Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Análises e Reviews | Review | Lenovo Yoga 7i

Review | Lenovo Yoga 7i

Compartilhe

Passei os últimos meses testando alguns notebooks portáteis e ultrafinos, não apenas para comparar com o Samsung Galaxy Book S que utilizei durante os últimos 12 meses, mas para obter um produto um pouco mais potente e completo para as minhas necessidades profissionais.

Com as mudanças recentes na minha vida (e no blog também, com publicações mais longas e mais completas), eu precisava de um computador que pudesse trabalhar com tarefas de edição de áudio e vídeo de forma minimamente decente, funcionando com o sistema operacional Windows e com a portabilidade tão desejada.

Afinal de contas, vou voltar a trabalhar em qualquer lugar, viajar para cobertura de eventos e até mesmo trabalhar durante férias eventuais. Por isso, o Samsung Galaxy Book S ficou para a mobilidade eventual dentro de Florianópolis, e o Lenovo Yoga 7i, produto que será analisado neste artigo, será o equipamento para esses trabalhos um pouco mais pesados de forma mais remota.

Será assim até que eu possa adquirir um MacBook Air com chip M1 só para editar vídeos e podcasts de forma eficiente em qualquer lugar.

Enquanto isso não acontece, vou apresentar neste artigo os motivos que me levaram a investir dinheiro no Lenovo Yoga 7i, um notebook conversível que tem características muito interessantes para um produto com a sua proposta, oferecendo diferenciais que são relevantes para os meus objetivos de trabalho.

Diferenciais que podem ser relevantes para muitos usuários que estão de olho em um equipamento com as mesmas características.

 

 

 

Design e construção

O Lenovo Yoga 7i é um notebook premium, de forma indiscutível. A Lenovo até conta com produtos ainda mais caros dentro do seu portfólio, mas no caso do modelo que vou destacar neste artigo, você tem uma excelente qualidade de construção. O que é o mínimo, considerando o preço que você vai pagar por ele.

Sua carcaça externa (tampas superior e inferior) são compostas de material metálico, criando um bloco bem construído. Suas dobradiças também contam com um revestimento metálico e aparentam ser bem resistentes. Porém, alguns relatos que li na internet indicam que essas mesmas dobradiças podem causar problemas na estrutura do notebook com o passar do tempo, por conta da movimentação do dispositivo para o sistema de conversão do formato notebook para tablet.

Até o presente momento (pouco mais de um mês de uso), não detectei problemas neste mecanismo, seja por barulho ou rangido nas peças ou uma eventual resistência no movimento de conversão entre os dois modos de uso. Por outro lado, não pretendo utilizar o Lenovo Yoga 7i no formato de tablet, o que pode fazer com que a vida útil dessa peça seja maior do que o estimado pela Lenovo.

De qualquer forma, vou ficar de olho neste aspecto ao longo do tempo, e se alguma coisa mudar neste sentido, eu compartilho com vocês através de um artigo em específico, ou em um vídeo em nosso canal do YouTube.

Na parte traseira, encontramos o sistema de ventilação do Lenovo Yoga 7i, que é complementado pela grade disponível na parte inferior, na área dos dissipadores. Ele é eficiente o suficiente, já que não detectei problemas de excesso de temperatura nas tarefas um pouco mais pesadas.

Este é um notebook que é bem menos fino que o Samsung Galaxy Book S e que o ASUS Zenbook 14 que testei de forma breve. Por outro lado, ele possui uma bateria muito maior, um sistema de dissipação de calor mais eficiente e uma construção mais robusta, elementos que particularmente me agradam.

O próprio modo de conversão para tablet ajuda a justificar essa proposta de design mais espesso do Lenovo Yoga 7i, já que outros produtos com essa mesma característica entregam o mesmo resultado. Outro fator que influencia em um notebook um pouco mais espesso está nos alto-falantes que, neste caso, estão voltados para o usuário, o que favorece (e muito) na hora do consumo de conteúdos em multimídia.

Um detalhe curioso: o botão de liga/desliga está em uma das laterais do dispositivo, e isso é feito por causa do seu design conversível. Além disso, o leitor de digitais (muito eficiente e rápido, por sinal), está em uma área dedicada abaixo do teclado.

O leitor biométrico poderia estar integrado no botão de liga/desliga do produto? Sim, mas desconfio que isso não seria algo tão prático para a maioria dos usuários (que teriam que se adaptar a esse novo sistema, e isso não é algo tão intuitivo quanto parece).

No final, o Lenovo Yoga 7i não compromete a portabilidade do dia a dia. É claro que ele é muito mais pesado que o Samsung Galaxy Book S, e ainda estou me adaptando com as 500 gramas a mais. Por outro lado, ele me entrega muito mais performance para tarefas básicas e avançadas. Logo, é fácil entender as regras de compensação neste caso.

 

 

 

Tela

O Lenovo Yoga 7i conta com uma tela de 14 polegadas com resolução FullHD (1920 x 1080 pixels) no padrão IPS com nível de brilho em 300 nits e sensível ao toque.

Para o que se propõe a fazer, essa tela cumpre o que promete, mesmo não sendo a melhor tela que você pode encontrar em um notebook com essas características. O toque na tela é eficiente, e não detectei os famigerados “toques fantasma” que outros modelos que eu testei apresentaram no passado.

Um dos pontos que podem incomodar a alguns usuários é a baixa taxa de brilho dessa tela. Os 300 nits oferecidos são “o padrão” para boa parte dos portáteis disponíveis no mercado, mas é preciso lembrar que a tendência de uso com esse produto é em uso externo, ou seja, ambientes abertos, shoppings e aeroportos, locais onde a incidência da luz é relevante.

Ou seja, você terá que lidar com o reflexo constante das luzes na tela em diferentes ambientes, e quando um notebook possui uma taxa de brilho relativamente mais baixa, isso pode ser um problema.

No meu caso, o Lenovo Yoga 7i me apresenta bons resultados na exibição dos elementos gráficos, desde que eu saiba como lidar com essa questão do brilho mais baixo. Mesmo porque eu preciso que esse dispositivo ofereça de forma prioritária uma maior autonomia de bateria ao longo do dia, e bem sei que a tela é o que mais consome energia de qualquer dispositivo eletrônico.

Não diria que a tela é o ponto fraco do Lenovo Yoga 7i, mas aqueles que preferem notebooks com telas que possuem um tratamento antirreflexo precisam ter a consciência que vão passar por um tempo de adaptação para trabalhar com esse portátil.

Mas de um modo geral, a tela deste conversível é boa e cumpre com os seus propósitos.

 

 

 

Teclado e touchpad

Para quem produz conteúdos em texto todos os dias (é o meu caso), esses itens são considerados fundamentais. E com o passar do tempo, me convenci que os teclados dos notebooks da Lenovo estão entre os melhores do mercado.

E o Lenovo Yoga 7i não é exceção.

Seu teclado possui teclas com tamanho completo, ou seja, com as mesmas dimensões do Lenovo Ideapad Gaming 3i que utilizo neste momento como notebook principal. Seu acionamento é muito confortável, entregando uma precisão ao digitar que é fundamental para o desenvolvimento do meu trabalho com produtor de conteúdo em textos para a internet.

Dessa forma, foi fácil me adaptar ao teclado do Lenovo Yoga 7i. Esse é um excelente notebook para quem precisa escrever textos em qualquer lugar, e os produtores de conteúdo vão gostar dos resultados que o portátil pode oferecer.

A retroiluminação do teclado do Lenovo Yoga 7i é na cor branca, e mesmo não sendo a melhor que já vi em um notebook, é eficiente o suficiente para permitir que eu trabalhe sem maiores problemas em ambientes pouco iluminados. Neste aspecto, minha produtividade não foi afetada, e é isso o que mais me interessa em um produto como esse.

Sobre o touchpad, ele é bem funcional, com um deslocamento ágil e preciso do ponteiro. Ele é de grandes dimensões (também do mesmo tamanho do touchpad do Lenovo Ideapad Gaming 3i, que possui 15.6 polegadas), e está centralizado em relação ao teclado.

Considero este um touchpad perfeito para a minha atividade de produção de conteúdo em texto. Dessa forma, quem quer dispensar o uso do mouse em shoppings e aeroportos pode fazer isso sem maiores problemas (se bem que eu uso o mouse em nome da maior produtividade para tarefas específicas).

Este conjunto de entrada do Lenovo Yoga 7i certamente faz a diferença a favor do usuário, e certamente é um aspecto que agrada na usabilidade do produto.

 

 

 

Conectividade

Considerando as suas características de portabilidade, o Lenovo Yoga 7i acompanha a tendência de outros produtos similares, oferecendo apenas o básico para que qualquer usuário possa conectar os seus dispositivos mais utilizados.

Neste caso, temos aqui uma porta USB 3.2 (sempre ligada, o que é ótimo para recarregar a bateria do smartphone com o notebook desligado – mas cuidado para não ficar sem energia para seguir trabalhando), duas portas USB-C (Thunderbolt), uma porta USB4 (que normalmente uso com o dongle para o mouse Bluetooth) e o conector para fones de ouvido e microfone, algo que está ficando de fora de outros modelos.

Os usuários acostumados com os notebooks tradicionais certamente vão sentir falta de outras portas de conectividade, como Ethernet e HDMI. Neste caso, a solução é investir em um adaptador externo que expande todas essas possibilidades.

Talvez aqueles usuários que trabalham com sistemas de armazenamento externo sintam falta de um slot para cartões microSD (principalmente os profissionais de fotografia), mas esse não é um item que desabone ou descredencie o Lenovo Yoga 7i neste aspecto.

Além disso, o produto conta com o WiFi 6 (algo que já tenho aqui no meu apartamento em Florianópolis – e esse é um spoiler sobre um futuro review) e o Bluetooth 5.0, o que é mais que suficiente para a maioria dos aspectos de conectividade sem fio da grande maioria dos usuários, entregando um bom desempenho neste aspecto.

 

 

 

Processador, RAM e armazenamento

Um dos aspectos mais relevantes do Lenovo Yoga 7i está nas suas configurações de hardware, pois é neste ponto que se esconde alguns dos segredos que me convenceram a investir nele como notebook de trabalho remoto principal.

Apesar do seu hardware se limitar aos 8 GB de RAM DDR4 de 3200 MHz soldado na placa-mãe (o que impede a expansão desse item no futuro), entendo que isso é algo “absolutamente normal” (para o padrão do mercado, e não para aquilo que eu entendo como o ideal para esse tipo de produto) em um notebook com as suas características.

De qualquer forma, estou consciente sobre essa característica, e deixo claro este aspecto para que você também fique sabendo disso. Esse detalhe pode determinar uma vida útil mais limitada para o produto, mas só o tempo vai dizer se ele será incompatível com futuras versões do Windows.

Por outro lado, o seu armazenamento em SSD NVMe de 512 GB já é em alta performance, o que adia um eventual upgrade desse item (algo que devo fazer no futuro, com a inclusão de um SSD de 1 TB – posso eventualmente mostrar o processo aqui no blog).

Os dois itens de hardware combinados por si já entregam um excelente desempenho para a execução de qualquer tarefa básica do dia a dia e, de forma eventual, algumas tarefas um pouco mais exigentes, como edição de áudios e vídeos.

Mas o grande segredo do Lenovo Yoga 7i está no seu processador e, principalmente, na forma em como a Lenovo decidiu trabalhar com ele.

O modelo que eu escolhi conta com o chip Intel Core-i5 1135G7 de 11ª geração. O mesmo processador presente em outros notebooks ultrafinos com características semelhantes. A grande diferença é que, no caso do Lenovo Yoga 7i, ele não sofre dos efeitos de aumento de temperaturas.

Ou seja, o desempenho do processador é pleno o tempo todo, inclusive durante as tarefas mais exigentes. Isso torna este portátil mais adequado para as minhas necessidades profissionais, pois sei que poderei (por exemplo) editar um áudio e vídeo em qualquer lugar, com o máximo de desempenho possível para agilizar essa tarefa.

Não estou aqui afirmando que o Lenovo Yoga 7i é o notebook da sua vida para quem quer rodar jogos. Até porque a placa de vídeo Intel Iris Xe é ótima, mas não faz milagres. Mas posso dizer que, se em algum momento eu precisar pedir um pouco mais desse hardware, ele vai me entregar o desempenho necessário para concluir aquela tarefa sem maiores traumas.

 

 

 

Bateria

O Lenovo Yoga 7i possui uma bateria com 71 Wh em modo de quatro células. É a maior bateria que você pode encontrar em um notebook com essas características, e combinando com os recursos de hardware já descritos no segmento anterior e os ajustes de software da Lenovo, os resultados alcançados são muito positivos.

Este notebook consegue alcançar sem maiores problemas as 7 horas de uso na bateria, o que atende muito bem aquela rotina de tarefas mais básicas (tela com nível de brilho de 60%, produção de conteúdos em texto, navegação na internet, acesso aos e-mails e redes sociais, alguns vídeos no YouTube etc.).

Obviamente, esses números serão menores se as suas tarefas em execução forem mais pesadas. Porém, é importante deixar claro que o Lenovo Yoga 7i conta com a certificação Intel EVO, o que permite a este notebook entregar a melhor performance possível com longa autonomia de bateria. E é isso o que este notebook me entrega.

Se eventualmente eu precisar de uma recarga rápida de bateria neste notebook, eu posso contar com o seu carregador nativo de 65W, compatível com o padrão USB-C. Com isso, eu tenho pelo menos metade da autonomia recarregada em pouco tempo, e em dias de atividades mais pesadas, é possível recuperar a energia perdida durante a hora do almoço.

A gestão de bateria do Lenovo Yoga 7i é eficiente, mas não é exatamente a mesma que eu tinha no Samsung Galaxy Book S. E isso é perfeitamente aceitável, já que o conversível 2 em 1 que está em destaque neste post é muito mais potente que a solução dos coreanos e, neste aspecto, os números acabam equacionando.

E considerando um comparativo com um produto com características similares como o ASUS Zenbook 14, o Lenovo Yoga 7i vai melhor na autonomia por ter uma bateria um pouco maior. Tudo dentro da normalidade, considerando todas as suas características técnicas.

De qualquer forma, o importante é que a longa autonomia de bateria está garantida aqui. Poderia alcançar as 10 horas prometidas pelo MacBook Air com chip M1 da Apple, mas aí é pedir demais. São produtos com características completamente diferentes, e todo mundo precisa aceitar isso.

 

 

 

Desempenho

Depois de todas as informações apresentadas, fica fácil concluir que o Lenovo Yoga 7i oferece um excelente desempenho para as tarefas mais básicas do dia a dia, e também para algumas tarefas um pouco mais exigentes.

A combinação de todo o conjunto de hardware e software se comporta muito bem, entregando um desempenho extremamente satisfatório. O Windows 11 é executado com plena fluidez e sem apresentar problemas de conflitos ou incompatibilidades.

Até gostaria de testar esse produto com o Windows 10 (já que alguns produtores de conteúdo afirmam que essa versão do sistema operacional da Microsoft ainda entregam uma autonomia de bateria maior que a oferecida pelo Windows 11), mas estou plenamente satisfeito com a atual versão do software da Microsoft, a ponto de não realizar experimentos maiores.

Os softwares instalados no computador para o meu uso diário funcionaram com um ótimo desempenho e consistência, sem apresentar problemas de compatibilidade com o Windows 11 ou com o hardware disponível no dispositivo.

Além disso, os poucos softwares da Lenovo instalados no equipamento não interferem no bom desempenho do computador e, ao que parece, a empresa aprendeu com os erros do passado, deixando apenas o essencial para justificar algumas melhorias e ajustes gerais de configurações pensadas em aspectos mais específicos do notebook.

O Lenovo Yoga 7i entrega um excelente desempenho para as principais atividades com o computador, entregando uma boa autonomia de bateria e sem apresentar quedas de performance no processador em função de fatores como temperatura ou uso do equipamento desconectado da sua fonte de alimentação.

E, antes que eu me esqueça: sim, você até pode editar vídeos com o Lenovo Yoga 7i. Eu mesmo editei um vídeo de 11 minutos para o YouTube como testes neste notebook. E os resultados foram, como eu posso dizer, “aceitáveis”.

Eu uso o Lenovo Ideapad Gaming 3i como notebook principal (processador Intel Core i7-10750H, placa gráfica NVIDIA GeForce GTX 1650 4GB, 32 GB de RAM a 3.200 MHz e 1 TB de SSD NVME Samsung 980 Pro), e consigo renderizar um vídeo de 11 minutos no DaVinci Resolve em um tempo entre 15 e 20 minutos.

O mesmo vídeo renderizado no Lenovo Yoga 7i, com as configurações descritas neste review, levou aproximadamente 30 minutos para ser renderizado. Ou seja, ele pode resolver esse problema quando estou viajando ou em deslocamento.

Detalhe: a velocidade de renderização não mudou quando o notebook estava em uso conectado ou desconectado de sua fonte de energia, mostrando mais uma vez que ele possui o mesmo desempenho em qualquer situação.

Ou seja, este é um portátil premium que entrega uma performance robusta para os usuários que conseguem compreender quais são os principais objetivos deste equipamento.

 

 

 

Lenovo Yoga 7i: vale a pena?

Sem sombra de dúvidas, o Lenovo Yoga 7i está aprovado.

Este é um dos melhores notebooks ultrafino premium que você pode comprar, mesmo que ele seja mais espesso e pesado que outros modelos disponíveis no mercado. Aqui, o que realmente importa é que ele é um portátil com certificação Intel EVO, o que garante uma excelente performance com elevada autonomia de bateria, e é exatamente isso o que eu procuro em um produto com as suas características.

Leve em consideração que o Lenovo Yoga 7i é mais leve e compacto que a grande maioria dos notebooks com tela de 14 polegadas, além de oferecer um desempenho impecável com o Windows 11. E, de novo: sem as restrições de potência no seu processador Intel Core de 11ª geração, o que pode ser um importante diferencial para quem precisa ir um pouco além nas tarefas de edição de áudio e vídeo, ou para quem eventualmente quer jogar de forma casual.

O Lenovo Yoga 7i é recomendado para os usuários que precisam de um notebook que entrega o melhor desempenho possível em qualquer lugar, e com uma autonomia de bateria que aguente essa alta performance ao longo do dia. Produtores de conteúdo, estudantes e profissionais que estão o tempo todo em mobilidade devem olhar para este produto com atenção.

Lembrando sempre que o fator preço é muito importante, e esse modelo tende a custar mais caro que alguns dos seus concorrentes. Por outro lado, a Lenovo melhorou a relação custo-benefício do Lenovo Yoga 7i ao oferecer um SSD de 512 GB tanto no modelo com Core i5 como na alternativa com Core i7, e sem alterar o preço das duas opções.

Obviamente, se você precisa de um desempenho ainda mais eficiente ou de uma autonomia de bateria mais longa para o uso diário, a última alternativa que resta (e vai pagar a mais por isso) é mesmo o MacBook Air com chip M1 ou M2, e aqui estamos falando de um produto que está em outro universo, com um perfil de uso bem diferente.

Agora, se você quer um notebook portátil, potente, com longa autonomia de bateria e com o sistema operacional Windows embarcado, o Lenovo Yoga 7i é, talvez, a melhor alternativa que você pode encontrar na casa dos R$ 6 mil ou menos (já que o modelo com Core i7 que custa R$ 7.200 estava esgotado quando este artigo foi produzido).

Pode ir no Lenovo Yoga 7i sem medo.


Compartilhe