A Samsung não vai mais comercializar novos reprodutores de Blu-ray 4K nos Estados Unidos, em resposta à tendência de queda nas vendas de discos óticos para distribuição de conteúdo multimídia.

A empresa apresentou o primeiro Blu-ray Player do mercado há 13 anos, e agora confirma que deixa esse mercado nos Estados Unidos, sem planos de lançamento de hardware em um futuro próximo, além de limitar a produção do modelo 1080p, que ainda está disponível no mercado.

A Samsung só acompanha a decisão de outras empresas que abandonaram o formato imposto pela Sony, que derrotou a Toshiba e o seu HD-DVD. Venceu a batalha, mas perdeu a guerra, pois a adoção por parte do consumidor ao redor do mundo foi medíocre, mesmo com reprodutores do formato presente nos videogames ou com a chegada de formatos com qualidade superior, como o Ultra HD Blu-ray, que oferece conteúdos em 4K (4096 x 2160 pixels).

O Blu-ray representa hoje apenas 5.3% das vendas de discos óticos nos EUA, muito abaixo dos 57.9% do DVD. E ambos estão em decadência.

 

 

As mídias óticas estão mortas?

A chegada do CD-ROM na década de 80 representou um impressionante salto na indústria do armazenamento, limitada pelo disquete (que hoje simplesmente não existe). O formato evoluiu para o CD gravável e regravável (CD-R/CD-RW) que foram muito utilizados no passado. Hoje, é mais um decadente, incluindo o CD Audio para música.

Na parte de vídeo, o DVD nasceu em 1996, e ofereceu melhorias espetaculares na qualidade de imagem e som em relação ao VHS. Em um cenário parecido, o Blu-ray nasceu em 2003, e tinha o mesmo objetivo: ser uma alternativa de maior qualidade em relação ao DVD. O Blu-ray se impôs no segmento de alta definição, mas ficou bem longe do sucesso alcançado pelo DVD na sua época.

Até hoje a adoção do Blu-ray foi mínima, e o futuro se apresenta cada vez mais sombrio para qualquer formato de disco ótico, independente da mídia escolhida. E o “culpado” é o streaming, que está se impondo como o formato de distribuição de conteúdos multimídia preferido entre os usuários.

Sony, Panasonic ou Pioneer ainda comercializam reprodutores de Blu-ray, e o formato ainda tem os seus clientes. Mas esses clientes são uma grande minoria, que devem se tornar uma raridade em um futuro a médio prazo.

 

Via Forbes