A Sony anunciou os primeiros detalhes oficiais do PS5 em uma coletiva de imprensa em Tóquio (Japão), onde a empresa antecipou a sua estratégia corporativa para 2019-2020. É a primeira vez que a empresa fala publicamente sobre a próxima geração do seu console, e faz isso fora da E3, mostrando a importância que a divisão de jogos e entretenimento tem para a Sony nesse momento.

O PS5 (ou como ele será chamado no futuro, pois o nome comercial ainda não foi confirmado) será oito vezes mais rápido que o PS4 Pro, segundo promessa da Sony. Um vídeo exibido no evento de imprensa mostra um comparativo do tempo de carga de jogo entre os dois consoles.

De qualquer forma, a Sony afirma que o PS5 será muito mais potente que a atual geração de consoles, com um “dramático aumento no seu potencial gráfico, e uma significativa maior capacidade de processamento”. Não foram revelados detalhes sobre o hardware ou design do console, algo que já era esperado.

 

 

A nuvem e o 5G serão fundamentais para o PS5

 

O PS5 será um console “baseado na nuvem”, algo que já era dado como certo depois do anúncio da surpreendente parceria entre Sony e Microsoft para aproveitar a infraestrutura do Azure para streaming de jogos.

O PS5 vai oferecer “uma experiência de jogo de imersão total e sem interrupções, a qualquer momento, em qualquer lugar, sem desconexões”, aproveitando o potencial da nuvem e das redes 5G. No caso do PS5, isso se traduz em poder utilizar um dispositivo remoto para jogar os games da plataforma da Sony, como um smartphone ou tablet.

Ainda que a Sony domine de forma ampla as vendas da atual geração de consoles, está bem claro que o PS5 estará preparado para a grande revolução que virá com os serviços de streaming de videogames. E ele não está sozinho. O jogo na nuvem será uma das grandes novidades na próxima geração de consoles, e com certeza o Xbox Scarlett e o futuro Nintendo Switch também contarão com essa característica.

 

 

Nesse sentido, vale a pena comentar um rumor bem interessante que chegou à internet nos últimos dias, que fala de supostas negociações entre Nintendo e Microsoft para utilizar o Azure como base para o jogo na nuvem. Seria bem curioso ver uma parceria entre Sony, Microsoft e Nintendo nesse sentido. As três sabem que “os inimigos estão la fora”, e são aquelas empresas que reclamam a sua fatia do mercado de jogos com os seus serviços de streaming: Google, Amazon e Apple.

 

 

Via Yahoo!