Sony S20A: um smartphone que não faz o menor sentido!

Compartilhe

A TENAA, entidade certificadora de dispositivos eletrônicos na Ásia, recebeu um novo dispositivo chamado Sony S20A. E o produto é tão diferente do convencional, que deixa mais perguntas do que respostas.

Dá para se duvidar que isso seja verdade, e pode ser uma pegadinha da própria TENAA para o primeiro de abril. Os dados localizados pelo registro da entidade abrem todos os tipos de suspeitas possíveis, pois estamos falando de um smartphone assinado pela Sony Ericsson (cuja parceria comercial se encerrou há muito tempo) e conta com especificações que não fazem muito sentido para um mundo de telefonia móvel de 2020.

 

 

 

Especificações técnicas simplesmente desconcertantes

 

 

O Sony S20A conta com tela de 5.45 polegadas (480 x 960 pixels, 256 cores), até 6 GB de RAM e sistema operacional Android 6.0. O modelo ainda conta com câmera traseira tripla e aparência de telefone reforçado.

Que negócio é esse?

Bom, vamos dar algumas respostas, dentro do que é possível responder diante de tão desconcertantes características técnicas.

Para começo de conversa, é preciso deixar bem claro que os smartphones da Sony Ericsson seguem bem vivos na China, apesar da parceria comercial entre as duas empresas não mais existir nos principais mercados globais. O TENAA tem uma lista onde essa parceria lança vários smartphones no país a cada ano, como por exemplo o Sony Ericsson SA-Z8, um feature phone em forma de concha.

Dito isso, vamos tentar decifrar o mistério dessas especificações técnicas. A confusão acontece principalmente porque algumas características do telefone são mais típicas de um smartphone de 2014, enquanto que outras estão mais próximas de nossa realidade técnica de 2020.

Entre os itens mais modestos dentro dessa folha de especificações técnicas, encontramos um processador quad-core a 1.3 GHz, tela TFT de 5.45 polegadas (480 x 960 pixels, 256 cores… e eu estou escrevendo isso de novo porque eu não consigo acreditar nesses números…), câmeras de 5 MP e 2 MP e o já citado sistema operacional Android 6.0. Seu tamanho é relativamente compacto (150,8 x 72,8 x 12,5 mm), mas não se engane pelas aparências: esse é um smartphone bem pesado, com 215 gramas.

Já outros detalhes estão mais aproximados com o que normalmente encontramos em um smarpthone de linha média de 2020, como a generosa bateria de 4.000 mAh nas versões com 3, 4 e 6 GB de RAM, e o seu armazenamento tem versões com 32, 64 ou 128 GB, com suporte para as chamadas redes VoLTE. E suas cores são igualmente chamativas: ouro branco, preto e azul.

Infelizmente, as fotos não deixam claro o que pode ter acontecido aqui. Podemos ver a câmera traseira de três lentes, e o smartphone parece ter uma aparência de dispositivo reforçado, muito utilizado em ambientes extremos, cenários de esportes de aventura e na construção civil. E isso explica algumas de suas escolhas, que só estão lá para constar, ou para que o produto seja chamado de telefone de alguma forma.

Muitas dúvidas. A única certeza é que este é um dos smartphones mais raros que vimos nos últimos tempos. E eu não me lembro em ter visto algo tão peculiar na minha frente ao longo e todos esses anos escrevendo sobre tecnologia.

 

 

Via GSMArena


Compartilhe