Jan Koum, criador do WhatsApp, se vale da prática “Rest and Vest”, que no mundo corporativo é um sinônimo de obter mais lucros por descansar mais e priorizar uma melhor qualidade de vida.

De acordo com o Wall Street Journal, Koum abandonou quase que completamente o WhatsApp, e só aparece lá uma vez por mês para receber o seu salário de US$ 450 milhões. Ele passou a receber essa quantia depois de vender a sua empresa para o Facebook em 2014, em uma transação que custou US$ 19 bilhões para a empresa de Mark Zuckerberg.

Agora, convenhamos: se qualquer um de nós recebesse um cheque de US$ 450 milhões por mês, era bem fácil adotar o sistema “Rest and Vest”, certo?

Koum também não se envolve mais nos aspectos de desenvolvimento, operação ou controle da empresa. Muitos acreditam que ele abandonou sua criação por conta da inconformidade com a forma que o Facebook faz uso dos dados pessoais dos usuários do aplicativo.

Mas ele aparece lá, todos os meses, para receber o cheque. Mesmo contrariado.

Polêmicas à parte, talvez Koum esteja arrependido de abrir mão do controle total de sua criação, e isso explica a sua mais recente decisão de abandonar por completo sua posição na empresa para se dedicar a “projetos pessoais”.

O executivo ucraniano poderia ter um estilo de vida de muito trabalho até o fim da vida, mas optou pelo “descanso e cobrança” para ocupar o seu tempo e os milhões de dólares de seus futuros projetos.

Vamos ficar atentos sobre os próximos passos de Jan Koum. Quem sabe estamos diante do novo Batman ou Tony Stark.

Ou um novo Elon Musk (algo muito mais palpável).

Não é difícil pensar em tais nomes quando estamos falando de uma pessoa com muito tempo livre na vida e US$ 450 milhões por mês entrando na sua conta bancária.

 

Via Wall Street Journal