a ótica da Microsoft (bom, pelo menos na teoria). A gigante de Redmond publica esses vídeos com uma certa periodicidade, e já faz isso há muitos anos. Dessa vez, o vídeo mostra a Envisioning Center, uma instalação onde a empresa pretende explorar como será o futuro em nossas casas, ou nos escritórios.

Segundo explica a própria Microsoft em seu blog oficial, não só agora podemos descobrir como será o futuro segundo a empresa, mas agora também é possível experimentar esse futuro. Através de suas perspectivas, foram quase 20 anos de desenvolvimento da instalação, que ainda está evoluindo para tentar fazer com que esse futuro seja cada vez mais palpável.

No caso do Envisioning Center, o objetivo é imaginar como a tecnologia pode ajudar a fazer com que a vida seja mais simples, tanto com pequenas melhorias quanto com grandes revoluções. O centro foi completamente remodelado, e agora está aberto ao público, abrigando cenários de trabalho, no lar e um mix dos dois ambientes. A tecnologia que podemos encontrar por lá foi inspirada nas diferentes equipes de produto da empresa, na Microsoft Research e nas tendências observadas na própria indústria de tecnologia.

Mas… quais são essas tendências? Bom, segundo é possível ver no vídeo abaixo, em um futuro muito próximo (entre 5 e 10 anos), as telas e a conexão constante com a internet entre os dispositivos, que funcionam como assistentes pessoais. Assim, a Microsoft imagina que uma espécie de tela central poderá controlar toda a casa.

Além disso, nesse futuro da Microsoft, o usuário poderá enviar informações de um dispositivo para outro em um simples gesto, além de tecnologias de reconhecimento de voz para comunicações com todos os terminais, que vai interpretar as ordens do usuário de forma imediata, além de reconhecer objetos e mudar as informações mostradas na tela. Segundo a Microsoft, “a tecnologia vai ampliar nossos sentidos, nos ajudando a ficar conectados com as pessoas que mais amamos, e transformar a forma que vivemos, trabalhamos e nos divertimos”.

Mas isso não significa necessariamente que a Microsoft vai desenvolver todos esses produtos (no vídeo, alguns produtos apresentados já estão disponíveis, como o Surface e o Nokia Lumia 720), mas sim que eles estão ressaltando algumas das tendências que devem aparecer no futuro, como as interfaces de usuários naturais. Vídeo abaixo.

 

Conheça a bateria flexível que pode recarregar seus gadgets sem fio

by

baterías-flexibles-797x600

 

O futuro sempre está chegando. Parece que nunca vamos ver todas as inovações diante dos nossos olhos, como produtos comerciais. Porém, não podemos negar que os esforços para que a nossa vida fique cada vez mais prática e funcional são grandes. Como por exemplo nesse caso dessa bateria flexível, que promete recarregar seus gadgets sem a intervenção de cabos.

Pesquisadores da Northwestern University de Chicago e da Universidade de Illinois desenvolveram uma bateria flexível, que pode voltar ao seu formato original a cada vez que dobra e torce o material. A melhor parte é que ela não para de funcionar enquanto é dobrada, o que permite uma maior autonomia de uso. Os pesquisadores idealizam a sua utilização em produtos eletrônicos de todos os tipos e até mesmo no corpo humano.

A bateria pode funcionar de modo contínuo por 8 ou 9 horas, e em diferentes situações. Para ser possível o seu conceito “flexível”, os pesquisadores aproximaram os seus conectores no material flexível a ponto que essas conexões ficassem muito juntas, a ponto que seu funcionamento não se interrompesse em caso de uma manipulação do material em diferentes formatos.

Seu funcionamento, voltagem e transmissão de energia é o mesmo de uma bateria normal de lítio no mesmo tamanho, exceto pelo fato que essa bateria flexível pode ter o seu tamanho alterado e reduzido em até 300%. Por enquanto, o único grande problema dessa bateria flexível está no seu ciclo de funcionamento: por trabalhar em alta capacidade, essa bateria tem uma vida útil de apenas 20 recargas. Mas isso é algo que os pesquisadores já trabalham para encontrar uma solução que permita que o produto chegue ao mercado no futuro.

Esse tipo de bateria pode ser utilizada principalmente em roupas eletrônicas, ou em conjunto com materiais têxteis ou flexíveis, que não podem ficar o tempo todo conectados a uma bateria convencional ou corrente elétrica com fios.

 

Smartphones da LG com WebOS não estão completamente descartados

by

Uma boa notícia para os saudosistas do sistema operacional WebOS: nem tudo está perdido. Depois do anúncio da LG na Mobile World Congress 2013, que estava comprando o sistema operacional móvel desenvolvido pela Palm e comprado inicialmente pela HP, descobriu-se que a empresa sul-coreana não quer colocar o sistema em suas TVs inteligentes, mas também nos smartphones.

Bom, a presença do WebOS nos smartphones da LG está mais para um desejo do que para um plano, e é citado de forma bem tímida nos corredores de Barcelona. Porém, é fato que a ideia é altamente tentadora para aqueles que acreditavam que o sistema da Palm poderia ocupar um bom lugar no mercado mobile. Infelizmente, o tempo mostrou que isso não aconteceria, e nem tanto por culpa do WebOS, mas muito mais por parte da Palm e da HP, que não souberam cuidar do software.

A LG comprou o WebOS depois da HP ter feito uma oferta de venda considerada irrecusável. Vale a pena registrar que a compra não inclui todo o portfólio de patentes e tecnologias, já que a HP mantém sob sua propriedade alguns elementos que permitem que a empresa no futuro desenvolva tecnologias para integrar em seus próprios dispositivos, especialmente aqueles pensados nos serviços na nuvem e aplicativos.

No caso da LG, como bem sabemos, o objetivo principal com a aquisição é renovar completamente a sua interface e experiência de uso nas Smart TVs. Porém, ainda que inicialmente não seja algo possível, eles não descartam que em médio e longo prazo, smartphones com WebOS sejam lançados pela LG.

Desse modo, a LG passa a contar com duas plataformas para seus smartphones, se assim quiser. Os coreanos parecem não querer depender por completo do Android, de modo que uma segunda opção vem bem a calhar. Principalmente quando eles são donos dessa segunda opção.

Via Celularis

Sony confirma que vai abandonar os modelos de entrada da linha Xperia

by

A Sony parece estar totalmente decidida sobre como será a sua nova tendência no mercado de smartphones, com uma nova estratégia que já vinha sendo antecipada por diferentes rumores em diferentes locais do mundo. E o que torna a notícia mais séria é que ela vem da boca de ninguém menos que Kazuo Hirai, CEO da Sony. Em uma entrevista, o executivo afirmou, com todas as letras, que sua empresa vai abandonar a fabricação e desenvolvimento de smartphones de entrada da linha Xperia, para centrar seus esforços exclusivamente nos modelos de lina média-alta e, obviamente, os modelos top da linha Xperia.

Não chega a ser uma surpresa a decisão do executivo da Sony, levando em conta que o mesmo Hirai foi, em um passado recente, presidente da Sony Computer Entertainment, que foi o que fez ele alcançar a presidência geral da empresa. Hirai é um dos principais responsáveis pelo sucesso do Projeto PlayStation, e como CEO da Sony, ele começou a tomar decisões arriscadas e realizar mudanças radicais na estrutura da empresa. E isso parece estar dando resultados.

Com a decisão de abandonar os modelos de entrada da linha Xperia, Hirai busca um único objetivo: fazer do Xperia uma marca de renome e reconhecida, com recursos e especificações que sejam reconhecidas pelo consumidor como o sinônimo de o que há de melhor no mundo da mobilidade.

Com apenas um ano de lançamento da linha Sony Xperia, com a primeira geração de smartphones da Sony (depois do fim da marca Sony Ericsson), vimos nascer smartphones de qualidade, como o Sony Xperia S, mas também modelos de entrada, com especificações simples, como o Sony Xperia U. Kaz Hirai deseja abandonar o mercado de consumo de massa, e se focar em posicionar a marca Xperia entre os melhores. Palavras do próprio Hirai:

“A marca Sony Xperia não mais incursionará no setor de consumo de massa. Nossos planos para o futuro vão para a direção única da zona superior do mercado. Precisamos ter produtos que surpreendam as pessoas, e que façam as mesmas sentir emoções”.

Impossível não pensar no iPhone da Apple ou no Galaxy S da Samsung ao ler essas palavras. Afinal de contas, esses são smartphones que estão sempre na mente de qualquer pessoa que deseja um excelente smartphone. Que o digam os seus respectivos fãs. E esse é o objetivo de Hirai com essa decisão: levar o Xperia ao status de “desejável”, e ao mostrar modelos como o Sony Xperia Z, ele começa a alcançar essa meta.

Em poucas palavras, não podemos nos esquecer que certamente vamos ver modelos de entrada da linha Xperia na próxima Mobile World Congress 2013 em Barcelona, mas deve ser uma das últimas vezes que os acessíveis terão vez na Sony.

Via XperiaBlog

15 tecnologias atuais que ainda estarão em uso em 2030

by

Na década de 1980, eu já pensava nos anos 2000, e imaginava como seria o futuro. Carros voadores, skates voadores, casas na lua e robôs que faziam tudo. Tá, nada disso aconteceu, mas em compensação, outros segmentos da tecnologia evoluíram, e compensaram a frustração de não viver hoje como os Jetsons.

Logo, concluo que, mesmo com todo o avanço que vamos ter nos próximos anos, algumas coisas seguirão imutáveis em nossos computadores, eletrônicos de consumo e equipamentos profissionais. Você não pode deter a evolução tecnológica, mas não vamos conseguir deixar de lado elementos que permanecerão vivos em nosso dia a dia por, pelo menos, mais 18 anos. Nesse post vamos tentar analisar quais são as tecnologias que vamos continuar utilizando em 2030. Exceto é claro se o mundo for vítima de um apocalipse zumbi, ou de uma guerra termonuclear, ou até mesmo pela infestação de clones do Ned Flanders.

Teclados QWERTY

Pode vir o reconhecimento de voz, de escrita e o controle de gestos. Nada será mais preciso ou popular nas próximas duas décadas do que o teclado QWERTY. Talvez ela só seja substituída por uma tecnologia que permite o digitar de textos com a mente. Até lá, a melhor forma de você fazer um texto é digitando mesmo. Até porque ninguém consegue falar a mesma coisa que escreve, o que anularia o controle de voz como solução ideal.

Mesmo que os teclados físicos fiquem ameaçados, os teclados virtuais estão aí para fazer a tradição do QWERTY ficar viva no mercado. E mesmo assim, os fabricantes de produtos maiores, como notebooks, não vão abandonar as teclas de plástico. E independente do fato de ser real ou virtual, vai ser difícil a humanidade se livrar do sistema de teclado QWERTY, que está entre nós desde 1878.

PCs

Alguns dizem que já vivemos a era pós-PC. Muito pelo contrário. Apesar das pessoas gastarem hoje mais tempo diante de seus smartphones do que em computadores com Windows ou Mac OS, quando essas mesmas pessoas precisam trabalhar “de verdade”, principalmente em atividades multitarefa, eles recorrem ao bom e velho PC, que segue sendo o rei da produtividade, e vai continuar a ser por muito tempo.

Em 2030, o tamanho e o formato dos PCs pode mudar. Muitos ainda podem argumentar que, com processadores tão velozes, os smartphones podem vir a se tornar autênticos PCs. Mas, independente de tudo isso, para aqueles que precisam produzir no seu dia a dia, sempre vai recorrer para os recursos e características de um sistema operacional completo. Que só existe, por enquanto, em um PC.

Portas USB

Mais de 15 anos depois de seu lançamento, não podemos mais imaginar as nossas vidas sem o USB. A tecnologia se tornou a padrão para a transferência de dados e alimentação de energia de quase qualquer produto eletrônico, desde smartphones e tablets até as pequenas baterias recarregáveis, passando por HDs externos e monitores. Alguns acreditam que o Thunderbolt vai vencer no futuro, mas com a disseminação que as portas USB possuem hoje, podemos dizer que esse futuro será bem distante.

Armazenamento local

Os serviços na nuvem estão se tornando mais presentes, e as conexões de internet cada vez mais rápidas, e muitas pessoas acreditam que, no futuro, todos os nossos arquivos ficarão online. Não é bem assim. Pense nos seus arquivos mais importantes, como trabalhos de conclusão de faculdade, contratos e notas fiscais essenciais. Você não quer correr o risco de perder tudo, de forma inesperada, sem aviso prévio, certo?

Mesmo se você tiver uma conexão de internet de outro planeta, o armazenamento local ainda será a forma mais rápida e segura para armazenar os seus dados realmente relevantes. Até mesmo para a diversão e o entretenimento, como vídeos pesados e jogos de grande volume, é melhor salvar tudo no disco rígido do PC (ou unidade SSD) do que mandar tudo para a nuvem. E, mesmo em 2030, certamente você pode ir para algum lugar onde a conexão com a internet é indisponível ou deficiente o suficiente para afirmar que ela não existe. E aí, você fica a ver navios, com os seus arquivos todos na nuvem.

Arquivos de imagens em JPEG

Mesmo com o aumento da capacidade de armazenamento e maior velocidade de internet, o formato de imagens JPG (ou JPEG) seguirá sendo dominante. Afinal de contas, depois de passar parte da década de 1990 buscando o formato ideal, não vai ser no futuro que vamos abandonar algo que está funcionando tão bem.

Em 2030, nossos filhos e netos vão continuar a tirar fotos no formato JPG, e enviando para nós, nas redes sociais, blogs e sites. Por que? Porque será muito mais simples. Mesmo com uma internet de velocidades absurdas, nem nossos netos vão querer enviar uma foto em RAW, não é mesmo?

Baterias de Lítio-Ion

Em 2030, tal como acontece hoje, praticamente todos os gadgets, veículos e produtos eletrônicos contarão com bateria de lítio. Com o passar dos anos, a capacidade de armazenamento dessas baterias, e principalmente, a vida útil das mesmas aumentou de forma considerável. Hoje, temos mais mAh em espaços menores, e o ciclo de recargas é cada vez maior. Esse é o tipo de tecnologia que não para de progredir, e tem o seu mercado garantido por muitos anos. E olha que esse desenvolvimento começou na década de 1970.

Sites baseados em HTML

O formato HTML segue sendo o mais usado para sites e blogs dos mais diversos temas e finalidades. Primeiro, porque foi o formato adotado em 1991 como a “linguagem universal” das páginas na web, e permanece sendo o mais comum para aplicativos online e publicações. Segundo, porque os programadores web vão aprender essa linguagem cada vez mais cedo, antes de partir para outra linguagem, o que vai perpetuar o seu uso por um bom tempo.

Dinheiro

Money, Money, Money! Mesmo que o dinheiro de plástico ou os cartões de débito sejam completamente substituídos pelos sistemas de pagamento em dispositivos móveis, não tenha dúvidas: alguns trocados você vai carregar na carteira em 2030. Por que? Simples: porque vamos precisar disso no futuro.

Pense comigo: o dinheiro é a melhor forma de você efetuar pagamentos de forma anônima, em qualquer tipo de transação. Você não precisa nem dar o seu nome se você paga alguma coisa em dinheiro. As instituições financeiras e governamentais certamente vão amar o fim do dinheiro físico, por diversos motivos. Porém, o dinheiro de papel moeda é a única forma que um terceiro não se envolver na sua compra.

Notebooks no formato “clamshell”

Os notebooks em formato “chamshell” (ou “concha”) são, hoje, os computadores mais vendidos do mundo (de qualquer modalidade de computador). Mesmo que os PCs eventualmente sejam extintos por causa dos tablets ou desktops no estilo All in One, os notebooks ultrafinos e ultraleves jamais serão substituídos, sendo a ferramenta de trabalho ideal para quem quer produtividade em qualquer lugar.

O notebook “clamshell” nasceu em 1982, com o modelo Grid Compass 1011, e é difícil imaginar ver esse produto obsoleto no futuro. Mesmo porque, no passado, poucos imaginavam que ele fosse ser tão fundamental para o mercado.

Wi-Fi

Desde 1997, o padrão 802.11 domina o mundo da conectividade sem fio. Todo smartphone, tablet ou notebook fabricado a partir desse ano vem com o padrão 802.11g ou 802.11n pelo menos, e boa parte das residências contam com um roteador de internet sem fio. Em 2030, todas as casas contarão com acesso à internet Wireless.

Utilizamos hoje o Wi-Fi para ver vídeos, conectar dispositivos, navegar na internet, compartilhar arquivos entre dispositivos e outras finalidades. No futuro, isso só vai se tornar mais difundido e propagado, e as tecnologias de internet móvel de alta velocidade não vão substituir os benefícios de uma conectividade plena e sem gastos adicionais (exceto pela conta de internet residencial, é claro).

Email

Com a popularidade do Facebook, Skype, Twitter, WhatsApp e outros recursos de mensagem instantânea, muitos podem pensar que o email está em estágio de extinção. Entretanto, quando precisamos enviar ou receber um documento importante, e precisamos de um registro permanente desse envio ou recebimento, recorremos ao velho email, para a nossa segurança e praticidade.

O email é da década de 1970, e está disponível em diversos protocolos, o que amplia o leque de opções. Dá para imaginar um futuro onde você precisa fazer login no Facebook para mandar uma mensagem para um cliente ou o seu chefe? Até dá. Mas, pelo menos por enquanto, o email vai te dar uma maior autenticidade, e suas chances para ser levado a sério são maiores.

Conectores de áudio 3.5 mm

Para quem gosta de música, nada substitui o prazer de ouvir por horas e horas a sua playlist musical (ou, pelo menos, a autonomia que o seu dispositivo oferece na bateria). Temos os fones Bluetooth, mas eles contam com autonomias de bateria limitadas. Os fones USB podem ser a melhor solução para notebooks, tablets e media players, mas no caso deos players portáteis, além de serem compatíveis com todo o tipo de equipamento, os conectores de áudio de 3.5 mm são mais baratos, e ainda serão funcionais. E serão, pelas próximas duas décadas, pelo menos.

Impressoras a laser

Ok, você não imprime mais nada em papel. É tudo digital, seja nos documentos (PDF) quanto nas fotos (JPG). Mas as impressões em laser ainda serão necessárias para algumas atividades. As impressoras a jato de tinta devem desaparecer do mercado, mas para imprimir em papéis térmicos ou fotográficos, ou em atividades mais específicas, as impressoras em laser serão o padrão a ser escolhido. Por serem mais modernas e mais ecológicas.

TVs

Você pode não mais ver TV na sua casa. Mas até mesmo a TV está mudando. Está deixando de ser apenas aquele eletrônico para ver os programas e filmes para se tornar a central de entretenimento completa, onde conectamos smartphones, tablets, media players, videogames e outros dispositivos de áudio e vídeo. Além disso, a TV se tornou mais um equipamento conectado de nossas residências, o que aumenta a sua gama de possibilidades. Como a TV no futuro tende a ser maior, e com melhor qualidade de imagem, ela pode ser mais uma ferramenta do seu trabalho, como um grande monitor para atividades profissionais no seu computador.

Microsoft Office

Por fim, depois de uma guerra nuclear (ou atômica), quando tudo acabar, apenas duas coisas vão sobreviver no planeta Terra: baratas… e o Microsoft Office. Destruiu produtos como Lotus e WordPerfect na década de 1990, e é o produto mais vendido entre os softwares da Microsoft hoje. Você até pode dizer que vive bem como Google Docs (ou GDrive) e o OpenOffice, mas se você quer um trabalho com resultados profissionais, não tem jeito: quem manda é o Microsoft Office .

Baseado nos dados do post do Gizmodo

Steve Wozniak: “em 40 anos, o iPhone vai dizer ‘eu não gosto de vocês, humanos'”

by

O co-fundador da Apple, Steve Wozniak, esteve recentemente na Austrália, para uma palestra na QUT Business Leader’s Forum, que aconteceu no mesmo dia do lançamento do iPhone 5 no país. Enquanto ele esteve por lá, o jornal australiano 9 News informou que Woz gastou algum tempo para brincar de futurologia, falando sobre sua visão da tecnologia para daqui a 40 anos.

Woz está animado pelo fato da inteligência artificial estar se tornando cada vez mais presente nos dispositivos de tecnologia, e falou de todos os avanços que foram feitos nas últimas (poucas) décadas. “Em 40 anos, nós teremos computadores que terão consciência, sentimentos e personalidade. Um computador poderá ser o seu melhor amigo. Ele poderá olhar para o seu rosto e identificar sua expressão, identificando o que se passa no seu coração e alma melhor do que qualquer pessoa no mundo”, afirma Wozniak.

Se tal descrição parece ser um pouco estranha para você, saiba que, ao mesmo tempo, muita gente se empolga com a possibilidade de contar com um computador com personalidade no futuro. Woz deixa claro que alguns humanos podem ser substituídos por máquinas, e que a sociedade como conhecemos deverá ser reestruturada como resultado desse avanço.

Steve Wozniak também falou sobre o iPhone daqui a 40 anos, afirmando que o sistema de assistente pessoal da Apple, o Siri, vai evoluir a ponto de simplesmente não querer mais você como proprietário. “O sistema vai me conhecer tão bem, que vai poder afirmar ‘eu não gosto de você’ para o usuário menos amistoso”, completa Steve. Se isso é bom ou ruim, deixo o debate para vocês. Fato é que, segundo o co-fundador da Apple, essa tecnologia (de inteligência artificial) está progredindo tão rapidamente que os fabricantes precisam agir rapidamente, para serem os vanguardistas nesse momento de mudança de como as pessoas vão utilizar os seus computadores e smartphones.

Via SlashGear

Como serão as tecnologias do futuro?

by

O futuro. Todo mundo pensa nele. Alguns sonham com ele. E com o mundo tecnológico que vivemos, alguns de nós conseguem criar um pouco desse futuro, principalmente nos segmentos de internet e dispositivos móveis.

Tais tecnologias estão mudando de uma forma incrível, e com uma velocidade que nunca imaginamos. Se pararmos para pensar que, em 1992, se alguém dissesse que estaríamos conectados com qualquer pessoa do planeta com um aparelho pequeno o suficiente para ser transportado no bolso da calça, que poderia ser utilizado para receber e enviar mensagens eletrônicas, dispensando assim as cartas de papel, bastando assim digitar diretamente na sua pequena tela, não iriam rir da nossa cara. Iriam gargalhar de forma compulsiva, e telefonar para o manicômio mais próximo.

Mas hoje, essa cena é a mais normal do mundo. A maioria das pessoas que usam o serviço de telefonia móvel no planeta hoje usam um smartphone, mesmo que seja de um modelo bem simples. Algumas pessoas usam os tablets para se comunicar e se informar, e todo esse grupo se conecta à internet todos os dias. Podemos dizer que temos uma geração inteira de usuários que deixaram o telefone de lado, e utilizam de forma prioritária a internet para se comunicar.

Podemos dizer isso pela nossa própria experiência pessoal. Eu uso mais o telefone para falar com os meus parentes que não dominam ainda a internet (minha mãe, por exemplo). Os demais, na pior das hipóteses, uso ou o e-mail ou os comunicadores instantâneos para estabelecer contato. Isso, sem contar as redes sociais, onde podemos ter uma resposta ainda mais rápida, marcar compromissos na agenda do Facebook e, como último recurso, serviços como o WhatsApp e Viber, que se transformaram na forma preferida da “geração Internet” para enviar mensagens SMS e chamadas via internet pelo celular.

Mas… o que vai acontecer com o futuro da tecnologia? Ninguém sabe ao certo. E essa é a graça da coisa!

Nem a ciência, nem os especialistas, jornalistas, blogueiros, palpiteiros, nerds e chatos de plantão. Ninguém sabe o que vai acontecer nos próximos 20 anos, e essa é uma das belezas do mundo tecnológico. No lugar de afirmar, só podemos prever, sonhar, imaginar. Esboçar um futuro de gadgets e equipamentos eletrônicos em um tempo não tão distante.

Talvez o caminho comece na rede. A tecnologia em si pode deixar de estar relacionada com um dispositivo em particular para se associar com os recursos que esse mesmo dispositivo pode buscar na rede conectada. Como a tendência é que os nossos perfis de uso sejam unificados (tanto nos sistemas operacionais quanto nos serviços online), tudo se encaminha para que tudo o que você precisa vai estar na nuvem. E o seu dispositivo precisa estar preparado para acessar tais informações de qualquer lugar do planeta.

Outro fator importante é a interatividade. Tornar cada produto ou serviço o mais prático e acessível possível para qualquer pessoa, e não apenas para aqueles que já dominam algum tipo de tecnologia. Aliás, esse vem sendo o esforço atual dos fabricantes, em encontrar um grupo de novos usuários para gerar um maior volume de vendas, pois aqueles que já adquiriram seus produtos dificilmente mudarão de marca. O ideal é oferecer para aqueles que não se familiarizam com tais dispositivos uma porta de entrada para esse novo mundo.

Hoje, é conveniente para a maioria de nós utilizarmos um teclado e mouse para interagir com o computador, mas não pode ser para nossos pais ou avós. Logo, recursos como assistentes inteligentes e sistemas de comando de voz são mais que bem vindos. Em estágios mais avançados, os usuários podem até comandar o computador com o cérebro ou com o movimento dos olhos. No futuro, nossos relógios, geladeiras, automóveis, fornos, microondas, ar condicionado, televisor e todo e qualquer eletrodoméstico que usa a corrente elétrica de alguma forma estará conectado à internet, recebendo e enviando informações o tempo todo.

Se isso é bom ou ruim, é impossível saber agora, mas pouco a pouco já estamos vendo como esses produtos estão aparecendo. De forma lenta, é verdade, mas eles começam a fazer parte da cultura cotidiana dos early adopters, para que, no futuro, essa tecnologia seja comum para a maioria dos usuários.

Também é fundamental pensarmos na personalização de produtos. As empresas estão percebendo que um dos detalhes mais importantes no mercado de hoje é fazer com que a Internet e os diferentes serviços disponíveis se adaptem ao usuário, e não o usuário se adaptar aos serviços. Daqui a alguns anos, devemos ter um grande desenvolvimento em algoritmos e sistemas embarcados, de modo que atenda ao desejo do usuário de só exibir exatamente o conteúdo que ele quer ver. Nada de propagandas ou notícias de produtos que não nos interessam, ou uma página que certamente não vamos visitar, ou uma notícia que jamais vamos ler.

A conexão entre as pessoas será maior, e a comunicação por voz pode ser algo do passado. Com o avanço da tecnologia, poderemos saber o que a outra pessoa está sentindo, mesmo que ela esteja do outro lado do planeta. Ok, essa parte pareçe coisa de filme de ficção científica, mas smartphones, comunicadores instantâneos e tablets eram coisas do futuro na década de 1960.

Agora, uma coisa que temos que ficar atentos. Nos últimos tempos, vimos como diferentes governos estão tentando controlar o acesso à internet e seu conteúdo. A melhor forma da internet (e da evolução como um todo) prosperar é como ela está hoje: sendo livre. Se tudo continuar do jeito que está, o futuro será próspero, e as tecnologias poderão evoluir sem ter que mudar o seu curso por causa de governos ou grandes corporações com pensamentos divergentes.

A única coisa que é certa é que o futuro será simplesmente fantástico.