Arquivo para a tag: ereader

Criar um tablet para os deficientes visuais ainda é um grande desafio

by

kindle-braile

Os sistemas operacionais móveis avançaram e muito em acessibilidade. Porém, smartphones e tablets atuais ainda apresentam barreiras importantes para os deficientes visuais. Conscientes disso, um grupo de pesquisadores da Universidade de Michigan desenvolveram um tablet que é capaz de modificar a superfície da tela para exibir conteúdos em braile.

A tecnologia ainda está em desenvolvimento, mas eles deixam muito claro como eles querem alcançar esse objetivo. por fora, temos um tablet ou leitor de livros eletrônicos como outro qualquer. Por dentro, temos um sistema que é capaz de criar relevo sobre a tela touch em determinados pontos, podendo assim dar forma ao conteúdo em braile.

O vídeo no final do post mostra como hoje há sistemas similares com apenas uma linha, mas além de serem pouco práticos são muito caros, podendo custar até US$ 5 mil. Para os sistemas multilinha atuais, os custos podem alcançar os US$ 55 mil.

Não só isso: por ser um sistema mecânico, o dispositivo teria que alojar milhares de pinos de plástico, tornando o tablet ou leitor muito largo e pesado.

A nova proposta sugere um sistema que, através da inserção de ar, um ponto da tela vai sobressair da superfície touch do dispositivo. Isso faz com que o dispositivo seja mais fino e leve. Além disso, a tela ficaria alinhada com um relevo entre 5 mil e 10 mil pontos. Não só poderia se ler em braile como também representar desenhos, gráficos e outras figuras, algo que os dispositivos atuais não permitem.

A melhor parte é que um leitor com as novas características não custaria mais do que US$ 1.000.

Por enquanto, ainda é uma ideia em fase muito inicial de desenvolvimento, centrado ainda na tecnologia básica do projeto. Ou seja, pode levar anos até que o mercado receba um produto com essas características. Isso é, se alguma empresa decidir apostar nesse conceito.

Este é o leitor de livros eletrônicos baseado em Linux que a Nokia abandonou

by

nokia-ereader-linux

Uma nova imagem vazada revelou o eReader baseado em Linux que a Nokia estava preparando em 2013, antes que a sua divisão móvel fosse comprada pela Microsoft.

Ao que parece, o gadget (que internamente era conhecido como Pine) foi desenvolvido como uma espécie de híbrido entre leitor de livros em formato digital e tablet, e pela imagem é mais que evidente que ele não contava com uma tela de tinta eletrônica, apostando no clássico LCD. Infelizmente, não existem muitos detalhes sobre o produto, mas sabemos que responsável pelo cancelamento do mesmo foi ninguém menos que Stephen Elop.

Muitos consideram Elop o pior CEO da indústria tecnológica, pois ele foi capaz de dizimar a nada a divisão móvel de uma gigante como a Nokia. E a pergunta fica: eles teriam sucesso com esse híbrido com Linux? É difícil saber, já que não sabemos as especificações do dispositivo. Mesmo assim, o conceito parece ser bem interessante.

Via Softpedia, @evleaks

Kobo Aura H2O, e-reader à prova d’água, será lançado em setembro

by

Waterproof-eBook-Reader

Não são dados oficiais (obrigado, senhor, pelos vazamentos de tecnologia), mas ao que tudo indica, a Kobo prepara um novo e-book reader para o mês de setembro. O Kobo Aura H2O, que traz a peculiaridade de ser à prova d’água, vai custar US$ 179.

O site Digital Reader informa que o novo e-reader contará com uma tela de 6.8 polegadas e-ink (1430 x 1080 pixels) touchscreen, processador de 1 GHz, 4 GB de armazenamento interno (expansíveis via microSD) e peso de 233 gramas. Além disso, o modelo trará consigo o recurso ComfortLight, que distribui melhor a luz em baixa luminosidade, além de conectividade sem fio.

O vazamento confirma que o dispositivo possui a proteção IP67, permitindo que o mesmo seja submergido na água em até 1 metro de profundidade por 30 minutos. Sua bateria deve ter autonomia estimada de 2 meses de uso com uma única carga.

Agora é esperar que a Kobo torne todas essas informações oficiais.

Via Digital Reader

Avaliação de Produto | Kindle Wi-Fi

by

kindle-02

O primeiro post desse novo segmento do blog será sobre um produto que testei por pelo menos dez dias. O Kindle sempre foi um “objeto de desejo” meu (apesar de não ser algo que fosse uma prioridade de compra), mais pela curiosidade sobre como o produto funciona, e principalmente, para entender por que ele é o eReader mais vendido do planeta. Depois de dez dias de testes, eu tive a minha resposta. A seguir, passo os meus argumentos.

Sobre o Produto

O Kindle Wi-Fi de 6 polegadas é considerado, nesse momento, o modelo mais básico de eReaders da Amazon, e consequentemente, é o mais barato também. Não é o produto que começou todo o império de Jeff Bezos no segmento, mas é altamente inspirado nos primeiros modelos lançados antes. É o produto da empresa que introduz qualquer pessoa ao mundo dos leitores de livros eletrônicos.

Além disso, é a porta de entrada para qualquer usuário ao acervo de livros digitais da Amazon. Muitas pessoas começaram a consumir outros produtos da maior loja de e-commerce do mundo porque, em um belo dia, depois de comprar tantos livros da Amazon, decidiu comprar o eReader deles. E substituir os livros de papel por um gadget que pode ser levado no bolso da calça (dependendo do tamanho do bolso, é claro).

Principais Características

kindle-04

O que mais chama a atenção no Kindle é a sua portabilidade. É um gadget fino e leve. Aliás, muito fino, e muito leve. Não há desculpas para nenhuma pessoa deixar o seu Kindle em casa, pois ele não vai produzir volume e peso no meio das coisas que você leva todos os dias nas jornadas de trabalho e estudo. Sem falar que o dispositivo é muito confortável nas mãos. Você pode ler por muitas horas, e o Kindle não causa fadigas por conta desse uso prolongado.

Por conta disso, o Kindle é a alternativa perfeita para os fãs de leitura, e uma ótima opção para alguns casos específicos. Por exemplo, estudantes de universidade, que precisam carregar alguns livros volumosos todos os dias (ou na maior parte do tempo), pode substituir a versão física pela versão digital, reduzindo esse peso. Sem falar que, se você tem os seus livros de cabeceira, é muito melhor levar o Kindle na viagem de férias do que dois ou três livros, que pesam um bocado.

Sua tela E Ink Pearl é outra característica marcante do Kindle. Além de permitir a leitura plena em ambientes muito iluminados (por exemplo, na praia, sob o sol) ou com uma iluminação artificial de boa qualidade, essa mesma tela faz com que a autonomia de bateria do produto seja muito elevada, onde um usuário com um hábito de leitura de 30 minutos por dia consiga alcançar o um mês de uso sem precisar recarregar o dispositivo.

Além disso, o usuário conta com a praticidade de salvar livros no dispositivo através do download via Wi-Fi (a partir dos títulos adquiridos pela Amazon), ou transferindo os livros e textos do computador para o Kindle (alguns deles necessitando de uma conversão prévia).

kindle-03

Prós

– É um produto barato: entre os seus principais concorrentes, tem o preço mais competitivo, e se você der sorte, ainda pode encontrar algumas promoções nos e-commerces nacionais.
– Uma biblioteca virtual ampla, com valores em reais: a Amazon consegue oferecer um interessante acervo de livros digitais, para atender a todos os gostos e necessidades.
– Portabilidade: levar ele para qualquer lugar não será um problema para você.

Contras

– Inserção de dados pouco eficiente: comprar um produto com preço acessível resulta em algumas limitações. Uma delas é não ter uma forma de entrada de informações mais ágil. Tudo se resume a um teclado, onde com o auxílio do cursor, você precisa inserir um caractere por vez.
– Tela sem retro iluminação: de novo, mais uma característica que é sacrificada pelo baixo custo. Tenha sempre alguma fonte de luz para leituras noturnas.
– Pouco útil se você tem um tablet: para usuários multitarefa, que já estão habituados a utilizar o seu tablet como leitor de livros eletrônicos, o Kindle (ou qualquer outro eReader) se torna um produto quase obsoleto.

Relação Custo/Benefício

kindle-05

O Kindle é um produto excelente para o que ele se propõe a fazer. Ele é um bom leitor de livros eletrônicos, que atende as necessidades mais básicas dos usuários que adotaram a leitura como uma das principais atividades diárias. Para muitos, podem não substituir a experiência de leitura em um livro físico, mas é uma ótima alternativa para tornar o processo mais moderno, confortável e prático.

Porém, se você já tem um tablet, e está acostumado a ler seus livros nesse dispositivo (mesmo levando em consideração as desvantagens que uma tela de tablet oferece), a migração para um eReader (não importa qual) pode ser algo desnecessário. Em um mundo onde muita gente vive a era da convergência, utilizando produtos multitarefa, não fará muito sentido ter um produto dedicado exclusivamente para a leitura.

Logo, é fundamental cada um observar em qual cenário se encaixa antes de adquirir o produto.

Nota Final: 8.6/10

Desempenho: 7
Design: 10
Funcionalidades: 7
Preço: 9
Relação Custo/Benefício: 10

Sony lançará o seu e-reader A4 em dezembro, mas com um preço (quase) proibitivo

by

sony-dpt-s1-0004

A Sony levou meses apresentando o seu protótipo de tela e-ink de grandes dimensões, que se apresentou em forma de e-reader de grande porte. Agora, chegou o momento da verdade: ele vai chegar ao mercado.

O fabricante japonês anunciou ontem (07) que o seu chamativo e-reader com tela de 13.3 poleadas estará disponível para compra no Japão no próximo dia 3 de dezembro. O produto, que inicialmente é pensado para um uso educacional – de forma prioritária -, tem um preço sugerido de 100 mil ienes, ou US$ 1.009. Só para lembrar: dá para comprar mais de 10 unidades do Kindle mais simples nos Estados Unidos com esse valor.

Diante de tal cenário, as chances de vermos esse produto no mercado tradicional (nem falo no Brasil, falo no mercado internacional mesmo) são muito pequenas. Mesmo assim, ele segue sendo um produto muito interessante. Só é caro demais.

sony-dpt-s1-0005

O produto conta com uma tela e-ink com tamanho equiparável ao de uma folha A4 com a tecnologia Mobius (que, entre outras coisas, troca o cristal por uma fina película protetora) e uma resolução de 1.200 x 1.600 pontos. Além disso, o produto conta com conexão WiFi, e concentra todos os seus componentes em uma espessura de 6.8 mm e peso de apenas 358 gramas. Para que você tenha uma ideia do que estou falando, ele é mais leve que o novo iPad Air.

Consciente que o seu preço o deixa (infelizmente) bem longe do estudante médio, a Sony decidiu mudar o foco do produto, fazendo um discurso mais pensado para o entorno empresarial. Para isso, eles oferecem um suporte para trabalhos com documentos financeiros, além de oferecer um lápis para anotações e correções necessárias na tela.

É uma pena. Um produto como esses tinha tudo para fazer um grande sucesso nas escolas e universidades. Mas parece que temos aqui, mais uma vez, a “Sony sendo a Sony”.

Mais fotos do produto a seguir.

sony-dpt-s1-0000 sony-dpt-s1-0001 sony-dpt-s1-0002 sony-dpt-s1-0003

eReader Sony Reader PRS-T3 é anunciado oficialmente

by

Sony-Reader-PRS-T31

A Sony também apresentou durante a IFA 2013 um novo eReader, o Sony Reader PRS-T3, que conta com a mesma tecnologia adotada pelo fabricante nos modelos anteriores da mesma categoria.

O Sony Reader PRS-T3 é um dispositivo leve e bem funcional, com uma tela de 6 polegadas (E Ink Pearl), com sistema anti-reflexiva e Clear IR Dual Touch. Essa tela oferece uma resolução de 758 x 1024 pixels, e o dispositivo tem medidas de 109 x 160 x 11.3 mm. É compatível com os formatos ePub, PDF, TXT e FB2, além dos formatos de imagens JPG, GIF, PNG e BMP.

O Sony Reader PRS-T3 estará disponível nas cores preto, branco e vermelho, e começa a ser vendido na Europa no final do mês de setembro. Sem preço anunciado.

Sony-Reader-PRS-T3

Via Sony

Nova versão do Kindle Paperwhite é anunciada oficialmente pela Amazon

by

kindle-paperwhite-topo

A Amazon anunciou oficialmente a nova versão do seu eReader Kindle Paperwhite. O produto vazou na web um pouco mais cedo hoje (e só não publicamos isso porque a pauta estava lotada… lamentamos por isso), e o dispositivo já está disponível em modo de pré-venda nos Estados Unidos.

O novo Paperwhite é descrito como uma evolução direta da primeira versão do produto, com um processador 25% mais rápido, mais contraste para melhorar a leitura dos textos, importantes melhorias na sensibilidade da tela touch, uma bateria com maior autonomia de uso (aproximadamente dois meses de autonomia, segundo informa a Amazon) e várias funções sociais inéditas, como a integração com o serviço GoodReads, para que o usuário obtenha recomendações de outros proprietários de um Kindle.

O software do novo Kindle Paperwhite foi renovado, incorporando novidades bem interessantes. O recurso Page Flip é uma dessas novidades. Ela incorpora o recurso de virar a página, mas sem abandonar a sua posição anterior. Além disso, o Vocabulary Builder criará cartões com as buscas que você realizar no dicionário, e novos controles paternos vão garantir que os seus filhos pequenos não busquem por detalhes mais sangrentos e/ou truculentos e/ou sexuais de Game of Thrones, por exemplo.

Por enquanto, ainda não sabemos se os modelos da primeira versão do Paperwhite serão atualizados com o novo software para receber os novos recursos, ou se essas funcionalidades serão exclusivas da nova versão do eReader da Amazon.

O preço do novo Kindle Paperwhite nos Estados Unidos se mantém inalterado em relação à versão anterior. Ou seja, a versão Wi-Fi – chega ao mercado norte-americano em 30 de setembro – custará US$ 119, na versão com propagandas, ou US$ 139 no modelo livre de anúncio. Já na versão Wi-Fi + 3G, o dispositivo custará US$ 189, mas só vai chegar ao mercado em 5 de novembro.

Mais fotos do novo Kindle Paperwhite a seguir.

kindle-paperwhite-08 kindle-paperwhite-07 kindle-paperwhite-09 kindle-paperwhite-05 kindle-paperwhite-06 kindle-paperwhite-01 kindle-paperwhite-02 kindle-paperwhite-03

Ler – Kindle Paperwhite
Ler – Kindle Paperwhite 3G

Review | eReader Kobo Aura HD

by

kobo-aura-hd-head Mais um produto para testes aqui no TargetHD. Dessa vez, a assessoria de imprensa da Kobo enviou um dos seus mais recentes lançamentos, o Kobo Aura HD. Disposto a bater de frente com os principais leitores de livros eletrônicos do mercado, o Kobo Aura HD conta com recursos muito interessantes para os fãs de uma boa leitura. A seguir, passo minhas impressões sobre o produto, com o objetivo de confirmar se posso abandonar meu tablet na hora de ler os livros com paz e tranquilidade.

Características Físicas

DSC07877 O Kobo Aura HD é um produto de linhas simples, mas com um design interessante. Você pode segurar o produto de diferentes maneiras, e mesmo assim, ele pode ser algo confortável para um uso prolongado. Com medidas de 175.7 x 128.3 x 11.7 mm e peso de apenas 240 gramas, você não vai se sentir incomodado ao utilizar o eReader por muitas horas. Pelo contrário. Dependendo da posição que você o segurar, ele não vai trazer incômodo algum. DSC07839 Outro detalhe que merece destaque está no seu design da parte traseira. O produto oferece essas ondulações, que permitem que seus dedos fiquem anatomicamente encaixados, mesmo em diferentes formas de agarrar o produto. Por exemplo, se você segurar o Kobo Aura HD com as duas mãos, você fica com a ponta dos dedos encaixada na parte mais funda. Se segurar com uma das mãos, a mesma coisa, e se agarrar o produto com a mão inteira, o seu indicador vai servir de “apoio” para a sustentação do produto. DSC07777 DSC07563 Além disso, o eReader da Kobo possui bordas espessas, que ajudam no apoio geral do produto. Nesse caso, ter uma borda de grandes dimensões é mais do que necessário, sem afetar a área de visualização de texto. DSC07760 Poucos botões são encontrados no Kobo Aura HD. Não há botões na parte frontal, e na parte superior, encontramos apenas os botões (ou chaves) de liga/desliga e de iluminação. Na parte inferior, temos o conector para o cabo micro USB e o slot para cartões microSD, além do botão de reset, para restaurar as configurações originais. DSC07774 DSC07552 DSC07555 Comparado com um tablet de 7 polegadas (no meu caso, o Nexus 7), o Kobo Aura HD é um pouco mais largo e com uma altura menor. Tais elementos não são fatores determinantes no quesito conforto, uma vez que o Neuxs 7, apesar de leve, é mais pesado do que o Aura HD. Logo, uma coisa acaba compensando a outra em um uso mais prolongado. DSC07798 DSC07575 DSC07573

Acessórios

O único item que acompanha o Kobo Aura HD (pelo menos no kit enviado pela assessoria de imprensa) foi o cabo USB. Em compensação, é um cabo USB revestido por um tecido trançado, algo que oferece uma maior sensação de segurança para o acessório, dando a entender que ele não vai se danificar com facilidade. DSC07823 Esse cabo USB atua como carregador de bateria e via de transmissão de dados (eBooks que você queira salvar no dispositivo ou no cartão de memória). O produto utiliza uma porta micro USB, e como ela possui uma amperagem de 0.8A, não será qualquer carregador que será compatível com o produto. Logo, é recomendável que você recarregue a bateria do produto enquanto o mesmo estiver conectado ao computador. Só por precaução (mas isso não exclui a possibilidade de você utilizar um carregador alternativo; porém, os testes ficam por sua conta).

Tela

DSC07860 A tela de tinta eletrônica Pearl ClarityScreen+ do Kobo Aura HD possui 6.8 polegadas, com resolução de 1440 x 1080 pixels e 265 dpi. Essa tela se destaca por contar com uma tecnologia chamada ComfortLight, que é o que oferece a iluminação eletrônica para a leitura em ambientes pouco iluminados ou no escuro. Essa tela ainda conta com um revestimento ultrafino, que oferece uma maior durabilidade e uma distribuição de luz uniforme em toda a tela. DSC07621 DSC07617 Na prática, a tela justifica a teoria do “ler em um eReader é melhor do que ler em um tablet”. É muito mais confortável ler os conteúdos na tela de tinta eletrônica. Você força menos a vista, e até mesmo na hora que utilizei o sistema de iluminação de tela, a visualização dos elementos foi prazerosa. Você pode até argumentar que “no tablet, podemos ver elementos em cores, como ilustrações e fotos”. Ok. Em um eReader, eu quero basicamente ler. E, para isso, o preto e branco basta. DSC07766 DSC07620

Interface de Usuário

A interface de usuário é considerada simples e intuitiva. Se você já lidou com qualquer sistema operacional para computadores e tablets, não terá nenhuma dificuldade. Talvez alguns usuários iniciantes contem com relativas dificuldades com alguns elementos de tamanho menor, como o ícone de acesso ao menu de opções e o ícone para a tela inicial do dispositivo. Mas a curva de aprendizado tende a ser relativamente curta. DSC07857 Justamente por causa desses elementos menores, a interação com a tela não é algo considerado perfeito. O toque na tela é bem preciso, mas quando buscamos o ícone na tela inicial (por exemplo), a tendência é que você “force” um pouco mais o toque, com o objetivo de obter uma maior precisão na hora de acionar aquele ícone. DSC07870 DSC07865 Mas isso não é nada que preocupe. A interface de uso do Kobo Aura HD possui os principal para que o usuário faça o básico: leia os seus livros, busque novos títulos, faça compras de novos livros, sincronize sua biblioteca e seus dados e compartilhamento de suas estatísticas de leitura no Facebook, via Reading Life. O sistema possui até uma ferramenta de premiação, com modos de estatísticas bem humorados, como o “Matando Aula”, que premia aqueles que costumam ler muito entre 14h e 16h. DSC07872 DSC07863 DSC07645 O Kobo Aura HD também oferece o sistema de ajuste de fontes personalizado TypeGenius, que conta com até 10 estilos de letra, 24 tamanhos de letra e ajustes para nitidez pré-determinados ou calibradas pelo usuário. Além disso, a fonte Kobo Nickel, exclusiva dos dispositivos da empresa, também está presente no Aura HD. DSC07704 DSC07698 DSC07700 Para auxiliar no enriquecimento do seu vocabulário, o Kobo Aura HD ainda conta com o dicionário Collegiate, da Merriam-Webster pré-instalado, além de recursos de anotações e destaques de texto, que podem ser compartilhados em seu perfil no Facebook. O sistema também possui recursos de pesquisa de itens com previsibilidade, bibliotecas personalizadas, zoom através de duplo toque na tela (em PDF) e o recurso SimpleTurn, para que o usuário possa virar as páginas de forma simples e prática. DSC07630 DSC07638 DSC07635 DSC07629 O Kobo Aura HD suporta os seguintes formatos de arquivos: eBooks: EPUB, PDF e MOBI Imagens: JPEG, GIF, PNG e TIFF Texto: TXT, HTML, XHTML e RTF Desenhos: CBZ e CBR

Internet

O Kobo Aura HD se conecta à internet através das redes WiFi (802.11 b/g/n), e se vale de um navegador de internet experimental para se conectar à base de dados da Kobo e exibir os conteúdos online. Essa conexão basicamente só serve para você utilizar a base de dados compatíveis com o eReader, além de sincronizar a sua biblioteca na nuvem e enviar as suas atividades no Facebook. DSC07693 O produto até possui um navegador web bem simples, que pode quebrar o galho na hora de fazer uma consulta rápida sobre algum conteúdo que você está lendo. Talvez, no máximo, pode ser útil para ler os seus e-mails. Mas nada além disso. Temos aqui um navegador mobile (para facilitar a navegação), que até exibe os conteúdos da forma correta (ou dentro do esperado), mas que em alguns casos não oferece um tamanho de fonte favorável para uma leitura satisfatória (como foi o caso da exibição do TargetHD). DSC07685 Resumindo: você não vai poder utilizar essa conectividade para outras atividades sociais ou de navegação. O WiFi está presente, basicamente, para os objetivos previamente estabelecidos para o produto. DSC07689 De qualquer forma, a conectividade do produto é boa. Sua configuração foi muito simples (basta habilitar o WiFi no eReader, cadastrar a senha da rede e pronto), e sua funcionalidade foi dentro do esperado, sem apresentar problemas de conectividade.

Games

O Kobo Aura HD tem alguns jogos para você se divertir! Você não pode acessar o Twitter (até pode, pelo navegador, mas acho que você não vai querer isso…), mas pode jogar os joguinhos pré-instalados no dispositivo, como Xadrez, Paciência, Sketch Pad e Sudoku. DSC07669 Todos os jogos estão devidamente adaptados para a proposta do produto. São jogos simples, para interação direta com a tela touch, que servem muito mais para você se distrair do que qualquer outra coisa. Vai ter uma hora que você vai se cansar um pouco da leitura, e vai querer alguma coisa para se distrair. Nessas horas, os joguinhos do Kobo Aura HD podem ser bem vindos. Até porque, convenhamos: ninguém é de ferro. Nem mesmo os viciados em leitura. DSC07677

Bateria

Uma das principais vantagens dos eReaders em relação aos tablets é a sua autonomia de bateria, e no caso do Kobo Aura HD, isso não foi diferente. O dispositivo chegou para os testes com uma autonomia de bateria estimada de 61%. Depois de duas semanas de testes (lendo em média entre 45 minutos e 1 hora, alternando esse tempo a cada dia, para mais ou para menos), o produto ainda conta com 40% de bateria. A autonomia de bateria prometida pela Kobo é de até dois meses de uso (com um perfil de uso de 30 minutos de leitura diária), e tudo indica que ele cumpre o que promete. Mesmo com o sistema de iluminação de tela ativo, a autonomia de uso é plenamente satisfatória. E, se levarmos em conta que você eventualmente pode adicionar novos livros ou documentos pela própria porta micro USB (deixando o dispositivo conectado ao computador), a conclusão que chego é que é quase impossível que esse eReader deixe você na mão em uma viagem, ou em turnos muito longos sem uma recarga.

Desempenho

DSC07661 Alguns usuários mais exigentes vão afirmar que o desempenho do Kobo Aura HD é “decepcionante”, principalmente se comparado aos tablets. Mas vale a pena lembrar que o objetivo do produto não é ser necessariamente potente, e sim, funcional. Ele precisa ter um desempenho bom o suficiente para desenvolver a sua principal funcionalidade: reprodução de livros eletrônicos. Dito isso, o Kobo Aura HD tem um desempenho similar aos demais modelos de eReaders que já testei. É um pouco mais ágil por contar com alguns recursos adicionais, como por exemplo a reprodução de imagens e um navegador de internet integrado. Mas não se distancia muito dos demais modelos, o que não é uma má notícia. É sinal que ele se apresenta como uma opção muito interessante para a maioria dos fãs de livros. DSC07659 Com recursos pensados para uma melhor experiência de leitura, o modelo exerce sem maiores engasgos as suas funções. Talvez choque um pouco a transição de tela, mas mais uma vez é preciso levar em consideração as suas características, principalmente a sua tela com tinta eletrônica. Logo, é preciso colocar em consideração que, dentro de sua perspectiva de lidar da forma mais prática com os arquivos digitais de texto (que é a sua prioridade), o seu desempenho é considerado muito bom.

Conclusão

DSC07814 O eReader Kobo Aura HD está APROVADO. É um produto que cumpre o seu papel de oferecer uma leitor de livros eletrônicos prático e funcional, feito para os leitores convictos. Se você é um leitor ocasional, pode muito bem se virar com um tablet. Agora, se você carrega dentro de si o hábito de leitura, e faz disso parte importante de sua vida (lendo, pelo menos, uma hora por dia, pelo prazer de ler), eu recomendo o investimento. Até porque um tablet tende mais a atrapalhar do que ajudar você a se concentrar no hábito de ler. Afinal de contas, são menções no Twitter e no Facebook, alerta de e-mails e do WhatsApp, e aquele desejo irresistível de jogar Angry Birds ou Subway Surfers são obstáculos para você ler aquele livro que você tem armazenado no dispositivo.

Review em Vídeo

 

Sony Reader PRS-T3 aparece antes do tempo na FCC dos EUA

by

sonyreader-1372282810.jpg.pagespeed.ce.t5webqjDCC

Apareceu na FCC dos Estados Unidos (o equivalente da Anatel no Brasil) imagens do Sony Reader PRS-T3, uma atualização do modelo PRS-T2, que também apareceu na FCC nesse mesmo período do ano passado, chegando ao mercado poucas semanas depois.

Por enquanto, poucas informações são reveladas sobre o novo e-reader da Sony. O que sabemos é que o produto conta com uma bateria de 3.6 Wh e conectividade Wi-Fi 802.11 b/g/n. O pessoal do site The Digital Reader foi o responsável pelas imagens publicadas, que mostram melhor como o produto pode ser no seu visual final.

Resumindo: o Sony Reader PRS-T3 deve ser anunciado em muito breve, ficando disponível para compra no mercado internacional. Não sabemos se esse produto vai chegar ao Brasil algum dia, mas vamos ficar na torcida.

Via FCC
Via The Digital Reader

Edição limitada do eReader Kobo Aura HD é anunciada

by

koboaurahd

A Kobo anunciou ontem (15) o lançamento da edição limitada do seu eReader Kobo Aura HD E Ink. O modelo com tela de 6.8 polegadas é considerado o leitor de livros eletrônicos com maior resolução disponível no mercado, e tem previsão de chegada para o Brasil para os meses de junho e julho. Ainda não tem preço ou data de lançamento definidos para o nosso mercado.

O produto estará disponível nas cores Ivory, Espresso e Onyx. Segundo a Kobo, essa edição especial do Aura HD reforça o conceito do produto ser pensado para os apaixonados por livros, e que essa é a homenagem deles para esses clientes.

A tela de 6.8 polegadas do Kobo Aura HD conta com 251 dpi, além da tecnologia Pearl E Ink, que oferece uma superfície de leitura 30% maior, além de uma experiência de leitura mais próxima do aspecto visual que o papel oferece. O produto ainda conta com um processador de 1 GHz, e segundo a Kobo, faz com que o Aura HD seja o eReader mais rápido do mercado (25% mais rápido que o seu principal concorrente).

O Kobo Aura HD ainda possui uma capacidade de armazenamento de 4 GB (expansíveis via slot para cartões de memória para até 32 GB), dedicados ao armazenamento de livros eletrônicos, e uma bateria com autonomia prometida para até dois meses de uso. O produto inclui também a conectividade Wi-Fi para acesso à loja de livros eletrônicos da empresa, e o produto possui um ajuste de até 24 tamanhos diferentes de suas dez fontes disponíveis.

Para saber mais sobre o Kobo Aura HD, visite www.kobo.com/koboauraHD.

Conheça um pouco melhor o Kobo Touch, o e-reader da Livraria Cultura

by

Nessa semana (19), o Kindle, o leitor digital da Amazon, chegou ao mercado brasileiro. Mas ele não é a única novidade a desembarcar no Brasil no segmento de leitores de livros eletrônicos. No começo de dezembro, a Livraria Cultura trouxe ao Brasil o Kobo Touch, que é mais uma alternativa para um mercado em expansão. Nesse post, vamos mostrar o produto com um pouco mais de detalhes.

O Kobo Touch é fruto de uma parceria entre a fabricante e a editora brasileira, e chega com a premissa que o usuário seja dono dos seus livros, garantindo uma maior liberdade de escolha. Na prática, os livros comprados pelo usuário na Livraria Cultura ficam com o usuário, mesmo que no futuro ele migre para uma plataforma diferente (como o Kindle), ou que use outro equipamento. Esse conceito está diretamente alinhado com a tendência de portabilidade, que todo usuário de gadgets possui.

O Kobo também conta com o Reading Life, que permite ao usuário acompanhar o histórico de textos lidos, ganhando medalhas de acordo com as atividades realizadas no dispositivo. Através da tecnologia Pusle, o Kobo permite a interatividade direta com a leitura, obtendo estatísticas e dados adicionais, como quantos livros foram lidos pelo usuário, quantas páginas foram viradas, controle da velocidade de leitura, entre outras estatísticas.

Ao abrir o livro no device, o leitor tem a possibilidade de compartilhar nas redes sociais parte do conteúdo e também suas passagens favoritas. Essa é uma evolução na forma de montar seu próprio clube do livro, interagindo com outros leitores no Facebook e Twitter.

Sua tela possui tecnologia e-ink, não contando com reflexos e com um resultado final que se assemelha com um o resultado final de texto visto em um papel.

O preço do Kobo no Brasil é de R$ 399, podendo ser parcelado em até 5 vezes sem juros em todas as unidades da Livraria Cultura, ou pela página oficial da Livraria Cultura na internet.

Especificações: Kobo e-reader

  • Cores: preta e branca
  • Cor de fundo: preto, prata, lilás, azul e branco
  • Tamanho: 114mm X 165mm
  • Espessura: 10 mm
  • Peso: 185g
  • Memória: 2GB (*)
  • Expansão de memória: Cartão de Memória SD de 32 GB
  • Conectividade: USB e Wi Fi
  • Bateria: 1 mês (**)
  • Formatos de leitura: Livros: EPUB, PDF e MOBI / Documentos: PDF / Imagens: JPEG, GIF, PNG, BMP e TIFF / Texto:  TXT, HTML e RTF / Comics: CBZ e CBR
  • Fontes: 7 estilos de fontes e 24 tamanhos de corpo


(*) 1 GB comporta mil títulos
(**) Depende do uso

Livraria Cultura fecha parceria com a Kobo, para lançar leitor eletrônico no Brasil mais barato que o Kindle

by

A Livraria Cultura vai mesmo entrar na briga do mercado nacional de livros eletrônicos no Brasil. A empresa anunciou ontem (13) uma parceria com a fabricante canadense de eReaders Kobo, para oferecer novos dispositivos compatíveis com os livros eletrônicos, assim como novos títulos para aumentar o acervo compatível com os leitores eletrônicos.

A ideia é vender no Brasil pelo menos quatro modelos de eReader da Kobo. Um desses dispositivos seria um tablet com sistema operacional Android, o que seria uma opção mais completa que os eReaders propostos, para quem deseja uma experiência de uso mais completa, como por exemplo, a visualização de vídeos, navegação na internet, e execução de jogos simples. O primeiro modelo a chegar no Brasil será o Kobo Touch, que deve ser lançado no final do mês de outubro. Os preços em território nacional não foram revelados, mas a Livraria Cultura promete ser agressiva no valor dos dispositivos. Lá fora, o Kobo Touch custa US$ 99. Um Kindle, vendido pelo site da Amazon nos Estados Unidos, custa no Brasil cerca de R$ 450, com todos os impostos pagos.

Ser agressivo nos preços dos produtos tem um motivo. A Livraria Cultura já tem ciência que, nesse mercado, não se obtém lucros na venda de eReaders, e sim, nas vendas dos títulos compatíveis com o produto. A parceria entre a Cultura e a Kobo fará com que o acervo digital para esse produto salte de 330 mil títulos para 3 milhões. A má notícia é que apenas 15 mil títulos desse acervo estão em portiguês.

Por outro lado, os executivos da Cultura acreditam que a parceria deve incentivar as editoras brasileiras a lançarem livros no formato digital, além de oferecer um espaço para que escritores independentes possam publicar as suas obras (esse recurso no Brasil ainda está em fase de planejamento, não estando disponível de imediato). De qualquer forma, é uma opção, é uma alternativa, e ter alternativas é sempre algo muito bom. Ficamos na torcida para que ao menos dê certo. Se vai derrotar a Amazon, não sabemos. Mas que ao menos aqueça o mercado de eReaders e livros digitais no Brasil. Isso já seria uma grande coisa.

Valeu pela dica, @sirofa!

Via Estadão

Kobo anuncia três novos e-readers: Glo ComfortLight, Arc e Mini

by

Como se fosse uma simples casualidade (e não é), a Kobo decidiu anunciar ontem (06… isso mesmo, no mesmo dia do lançamento dos novos produtos da Amazon) três novos e-readers, nos modelos Glo ComfortLight, Arc e Mini. Bom, talvez pela “casualidade” que estamos publicando essa novidade só hoje, e a da Amazon, durante o dia de ontem.

Começamos pelo Glo ComfortLight (foto acima), um modelo com tela E Ink de 6 polegadas com tecnologia de iluminação própria da empresa, que bate de frente com o Nook SimpleTouch com GlowLight da Barnes&Noble. Sua resolução é de 1024 x 768, oferece 16 tons de cinza e vem com um processador Freescale de 1 GHz e WiFi, além de incluir 2 GB de armazenamento e slot para cartões microSD para expandir a sua memória de armazenamento para até 32 GB.

Sobre sua bateria, ele possui autonomia para até um mês de uso, e suas dimensões ficam em 157.4 x 114.3 x 9.9 mm. Seu preço é de US$ 130, e estará disponível no mês de outubro, em quatro cores (preto, azul, rosa e prata).

O próximo é o Kobo Arc (foto acima), um equipamento com tela IPS de 7 polegadas e processador Texas OMAP 4470 de 1.5 GHz, com 1 GB de RAM, que tem mais cara de tablet do que de e-book. O dispositivo conta com sistema operacional Android 4.0 (Ice Cream Sandwich) com acesso ao Google Play, conectividade WiFi e autonomia de uso de até 10 horas seguidas de leitura ou reprodução de vídeos, ou até duas semanas em standby. Chega ao mercado em novembro, em duas versões (8 GB, por US$ 200, e 16 GB, por US$ 250), nas cores branco ou preto, com carcaça traseira intercambiável.

Por fim, apresentamos o Kobo Mini (acima), o menor e-reader do mercado (segundo os seus fabricantes), com sua tela de 5 polegadas e medidas de 133 x 127 x 10.4 mm, com um peso de 134 gramas. Esse leitor oferece 2 GB de armazenamento interno, conectividade WiFi e processador de 800 MHz. Sua autonomia de uso é de duas semanas e o seu preço é de apenas US$ 80. É um valor interessante, mesmo não podendo comprovar a qualidade do produto. Disponível nas cores branco ou preto, sua carcaça é do tipo intercambiável, e deve ser visto nas lojas no começo de outubro.

Via PRNewsWire

Novos serviços da Amazon: X-Ray, Kindle FreeTime, Whispersync e Kindle Serials

by

Para acompanhar os novos modelos de tablets e e-readers, a Amazon anunciou uma série de novos serviços, que vão complementar a proposta desses produtos, oferecendo ainda mais entretenimento e produtividade, para diferentes segmentos. Falamos dos serviços  X-Ray, Kindle FreeTime, Whispersync e Kindle Serials.

Começamos pelo X-Ray, que está dividido em dois segmentos: X-Ray for Movies e X-Ray for Textbooks, que em resumo, são sistemas que exibem informações adicionais e de fácil compreensão sobre filmes e livros educativos. No caso do X-Ray for Movies, o serviço trabalha com uma associação com a base de dados do IMDB.com, o que permite a exibição de nomes, biografias e fotos de atores com um simples pausar do filme na tela, e alguns simples cliques.

Já o X-Ray for Textbooks funciona de forma similar ao X-Ray for Books, mas permitindo ver informações adicionais à aquilo que está disponível na tela. Por exemplo, o serviço mostra um glossário de termos, um atalho para a Wikipédia, ou um link para o YouTube, de acordo com as configurações do livro.

Já o Kindle Fire FreeTime é uma espécie de modo especial para as crianças poderem desfrutar dos novos tablets em um ambiente considerado o mais seguro possível. Entre outros detalhes, a plataforma permite a criação de vários perfis dentro de um mesmo dispositivo, para poder gerenciar exatamente aquilo que os seus filhos devem acessar, e por quanto tempo.

Esses filtros estarão separados em função do tipo de conteúdo, e contam com a particularidade que até podem mudar a cor do fundo entre preto e azul, para que o adulto que está supervisionando possa se dar conta rapidamente se a criança conseguiu acessar algum conteúdo não autorizado.

A seguir, temos o Whispersync for Voice, que é uma tecnologia que sincroniza livros falados com livros digitais, e que permite que continue a leitura a partir de qualquer um dos dois métodos. Ou seja, você pode escutar o livro no seu carro, e continuar a ler o livro que estava escutando quando chegar em casa (vale lembrar que a Amazon é dona do Audible).

E isso não é tudo. A Amazon também anunciou o Whispersync for Games, que vai permitir a gravação do progresso dos seus jogos na nuvem. Ou seja, você pode jogar Angry Birds em um dispositivo, salvar o progresso, retomar do ponto onde parou em outro, e por aí vai.

Por fim, o Kindle Serials, que é uma forma de comprar novas publicações de uma forma contínua. Você paga uma vez, e recebe todos os números que vão aparecendo, indexando-se um atrás do outro para seu consumo. Por enquanto, só há oito títulos disponíveis no acervo, mas a Amazon promete expandir esse conteúdo em breve. cada episódio vai custar US$ 1.99, de modo que será perfeito para os amantes da leitura em pequenas doses, e também para esses escritores que não podem esperar muito para ter finalizado o seu livro.

Via Engadget

Novos produtos Kindle da Amazon são vistos em um anúncio de TV (com vídeo)

by

Parece que a Amazon quis acalmar um poco os nervos de alguns em torno do seu evento de hoje (ou colocar esses mesmos nervos à flor da pele, quem sabe). E a melhor forma de se fazer isso é colocar um comercial na televisão norte-americana, durante o jogo inaugural do campeonato de futebol americano da NFL, onde é possível ver alguns dos seus novos dispositivos na propaganda.

Bom, ao menos é isso que o vídeo abaixo deixa transparecer, onde é possível apreciar a propaganda de um Kindle com tela E Ink sensível ao toque e retroiluminada com uma carcaça negra, e de um possível novo tablet com uma tela maior (talvez de 10 polegadas?) do que a que conhecemos agora, que é de 7 polegadas.

Nada mais podemos concluir sobre o anúncio divulgado ontem (05), exceto o desejo que a Amazon tem em atrair os holofotes para o seu evento, de modo que o melhor que você pode fazer para começar bem o seu dia é ver o vídeo abaixo e esperar que, daqui a algumas horas, nós aqui do TargetHD revelemos todos os detalhes dos novos produtos. Por enquanto, é só ativar o play na janela abaixo.

Via The Verge

Wolder miBuk STYLE, o “peso pluma” dos e-readers

by

Você pode não se lembrar do bom myTab da Wolder, mas saiba que a empresa espanhola se destaca na Europa novamente, dessa vez com um e-reader, o miBuk STYLE, que chega com a credencial de ser “o e-book reader mais leve do mercado”.

Como acontece normalmente com esse tipo de “recordes”, não dá para colocar a mão no fogo para garantir isso, mas não deixamos de reconhecer que ao menos um dos mais leves, isso ele é, pois pesa apenas 158 gramas. Além dessa particularidade, temos um leitor eletrônico que cabe praticamente na palma da mão (sua tela e-ink é de 6 polegadas), oferecendo 16 níveis de tons de cinza, e autonomia de leitura para 10 mil páginas.

O miBuk oferece suporte para formatos variados, como EPUB, PDF, HTML OU TXT, entre outros, além de reproduzir MP3 e escolher tipos de letra, tamanho e orientação de leitura, assim como realizar buscas de textos e marcar aquelas páginas que são de seu interesse. O modelo vem com 1.000 obras literárias pré-carregadas, como “Les Miserables” e “Guerra e Paz”, apenas para citar dois exemplos.

O modelo chega ao mercado europeu pelo preço de 99 euros.

Via Engadget

iBooks 2: a plataforma da Apple que pretende “reinventar” o livro tradicional

by

A Apple anunciou de forma oficial o iBook 2, que segundo a descrição da empresa, é “a reinvenção do livro” tal e como o conhecemos. Quase 1 milhão e meio de iPads são utilizados para fins educacionais, e sua loja de conteúdos já conta com aproximadamente 20 mil aplicativos com fins didáticos. Logo, nada melhor do que aproveitar todo esse potencial.

Roger Rosner catalogou esse novo aplicativo com uma experiência que, segundo ele, um livro convencional não pode competir, uma vez que não só proporciona ao leitor a possibilidade de buscar a informação, mas também de complementar a leitura com animações 3D ou definições atualizadas em tempo real.

A leitura pode ser feita nas orientações horizontal ou vertical, e também há locais para anotações ou questionários, para reforçar o aprendizado. As primeiras editoras que apostam no iBooks 2 são: Pearson, McGraw Hill e Houghton Mifflin Harcourt, que oferecem alguns volumes ou capítulos de suas obras de presente para atrair os curiosos.

O aplicativo estará disponível gratuitamente, mas cada livro vai custar aproximadamente US$ 15 “ou menos”.

Via Engadget

AUO mostra o seu protótipo de papel eletrônico flexível, a base de energia solar

by

Se você se preocupa com o crescimento dos e-readers, e com a necessidade de ter que encontrar uma tomada acessível em qualquer lugar, é porque voc~e ainda não viu esse novo protótipo de papel eletrônico da AU Optronics. A empresa parece estar empenhada em reduzir o leitor de livros digitais que conhecemos a uma espessura mínima, transformando o produto em uma espécie de folha enrolável, fabricada com uma tela TFT orgânica de 6 polegadas, com 800 x 600 pixels de resolução, espessura de 0.127 mm e taxa de refresh de 50 Hz.

Por causa de sua baixa espessura, seus desenvolvedores adicionaram uma bateria de apenas 10 gramas do produto, que se encarregará de transformar a luz solar ou artificial em energia par ao dispositivo, para que você possa se esquecer da tomada de uma vez por todas.

A única desvantagem? Ele não é maleável o suficiente para que você dobre o produto em forma de avião, como fazemos com o nosso jornal (bom, alguns de nós fazem).

via Engadget

Amazon apresenta um novo modelo do Kindle, com preço de US$ 79

by

O terceiro lançamento da Amazon no dia de hoje é de um novo modelo de Kindle, diferente do Kindle Touch, e diferente do modelo antigo do Kindle, já que não conta com um teclado físico na sua estrutura.

O objetivo desse modelo de Kindle é ser uma opção mais barata para o consumidor, tanto que o modelo tem preço de apenas US$ 79. O produto já está disponível para compra na Amazon, e de modo internacional, e representa um corte de preço interessante, já que o modelo anterior custava US$ 114. Em contrapartida, esse e-reader conta com um modelo de publicidade integrada aos conteúdos apresentados, que estará ativo apenas no modelo vendido nos Estados Unidos. As propagandas aparecerão na tela de modo não intrusiva, nos momentos onde você não está lendo algum livro. A versão sem publicidade custa US$ 109, e será esta que será distribuída ao redor do planeta.

via Amazon

Pandigital apresenta três novos tablets Android: Nova, Planet e Star

by

A Pandigital tornou oficial o lançamento de três novos tablets. Os modelos Nova, Planet e Star (foto acima) contam com um processador Cortex A9, conexão WiFi e interface HDMI, com tela de 7″ (800 x 600 no Nova e Planet, e 800 x 480 para o Star), e rodam sistema operacional Android Froyo (Planet e Star) e Android Gingerbeard (Nova). Todos os modelos contam com a eBookStore da Barnes & Noble, além do acesso ao GetJar como loja de aplicativos.

O Pandigital Nova (foto acima) tem preço de US$ 170. O Planet (foto abaixo) custa US$ 189. Esses dois modelos já estarão disponíveis no mercado dos Estados Unidos a partir desse fim de semana, e o Star só será lançado no meio do mês de agosto, por US$ 159.

via Pandigital (Nova, Planet e Star)