Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Análises e Reviews | Review | LG OLED C1 (LG OLED55C1)

Review | LG OLED C1 (LG OLED55C1)

Compartilhe

Chegou a hora, amigo leitor!

Aqui está o motivo que me fez escrever um review completo sobre a LG NanoCell 49NANO81SNA. Afinal de contas, não é nada normal produzir conteúdo sobre uma Smart TV com quase dois anos de mercado, e algumas pessoas não entenderam a necessidade de produção deste conteúdo. Bom, vá se acostumando, amigo leitor: alguns dos futuros reviews do blog serão surpreendentes.

A nova fase do TargetHD.net vai trazer conteúdos que serão relevantes, de maior qualidade e, em alguns casos, com produtos premium. Como é o caso da Smart TV LG OLED55C1 de 55 polegadas, que neste review será chamada simplesmente de LG OLED C1, já que a grande maioria dos recursos e funcionalidades deste modelo se refletem nas TVs equivalentes da série com outros tamanhos de tela.

Neste post, vou compartilhar com você as principais características do produto, a minha experiência de uso e, principalmente, se existem muitas diferenças da Smart TV que, até então, era a protagonista da sala do meu apartamento.

Mas… sabe como é… apartamento novo, vida nova… Smart TV nova.

 

 

 

Por que a LG OLED C1 chegou até mim

Em 4 de junho de 2022, eu mudei de apartamento aqui em Florianópolis. Continuo morando no centro da capital catarinense, mas estou em um apartamento maior, em um prédio com uma estrutura melhor, com um escritório dedicado para o meu trabalho e com uma nova perspectiva para a minha vida nesta cidade.

Tudo bem, vou pagar o dobro de aluguel e condomínio. Mas agora eu posso andar descalço em um apartamento todo carpetado, tenho uma área de serviço com uma máquina lava e seca (da LG, que também vai virar review aqui no blog), uma cozinha planejada, um escritório muito bem estruturado (e cheio de armários para guardar as minhas coisas), um quarto amplo e uma qualidade de vida que está muito melhor.

Todas essas mudanças em minha vida me motivaram a realizar um upgrade em alguns dos meus dispositivos eletrônicos. E um desses dispositivos foi essa Smart TV.

Eu estava de olho na LG OLED C1 a algum tempo, e o motivo é o mais óbvio de todos: a tela OLED. Todos os dispositivos que testei com esse tipo de tela (smartphones, smartwatches, etc) me entregaram uma experiência de uso excelente, com uma impecável qualidade de imagem para diferentes tipos de conteúdo.

Para mim, assistir TV é mais do que uma forma de relaxar do estresse do dia a dia ou uma ferramenta para me informar dos assuntos do mundo. Eu encaro o consumo de conteúdo televisivo como um investimento, pois eu realmente gosto de ver filmes, séries, desenhos animados e esportes. E gostaria de contar com a melhor tela para essa atividade, ainda mais agora que o streaming está mandando aqui no novo apartamento.

Outro fator relevante para o investimento na LG OLED C1 é no uso do meu querido Xbox Series S (que também vai virar review no blog, depois de tanto tempo). Em alguns reviews que assisti no YouTube, pude constatar que a tela OLED é a melhor para o uso com os videogames de última geração. Sem falar que essa Smart TV em específica conta com uma taxa de atualização de 120 Hz, o que vai deixar a execução do meu tão amado Forza Horizon 5 ainda mais fluída.

Por fim, apesar de entender que o Tite não faz algumas das escolhas mais coerentes do mundo para a Seleção Brasileira de Futebol Masculino, estamos em um ano de Copa do Mundo. E eu tenho quase certeza que uma das Smart TVs que serão mais procuradas para o investimento do consumidor brasileiro para o principal evento esportivo em 2022 será justamente a LG OLED55C1, que deve estar em um preço mais competitivo nos próximos meses.

Com tudo isso em mente, a LG OLED C1 chegou até mim em um momento em que eu tinha um pouco mais de tempo para utilizar o produto e analisar as suas principais características. E é muito bom poder compartilhar isso com você a partir de agora.

 

 

 

Unboxing e montagem

Eu nem precisava dizer isso aqui, mas uma caixa que abriga uma Smart TV de 55 polegadas é realmente grande.

A LG OLED55C1 veio muito bem acondicionada em sua caixa, que possui um sistema que facilita o desempacotamento do produto. Conforme você vai retirando os itens, a embalagem vai “se desmontando” por conta própria, dispensando também a necessidade de adotar elementos cortantes o tempo todo no processo. E, acredite, a Smart TV dentro dessa caixa vai agradecer (e muito).

Eu moro sozinho (graças a Deus), e isso tem ônus e bônus. Apesar de adorar realizar o processo de unboxing dos produtos que chegam até mim, quando estamos diante de um produto desse tamanho e extremamente delicado, ter um cuidado muito maior é algo fundamental. E confesso que deu um certo medo retirar da caixa uma Smart TV tão grande e tão cara completamente sozinho.

Não tive dúvidas em deixar o orgulho de lado e colocar essa Smart TV na cama do quarto para realizar todo o processo de preparação para deixar o produto em condições de uso. Até porque eu entendo que este é o local mais adequado para deixar a tela apoiada em uma superfície que certamente não vai danificar essa linda tela OLED.

Os itens na caixa estão bem acondicionados e separados pela importância e relevância dos itens. Apesar de algumas peças sugerirem que o processo de montagem seria mais complicado do que em outras TVs da LG que já preparei ao longo dessa vida, não foi isso o que aconteceu na prática. Basta que o usuário segure um pouco a ansiedade e a pressa, leia o manual de instruções com calma e siga essas instruções com atenção.

Ah, sim, claro… se você tiver uma parafusadeira elétrica da Xiaomi como eu tenho, o processo de montagem da base na tela será muito mais simplificado. Você não perde tempo tentando apertar os parafusos até o ponto correto e, na prática, o tempo de montagem dessa TV como um todo não é tão longo, independente do tipo de ferramenta que você vai utilizar.

 

 

 

Primeiras impressões

A LG OLED55C1 deixa uma ótima primeira impressão após o processo de montagem.

Os materiais escolhidos pela LG para a estrutura da base da LG OLED55C1 são de altíssima qualidade, entregando uma sensação de solidez e durabilidade. Você realmente não precisa ficar com medo da tela se soltar da base, pois isso definitivamente não vai acontecer. E entendo que essa Smart TV foi efetivamente preparada para atender as diferentes necessidades físicas dos diferentes perfis de usuário: ela é perfeita para ser colocada em cima de um rack, mas nada impede que a instalação aconteça em uma parede para aproveitar melhor o espaço na sala de sua casa ou apartamento.

O acabamento na cor branca é algo que não vai incomodar aos usuários que preferem os seus gadgets e eletrônicos na cor preta (é o meu caso). Não acredito que a LG OLED C1 vai ficar suja ou encardida com tanta facilidade. Até porque esse tipo de efeito colateral se tornou cada vez menos presente nos produtos de tecnologia em função da própria evolução dos materiais utilizados nos produtos.

Bom, quero dizer… em teoria. Eu não tive a chance de testar o notebook Samsung Galaxy Book Pro pois desisti dele antes de chegar até mim, e um dos motivos para isso foi justamente a cor do produto. Mas isso é tema para outro post.

Uma das curiosidades do design da LG OLED55C1 é que a tela OLED é realmente muito fina, e isso chama a atenção de qualquer pessoa. Aqui, fica claro como esse material tem influência decisiva nas linhas do produto. Não que essas mesmas linhas não pudessem ser adotadas nas TVs com NanoCell da LG. Mas… convenhamos: se todos os produtos contassem com a mesma cara, como os fabricantes teriam argumentos para convencer o consumidor que um dispositivo é diferente de outro.

Por outro lado, se a tela é muito fina, nem toda a tecnologia do mundo fez com que o processo de miniaturização de componentes avançasse a ponto de integrar os demais elementos necessários para o funcionamento da LG OLED55C1 em um espaço tão pequeno como a sua tela. Quem sabe em um futuro (um tanto quanto distante), onde não mais vamos precisar de portas HDMI e conectores USB para o funcionamento dos dispositivos que enviam imagens para a TV.

Até lá, esses componentes são integrados nessa saliência que você vê nas fotos que ilustram esse review. E eu não estou reclamando dessa característica: apenas apresento essa curiosidade como parte da minha experiência com o produto.

Entendo que a LG OLED C1 é atraente do jeito que é, tal e como deveria ser qualquer pessoa. Devemos olhar para humanos e dispositivos de tecnologia por tudo aquilo que ambos carregam por dentro: valores, visões de mundo, personalidade e potencial técnico para exibir conteúdos em 4K com o máximo de fluidez, contraste e nitidez.

 

 

 

A primeira configuração

Quem já é proprietário de uma Smart TV da LG não vai ter muitos problemas para configurar a LG OLED55C1. O processo é bem semelhante com aquele apresentado nas gerações anteriores de TVs da marca, com algumas diferenças pontuais que facilitam o procedimento para os usuários mais leigos.

O webOS, sistema operacional escolhido pela LG para as suas TVs inteligentes, possui um procedimento de primeira configuração que segue o padrão de perguntas e respostas. O usuário é questionado sobre vários detalhes da sua futura relação com o produto, além de analisar de forma imediata todos os dispositivos que já estão conectados nas portas HDMI disponíveis.

Aliás, temos as mesmas quatro portas HDMI, duas portas USB e uma porta Ethernet que normalmente encontramos em telas de grandes dimensões da LG. Quem precisa de mais portas para mais dispositivos vai precisar de um hub ou de outras soluções externas para isso. O que pode não ser um problema para a maioria dos usuários ditos comuns, pois não imagino um consumidor casual com tantos dispositivos para conectar em uma mesma tela.

Por outro lado, este é o tipo de Smart TV que é pensada naqueles que realmente levam o consumo de conteúdo televisivo muito a sério e, por conta disso, tende a ter vários dispositivos conectados na mesma TV. Eu mesmo uso um Xbox (quem sabe um PS5 no futuro), um Blu-ray Player (para os filmes que não converti para formato digital), um Chromecast com Google TV (como plano B para os momentos em que o webOS não me oferece tudo o que eu preciso) e até recentemente um receptor do Claro TV+ Box (em um artigo futuro eu explico por que desisti dele).

Só nessa brincadeira, eu já ocupei as quatro portas HDMI disponíveis. Mas acredito que, em um futuro em que os videogames serão executados diretamente na TV via streaming e a TV por assinatura tal e como conhecemos estará morta e enterrada, até mesmo essas portas para envio de imagens ficarão obsoletas e, com isso, as futuras Smart TVs da LG serão apenas telas ultrafinas coladas na parede da sala dos apartamentos.

Espera… a LG já tem Smart TVs assim. Mas eu não tenho tanto dinheiro para gastar em um produto com essas características.

Voltando para a configuração da LG OLED55C1: recomendo que você deixe todos os seus dispositivos conectados nas portas HDMI ligados antes mesmo de iniciar o primeiro setup, pois a TV vai identificar cada um deles automaticamente, colocando os nomes correspondentes em cada porta conectada e, em alguns casos, ajustando o seu software para que esses dispositivos sejam controlados pelo controle remoto que acompanha a Smart TV.

Tudo isso é feito de forma que até mesmo os usuários mais casuais possam realizar por completo a configuração do produto sem maiores dificuldades. É claro que os usuários mais avançados podem realizar os ajustes manuais e até mesmo preencher os dados de endereço para obter conteúdos personalizados. Mas se o usuário não tem qualquer tipo de conhecimento técnico avançado com este produto de tecnologia, isso não será um impeditivo para concluir a configuração da LG OLED C1.

Essa mesma regra de simplicidade se aplica também na hora de configurar os canais de TV digital aberta. Basta conectar o cabo da antena na porta correspondente antes da primeira ativação da Smart TV, e o webOS faz tudo automaticamente, sintonizando todos os canais disponíveis em sua região.

É claro que é muito importante ter uma boa antena de TV digital para sintonizar o maior número de canais digitais possível e, neste aspecto, recomendo fortemente o uso da Antena Interna Mirror da NEWPRO (que também vai virar review no blog em breve). Ela tem um formato minimalista e prático, e possui uma capacidade de captação realmente impressionante.

E… não… diferente do que alguns podem pensar, ela não vai captar mais de 400 canais digitais de graça. Isso é uma mentira que estão tentando vender para você através de publicidade paga na internet. Saia dessa cilada, mesmo que você não se chame Bino.

Se você é uma pessoa paciente e detalhista, o processo da primeira configuração da LG OLED55C1 pode durar até 30 minutos. E entendo que vale a pena dedicar um bom tempo nesse processo. Esse primeiro contato com o produto é fundamental para a boa experiência de consumo de conteúdo televisivo, que é o que virá a seguir.

 

 

 

O controle remoto

Enquanto eu não instalo uma tomada inteligente para utilizar a Alexa nessa tarefa, o controle remoto que acompanha a LG OLED55C1 é a única via que tenho para ligar a TV e, muito provavelmente, será a alternativa que a grande maioria dos usuários vai ter para realizar o mesmo procedimento.

Aqui, temos um controle remoto que possui diferenças substanciais em relação ao controle que acompanha a LG NanoCell 49NANO81 que utilizei durante quase dois anos. E algumas das mudanças são bem positivas.

O tamanho do controle da LG OLED C1 não mudou muito em relação aos modelos da geração anterior. Porém, na parte traseira, ele é mais anatômico, favorecendo o agarre e até mesmo o manuseio com os botões. Pode não parecer, mas isso faz uma grande diferença na experiência de uso de um produto onde você vai passar boa parte do tempo trocando de canal.

Os botões de controle de volume e canal também passaram por mudanças, e deixaram de ser apenas os símbolos em relevo dos comandos para ganhar botões em formato uniforme, o que facilitou o seu funcionamento. O botão de mudo está mais próximo do botão para acionamento do microfone, e os dois passam a ter o mesmo tamanho, algo que não impactou no uso prático. Pelo contrário: no controle antigo, era comum confundir um botão com o outro; agora, eu sei que o botão superior silencia a TV e pronto.

O botão para seleção das portas de dispositivos veio para a parte superior, ocupando o lugar do botão para abrir as configurações gerais da TV. E isso faz mais sentido, já que agora esse item que seleciona qual dispositivo você quer usar está na mesma região do botão Home, que abre a tela principal do webOS. Ou seja, na mesma região do controle estão as duas teclas mais importantes para quem quer selecionar os conteúdos que quer assistir, em diferentes vias de acesso.

Por fim, o controle da LG OLED C1 conta com mais botões para plataformas de streaming. Neste caso, o usuário tem acesso rápido e direto para Netflix, Amazon Prime Video, Disney+ e Globoplay, muito provavelmente as plataformas mais populares entre os brasileiros. Além disso, você encontra botões de acionamento rápido para dois dos assistentes virtuais mais utilizados do mercado, a Alexa da Amazon e o Google Assistente. Dessa forma, você pode controlar vários aspectos dessa Smart TV através de comandos de voz e recursos inteligentes, além de ativar comandos da sua casa inteligente pelo controle da televisão.

 

 

 

O webOS

O sistema operacional responsável por deixar a LG OLED55C1 uma TV “smart” entrega diferenças substanciais em relação aos modelos das gerações anteriores. Aqui, temos que levar em consideração que estamos diante de um produto com um hardware mais potente, o que permite expandir as possibilidades de software, que apresenta uma proposta com design bem diferente daquele que a LG adotou no início do webOS.

Agora, o webOS é baseado em ícones com formato quadrado, mais próximo ao que os usuários encontram nos smartphones, o que ajuda a reforçar a familiarização com esse tipo de dispositivo. Não que a proposta de ícones retangulares não funcione, mas em algum momento alguém na LG percebeu que o usuário comum precisa ter uma experiência de uso similar em todos os dispositivos que possui, e esse pequeno detalhe é algo importante.

Uma das preocupações que a LG teve com a nova proposta do webOS é deixar o sistema operacional mais prático para a experiência de uso das TVs da marca. O que quero dizer aqui é que o controle remoto da LG OLED55C1 mantém a ideia de utilizar o ponteiro inteligente para a seleção de conteúdos na interface, e com os ícones menores, essa prática poderia ser sensivelmente afetada.

Mas não foi isso o que aconteceu. A nova versão do webOS trabalhando com um novo hardware e com um controle remoto melhorado resultam em uma experiência de uso melhorada em relação ao que encontrei na NanoCell NANO81. O movimento do ponteiro do controle é mais preciso, o que melhora a proposta de usabilidade da LG.

O novo hardware presente na LG OLED C1 deixa o software um pouco mais “esperto”. Os usuários mais exigentes vão perceber uma discreta, porém, maior fluidez na execução dos aplicativos e telas de navegação dessa nova versão do webOS. Não estou dizendo que você vai encontrar nesse novo software a mesma agilidade e fluidez que você encontra no seu iPhone 13 Pro Max. Só estou afirmando que essa pequena diferença pode ser percebida de forma mais nítida por aqueles que utilizaram as gerações anteriores das Smart TVs da LG.

Além disso, é preciso pensar que boa parte dos usuários de uma TV inteligente não contam com profundos conhecimentos de tecnologia e só desejam que o produto execute os comandos acionados pelo controle remoto e nada mais. E para esse grupo, a velocidade de acionamento de um comando ou o tempo de resposta da execução de um aplicativo em uma Smart TV não é algo tão relevante assim. Essa lentidão pode até beneficiar os mais leigos em alguns casos, pois usuários inexperientes ficam um pouco confusos com mudanças de tela muito rápidas.

De qualquer forma, consigo perceber claramente uma evolução na proposta do webOS, que mudou para melhor. Eu aprovo a nova interface, a disposição dos novos recursos e as funcionalidades que esse software oferece. É bem fácil se acostumar com esse novo sistema operacional, e isso ajudou na minha experiência de uso com a LG OLED55C1.

 

 

 

E na prática? Como a LG OLED C1 se sai?

Muito bem. Obrigado por perguntar.

Naquilo que realmente importa ou interessa na hora de comprar um produto como esse, a LG OLED55C1 dá um show. No meu caso, que ficou acostumado com a ótima qualidade de imagem oferecida pelas telas NanoCell da LG, a diferença na qualidade final da imagem da tela OLED é nítida e evidente. E isso acontece inclusive com pessoas que não são tão exigentes para ver TV, que ficaram impressionadas com a nitidez e o contraste oferecido por essa Smart TV.

O simples fato do preto ser mais puro pela desativação dos pontos de LED (lembrando: é uma tela Organic LED) faz com que o contraste apresentado seja algo impecável, deixando as cores mais vivas e oferecendo uma maior nitidez geral na imagem. Todo e qualquer tipo de conteúdo se beneficia desses ajustes, indo do Xbox Series X (Forza Horizon 5 se tornou um jogo simplesmente lindo) até o Claro TV+ app instalado na TV (melhorando a qualidade de imagem dessa plataforma de streaming).

Ainda falando mais um pouco sobre o desempenho da TV no uso dos videogames de última geração, além das belíssimas imagens entregues, a fluidez dos jogos é impecável com a taxa de atualização de 120 Hz. Este é mais um ponto onde a LG OLED C1 entrega uma experiência nitidamente melhor em relação aos modelos com NanoCell. Sem falar que a ausência de vazamento de imagem nas bordas ajuda na imersão do consumo de conteúdo.

Mas os serviços que realmente se beneficiam das características da tela OLED da LG OLED55C1 são mesmo os das plataformas de streaming que entregam as imagens em 4K com diferentes tecnologias de imagem, como HDR e Dolby Vision. Ver filmes e séries em plataformas como Netflix, Disney+, Star+, HBO Max, Amazon Prime Video, Apple TV+ e outras podem entregar o máximo de qualidade de imagem, o que resulta em uma experiência de uso substancialmente diferente e melhorada.

Algumas pessoas podem alegar que as telas OLED entregam um menor nível de brilho, algo que é sim perceptível na LG OLED C1. Quando comparado com as telas NanoCell, essa menor emanação de luminosidade na tela fica evidente, e isso pode causar uma maior preocupação entre os usuários que temem uma influência da luz ambiente na experiência de visualização de conteúdo.

Na minha experiência prática, isso não interferiu na ótima qualidade final de imagem. O meu novo apartamento conta com uma enorme janela (o sol não entra por essa janela, mas a quantidade de luz que invade a sala é enorme) e, mesmo assim, foi possível assistir aos filmes e séries nessa TV sem maiores problemas, pois os ajustes básicos realizados nas configurações iniciais combinados com a alta qualidade da tela OLED são suficientes para que a visualização dos conteúdos seja plena.

É claro que, se a sala da sua casa ou apartamento possui uma enorme janela como acontece aqui em casa, o ideal é você fechar as cortinas da sala para obter melhores resultados com essa TV. Por outro lado, você não será obrigado a investir em uma cortina do tipo blackout para assistir aos eventos esportivos durante a tarde de domingo.

Por último, e não menos importante, vale a pena dar um destaque especial para a experiência de jogos na LG OLED C1.

Vários reviews mostraram que essa TV é a mais recomendada do mercado para o uso com os videogames de última geração. Felizmente, eu ainda tenho uma unidade do Xbox Series S aqui no apartamento, e posso falar um pouco dessa experiência prática com o console da Microsoft com a Smart TV OLED da LG.

A experiência foi a melhor possível. Como parâmetro para esses testes, joguei boa parte do tempo o game Forza Horizon 5, um título que naturalmente depende muito da elevada taxa de atualização de tela, e os 120 Hz disponíveis nessa tela caem como uma luva para um jogo de corrida.

Além disso, o teste foi válido para conhecer melhor o Modo de Jogos disponível pelo software da LG OLED C1, um dos diferenciais do produto que prometem uma entrega de qualidade de imagem ainda maior para essa finalidade. Sem falar na maior qualidade de imagem por conta do próprio OLED, que oferece um maior contraste e nitidez.

Na experiência prática, a Smart TV da LG entregou resultados excepcionais na execução dos jogos do Xbox Series S. Forza Horizon 5 rodou de forma plena e lisa, sem engasgos ou travamentos. O videogame soube se beneficiar muito bem das características nativas do aparelho de TV, e os ajustes do Modo de Jogos pode tornar essa experiência nos games ainda mais personalizada.

Aliás, o Modo de Jogos pode mostrar informações relevantes sobre o jogo em execução, além de auxiliar o usuário nos ajustes avançados que podem ser feitos para deixar a exibição de imagens e o desempenho ainda mais fluído, ou com características de imagem que são pensadas no usuário e no local onde a TV está instalada.

No final das contas, os usuários mais casuais podem simplesmente conectar o videogame na TV e começar a jogar com as configurações padrão. E os gamers mais avançados ou exigentes certamente vão aproveitar todos os recursos do Modo de Jogos presente na LG OLED C1.

 

 

 

Considerações finais

Se você ler ou ouvir de alguém a seguinte frase: “TVs com tela OLED são pura frescura, pois não tem diferença das outras telas em LED ou NanoCell”, saiba que essa pessoa está mentindo e, muito provavelmente, nunca chegou perto de uma tela OLED para realizar tal afirmação.

Eu mesmo acreditava nessa teoria antes de experimentar a LG OLED55C1, e concluí rapidamente que estava completamente enganado. As diferenças existem, e são grandes o suficiente para que qualquer pessoa possa perceber a maior qualidade das telas OLED.

E eu sei que você vai falar sobre o burn-in que as telas OLED podem entregar com o passar do tempo. Porém, como estou com apenas 30 dias de uso com essa Smart TV, eu me comprometo a voltar aqui para contar se esse nefasto efeito apareceu por aqui. Vamos dar pelo menos dois anos para um novo review que pode ou não abordar este aspecto.

Por tudo o que pude avaliar em um mês de uso, a LG OLED C1 está aprovada. Ela cumpre o que promete na melhor qualidade de imagem, e é uma das melhores TVs dentro do seu segmento. A nitidez e o contraste oferecidos nas imagens são realmente impressionantes, atendendo de forma plena aos usuários mais exigentes.

Se você pensa em ver o Brasil tentar o hexa, quer ver a nova temporada da NFL com a máxima nitidez de imagem, quer acompanhar a Fórmula 1 ou o Drive to Survive com a experiência mais imersiva possível ou simplesmente quer assistir ao 365 Dias sem culpa e sossegado na Netflix em 4K, a LG OLED55C1 é mais que recomendada para essas finalidades…

…desde que você tenha o dinheiro para pagar por ela, obviamente.

Se você achou que eu ia terminar este review sem falar no preço do produto, se enganou. Este é um fator muito relevante para a decisão do consumidor, e não pode ser ignorado.

A LG OLED55C1 é uma TV para os mais fortes nos aspectos financeiros. No momento que esse review foi produzido, o seu preço superava a casa dos R$ 6 mil com facilidade. E eu entendo perfeitamente que a grande maioria das pessoas não vão colocar uma Smart TV como prioridade de investimento, especialmente em um país como Brasil, cuja economia está muito fragilizada e afetando sensivelmente o orçamento doméstico da maioria das famílias brasileiras.

Por outro lado, essa Smart TV cumpre o que promete, e tende a ser superior que as suas concorrentes diretas com preços similares (ou até inferiores) e tecnologias proprietárias com resultados semelhantes. Aqui, estou obviamente falando das TVs da Samsung com QLED, mas só posso estimar isso porque não testei as soluções dessa marca.

De qualquer forma, fica a esperança de que o preço da LG OLED55C1 acabe ficando um pouco mais competitivo nos próximos meses, e o conselho para o leitor que faça esse investimento de forma consciente e dentro de suas possibilidades. Arrebentar o seu orçamento doméstico por causa de uma TV está bem longe de ser uma boa ideia. Logo, gaste o seu dinheiro com moderação neste aspecto.

Agora… se o limite do seu cartão de crédito permite a compra e o seu salário está na casa dos 10% de brasileiros privilegiados em ganhar a partir de cinco salários-mínimos…

Só vai! Não tem como errar nessa compra!


Compartilhe