Compartilhe

A banda Radiohead é uma das mais importantes da história da música, e usa a tecnologia de forma inovadora para distribuir o seu trabalho. Um exemplo claro disso está no lançamento do álbum In Rainbows (2007), que foi lançado pela internet, e cada fã pagou o valor que entendeu ser justo pela obra musical.

 

 

Uma revolução que perdura até hoje

O lançamento de In Rainbows foi um feito histórico, marcando um ponto inicial da transição entre a indústria musical física e digital. De forma surpreendente, anos depois, o vocalista do Radiohead Thom Yorke, criticava de forma dura as plataformas de streaming, como o Spotify.

Na época, Yorke garantiu que o Spotify era “o último apelo desesperado de um cadáver”. Muita coisa mudou daquela época para cá, e a discografia do Radiohead hoje está no Spotify (incluindo In Rainbows).

Mas agora, temos mais um movimento importante na história da distribuição de músicas, uma vez que o Radiohead decidiu subir toda a sua discografia no seu canal do YouTube, desde o disco de estreia, Pablo Honey (1993) até o seu último lançamento, A Moon Shaped Pool (2016).

Não sabemos se foi o Radiohead que enviou de forma direta a sua discografia para o YouTube ou se essa é uma decisão da XL Recordings, que adquiriu todo o catálogo da banda em 2016. Detalhe: todos os discos até Hail to the Thief (2003) contam com uma data de publicação de 2016, mas o YouTube etiquetou cada playlist como “atualizada ontem”.

Esse movimento reforça como o streaming segue avançando de forma imparável, reforçando que as pessoas estão cada vez mais aderindo ao formato, abandonando os downloads digitais e outras soluções de consumo de música. Sem falar que o YouTube Music acaba de ganhar um precioso acervo para turbinar a sua plataforma.

O aumento do consumo de streaming é algo espetacular, com as assinaturas aumentando exponencialmente de um ano para outro. Ou seja, além de ser um feito histórico, o Radiohead está mostrando mais uma vez que tem visão de futuro, alinhando suas decisões com as tendências de mercado.

O streaming é um caminho sem volta, e quem não seguir esse caminho vai ficar para trás. Fato.

Por outro lado, o feito do Radiohead é histórico porque bem sabemos que os ganhos com o AdSense do YouTube só compensam de verdade se o volume de reproduções na plataforma for enorme. Logo, a banda aposta no seu prestígio e no engajamento dos seus fãs para capitalizar com essa proposta.

Fora isso, o Radiohead vai ter que fazer o mesmo que vários outros artistas entenderam que serão obrigados a partir de agora: muitos shows.

 


Compartilhe