Muita gente considera o Galaxy S9 uma espécie de Galaxy S8s. É um ótimo smartphone, mas mantém o mesmo design, com poucas adições e alterações. E com o destaque de ter a ousadia de NÃO colocar um notch na tela.

Tais elementos contribuíram para as vendas fracas do Galaxy S9, mas não foram os únicos. As diversas marcas chinesas que povoam o mercado também canibalizaram as vendas do smartphone top de linha da Samsung.

Mais do que isso: alguns desses fabricantes chineses experimentam tecnologias inovadoras, como leitor de digitais na tela e câmeras frontais ocultas, e isso agrega valor aos seus dispositivos.

OK. Aparentemente, a Samsung vai fazer alguma coisa para combater isso.

A principal medida é promover mudanças nos smartphones de entrada e linha média para obter mais lucros. A primeira decisão passa por descontinuar a linha de entrada, a série J, onde a ideia é fundir as séries J e A.

O movimento pode funcionar. A Samsung pode ser mais competitiva contra fabricantes como Xiaomi, Meizu e Vivo, que contam com modelos e preços muito melhores que os dispositivos da série J.

Outras medidas centradas para o mercado chinês, como a mudança da linha Galaxy On para Galaxy M também são estudadas.

No Brasil, talvez a série J não venha a desaparecer, pois ela é muito popular nas vendas. Por outro lado, seria muito interessante ver a série A se consolidar com preços mais baratos. Mas acho isso muito difícil, pois não é o perfil de valores para dispositivos da Samsung por aqui.

De qualquer forma, se tudo isso realmente acontecer, é uma mostra que a Samsung está disposta a ir pra cima da Xiaomi e de todo o squad chinês de smartphones.

Parece que FINALMENTE a Samsung aprendeu com a Apple, reconhecendo que o mais importante não é vender mais unidades, mas sim obter o maior lucro possível com cada unidade vendida, mesmo que em menor volume de vendas.

Isso mesmo. A velha regra do “às vezes, menos é mais”.