Compartilhe

Não dá para tapar o sol com a peneira. Todo mundo sabe que as pessoas estão consumindo mais conteúdos de entretenimento pela internet, e este é um caminho sem volta. E a impressão clara que fica é que aquelas empresas que não se adaptarem a este movimento de mudança vão simplesmente ficar para trás.

De alguma forma, as mudanças de comportamento e visão de negócios por parte das operadoras de TV por assinatura estão ficando cada vez mais evidentes, e as iniciativas apontam para uma mudança de foco, proposta e oferta do produto. Não dá para limitar o assinante às condições do passado. As pessoas não aceitam mais assistir TV paga apenas em casa, muito menos dentro do formato fechado e tradicional.

Pois bem, uma das operadoras de TV por assinatura que tem papel de liderança e protagonismo no setor optou por movimentos ousados para acompanhar esse movimento de mudança e, ao que tudo indica, está se dando bem com isso. A SKY decidiu diversificar a sua oferta de serviços e alternativas para o consumo dos seus canais e conteúdos, e o resultado disso é o desenvolvimento de um modelo de negócio que está se tornando cada vez mais sustentável.

 

 

 

SKY Play tem tudo para ser o futuro da SKY

 

 

Não dá para afirmar como será o futuro da TV por assinatura no Brasil, mas é inegável que esse futuro passa de forma quase inevitável pelas vias do streaming e da oferta de conteúdos on demand. Esses dois formatos já estão incorporados pelos espectadores, e em algum momento as empresas que estão no setor terão que abraçar essa proposta.

A SKY decidiu abraçar o novo e se adaptar aos novos formatos antes que a mudança se tornasse obrigatória. E a operadora investe cada vez mais na proposta do SKY Play, que não apenas exibe via internet os canais que já estão disponíveis no pacote do assinante, como também oferece um enorme acervo de filmes em formato digital que podem ser alugados pela internet, de forma simples e descomplicada.

E isso tem tudo para ser um formato de negócio sustentável para a operadora.

 

 

Nessa proposta, os assinantes da SKY podem alugar os filmes que acabaram de sair dos cinemas, o que ofereceu para a operadora a vantagem de entregar para os usuários mais pacientes aquele filme que não deu tempo de ir até os cinemas quando a janela de exibição nas salas era mais curta.

Além disso, os canais decidiram atuar como parceiras da operadora, disponibilizando não apenas os canais ao vivo, mas também os seus conteúdos que poderiam ser alugados pela plataforma. Ou seja, os assinantes da SKY contam com duas maneiras para assistir a vários dos filmes disponíveis dentro desse enorme catálogo: ou através do sinal da TV tradicional, ou no formato sob demanda, a qualquer momento, alugando aquele filme.

Sem falar que o SKY Play também oferece de tempos em tempos a liberação de canais de diferentes pacotes, disponibilizar séries e filmes da grade de programação e títulos exclusivos. É uma das mecânicas que permite que a operadora de TV por assinatura possa concorrer com serviços de streaming como a Netflix, diversificando a programação por diferentes frentes.

Essa dinâmica permitiu que a série britânica War of the Worlds estreasse antes no Brasil, e de forma exclusiva. Os assinantes da SKY conseguiram assistir a série antes que ela chegasse a outras plataformas ou em qualquer canal de TV paga no Brasil.

Para ilustrar melhor as visões da SKY sobre o tema, o site Minha Operadora fez uma entrevista exclusiva com Gustavo Fonseca, vice-presidente de marketing e estratégia da empresa. Vale a pena conferir o que o executivo tem a dizer.


Compartilhe