O Banco Central suspendeu as atividades comerciais do Banco Neon S.A. Com a liquidação extrajudicial do banco, ele foi retirado do sistema financeiro nacional.

O BC concluiu que o Banco Neon estava com sua situação econômico-financeira comprometida, além de violar normas legais e regulamentares. Enquanto a investigação do órgão gestor da rede bancária brasileira acontecer, os responsáveis pelo banco (incluindo ex-administradores) estão com os seus bens bloqueados.

O Banco Neon se destacava por oferecer uma conta corrente sem mensalidade, com gerenciamento de transações eletrônicas via aplicativo para smartphone (que, nesse momento, não realiza tais transações “para melhorias”) e saques em dinheiro via cartão de débito, que ainda estão permitidos, uma vez que a Neon Pagamentos ainda não passou por uma liquidação extrajudicial.

A notícia pegou todo mundo de surpresa, ainda mais depois que o próprio Banco Neon anunciou ontem (3) um aporte financeiro de R$ 72 milhões (talvez já prevendo a execução publicada hoje). Recentemente, o banco lançou um cartão de crédito sem anuidade.

Por outro lado, o banco registrou em 2017 um prejuízo de R$ 2.756 milhões.

O Banco Neon foi criado em 2016, e é fruto de uma joint venture envolvendo a startup Controly e o Banco Pottencial, esse último denunciado em 2010 pelo Ministério Público Federal por crimes contra o sistema financeiro (seus diretores foram acusados de registrar ativos fictícios para maquiar a conta problemática do banco) e colocado à venda em 2017.

Resumo da ópera: #RIP Banco Neon.

 

Via Banco Central, @BancoCentralBR, Folha de São Paulo