Compartilhe

A moda das lives foi uma das tendências durante a quarentena e o isolamento social. Essa foi uma das ferramentas que ajudou a salvar muitas pessoas do tédio e enlouquecimento nesse momento, além de ser uma forma muito interessante para os artistas engajarem os seus fãs através da tecnologia e, em alguns casos, ajudar algumas causas que estão de alguma forma relacionadas com o combate à pandemia global.

O problemas das lives é que elas são, na imensa maioria dos casos, lives musicais. Nada contra: eu mesmo adoro música. Também não vou criticar as pessoas que gostam de sertanejo, sofrência, tecnobrega e outros estilos musicais que dominaram as lives brasileiras.

Mas é preciso variar um pouco.

As lives tentam sair do lugar comum. Os artistas teatrais estão fazendo a sua parte, e até peças completas são apresentadas por streaming (onde algumas delas foram desenvolvidas como monólogos ou interação de diferentes atos, justamente pensando no distanciamento social do momento atual). E agora, o cinema decide dar a sua dose de contribuição.

Pois não basta oferecer filmes de graça para a galera. Tem que fazer isso através de uma live.

 

 

 

Telecine apresenta as “lives de cinema”

 

 

A rede Telecine, que está presente nas principais operadoras brasileiras (SKY, Vivo, Claro net, Oi, TIM, etc) vai exibir alguns dos filmes que estão em seu catálogo “ao vivo” via internet, para assinantes e não assinantes, a partir do seu canal do YouTube.

Toda quinta-feira, às 21h, a “Sessão Fique Em Casa” exibe o mesmo filme para os assinantes da rede Telecine nas plataformas de TV por assinatura e no canal do YouTube da rede Telecine. A iniciativa começou com o longa De Pernas Pro Ar 3, um grande sucesso da bilheteria nacional, protagonizado por Ingrid Guimarães.

Essa é mais uma iniciativa do projeto #FiqueBemFiqueEmCasa, uma iniciativa assinada pelas operadoras TIM, Claro, Oi, Vivo e SKY, e a rede Telecine é uma das apoiadoras da ação, o que vai permitir que os assinantes também possam acompanhar a transmissão oficial pelo canal Telecine Pipoca, dentro das operadoras parceiras.

Lembrando que a rede Telecine participou da ação que liberou por tempo limitado vários canais do seu pacote para todos os assinantes da TV paga, mas também foi uma das primeiras a fechar a transmissão dos seus canais (que ficaram disponíveis de forma gratuita por 30 dias), alegando que iria procurar formas diferentes para distribuir o seu conteúdo para um público ainda maior. E essa é uma das iniciativas.

A iniciativa também faz parte da estratégia do Telecine em focar na venda dos planos do seu serviço de streaming, entendendo que a sua nova clientela é justamente aquela que, nesse momento, está assinando a Netflix em função do período de isolamento social.

E não é um erro pensar dessa forma: a Netflix viu o número de seus assinantes aumentar de forma inédita durante a quarentena, e a fatia de lucro para o Telecine quando alguém paga pelos seus conteúdos via streaming é consideravelmente maior do que aquela arrecadada nos pacotes de TV por assinatura.

Ou seja, estamos testemunhando uma mudança de estratégia que pode ser permanente no futuro.

 

 

 

Via UOL Entretenimento


Compartilhe