Quem compra iPhone no Brasil é otário (versão 2020)

Compartilhe

Eu não queria começar este post desta forma, pois entendia que já tinha passado da fase de querer rotular as pessoas que são livres para fazer o que querem com o seu dinheiro. Porém, o que a Apple fez na semana passada ultrapassou todos os limites do aceitável, virando as costas para boa parte dos seus usuários brasileiros, enquanto que outro grande grupo com certeza é feito de completos otários, de forma quase inevitável.

Me desculpe, mas se depois de tudo o que aconteceu na semana passada você ainda assim insistir em comprar um produto Apple no Brasil, automaticamente a sua condição é do segundo grupo. E se você entende que eu ainda preciso explicar os motivos para esta afirmação, é sinal que, no mínimo, você precisava se informar mais sobre os últimos acontecimentos.

 

 

 

Todos os preços subiram. Ficou mais caro olhar para um iPhone

 

 

Para a Apple, perder dinheiro não é uma opção. E alguém tem que pagar a mais por isso. Nesse caso, é o cliente que paga MUITO a mais para que Tim Cook continue a sorrir nadando em uma montanha de dinheiro. Mas não tem problema: você pode pagar iPhone parcelado nas Casas Bahia ou se tem uma conta no Itaú. Então, qualquer coisa vale. Certo?

É claro que não. Mas muita gente não reclama de nada disso. E é importante tentar abrir os olhos dos cegos.

Enquanto a Apple apresentava para o mundo a nova família de smartphones iPhone 12 que não contam com carregador no kit de venda “em nome do meio ambiente” (louvável, mas ainda assim, injustificável), no Brasil, a empresa promovia um reajuste de preços de praticamente todos os seus produtos e serviços, que ficaram mais caros.

Em alguns casos, MUITO MAIS CAROS.

E isso aconteceu especificamente no Brasil. Lá fora, os modelos antigos do iPhone ficaram mais baratos, o que é o movimento lógico para qualquer produto ou tecnologia que, de uma forma ou de outra, ficou obsoleta. Porém, como o Brasil parece ser o mundo invertido de Stranger Things, a Apple decide deixar tudo ainda mais caro, para a “felicidade” dos seus usuários.

 

Estes são os preços do iPhone SE, XR e 11 no Brasil:

  • iPhone SE (2020) de 64 GB: R$ 3.699 (inalterado)
  • iPhone SE (2020) de 128 GB: R$ 4.199 (antes R$ 3.999)
  • iPhone SE (2020) de 256 GB: R$ 5.199 (antes R$ 4.499)
  • iPhone XR de 64 GB: R$ 4.999 (antes R$ 4.299)
  • iPhone XR de 128 GB: R$ 5.499 (antes 4.599)
  • iPhone 11 de 64 GB: R$ 5.699 (antes 4.999)
  • iPhone 11 de 128 GB: R$ 6.199 (antes R$ 5.299)
  • iPhone 11 de 256 GB: R$ 7.199 (antes R$ 5.799)

 

 

E estes são os novos preços dos AirPods:

  • AirPods de 2ª geração com estojo de recarga: R$ 1.899 (antes R$ 1.349)
  • AirPods de 2ª geração com estojo de recarga wireless: R$ 2.349 (antes R$ 1.679)
  • AirPods Pro: R$ 2.999 (antes R$ 2.249)

 

Algumas propostas da Apple ficaram com preços que considero proibitivos no Brasil. Pagar R$ 1.800 para trocar uma tela de um iPhone 7 é algo simplesmente ridículo. E os preços dos smartphones também foram inflacionados por um único motivo: para que os novos modelos iPhone 12 fiquem ainda mais caros, aumentando a margem de lucro por unidade vendida.

Esta é a tabela com os novos preços de troca de tela, bateria e unidade:

ModeloTroca de telaTroca de bateriaTroca da unidade (outros danos)
iPhone 11 Pro MaxR$ 2.499R$ 599R$ 5.199
iPhone 11 ProR$ 2.199R$ 599R$ 4.799
iPhone 11R$ 1.519R$ 599R$ 3.199
iPhone XS MaxR$ 2.499R$ 599R$ 5.199
iPhone XSR$ 2.119R$ 599R$ 4.799
iPhone XR$ 2.119R$ 599R$ 4.799
iPhone XRR$ 1.519R$ 599R$ 3.199
iPhone 8 PlusR$ 1.289R$ 429R$ 3.199
iPhone 8R$ 1.129R$ 429R$ 2.699
iPhone 7 PlusR$ 1.289R$ 429R$ 2.699
iPhone 7R$ 1.129R$ 429R$ 2.499
iPhone 6s PlusR$ 1.289R$ 429R$ 2.549
iPhone 6sR$ 1.129R$ 429R$ 2.299
iPhone 6 PlusR$ 1.129R$ 429R$ 2.549
iPhone 6R$ 979R$ 429R$ 2.299
iPhone SE (2ª geração)R$ 979R$ 429R$ 1.999*
iPhone SER$ 979R$ 429R$ 2.399*
iPhone 5sR$ 979R$ 429R$ 2.399
iPhone 5cR$ 979R$ 429R$ 2.399

 

 

Eu me preparava para comprar um iPhone SE (2020) novo, pois entendia que o preço de R$ 3.400 pelo modelo de 128 GB (média) era algo razoável. Porém, diante do que testemunhei na semana passada, ou eu compro uma unidade seminova desse modelo, ou desisto da compra.

 

 

 

Ou a Apple odeia o Brasil, ou simplesmente não se importa com os usuários daqui

 

 

Hoje, não vejo tanta gente pagando pau para a Apple como eu vi em 2010. A impressão que dá é que as pessoas se tornaram mais conscientes em como isso é estúpido e irracional. Mas ainda existe uma parcela de Apple Fanboys enrustidos que, de alguma forma inexplicável, ainda defendem as posturas da empresa, mesmo que de forma enrustida.

Sei que não vou fazer com que todas as pessoas enxerguem a verdade quando uso o termo otário para definir o seu perfil econômico. Porém, em alguns casos bem específicos, é preciso usar de termos mais fortes para fazer com que essas pessoas compreendam as coisas como elas são, e não em como elas desejam que essas coisas sejam.

Não dá para aceitar o que a Apple faz no Brasil como algo absolutamente normal. Nem mesmo aquelas pessoas que contam com dinheiro suficiente para comprar um smartphone da empresa por aqui. Se bem que, historicamente, a maioria que tem grana acaba importando o smartphone, e não paga os valores estabelecidos por aqui.

E, sinceramente, não tem desculpa para a Apple agir dessa forma por aqui dessa vez. O caótico ano de 2020, a cotação do dólar que disparou, o “fator Brasil”, os impostos… absolutamente nada explica o que aconteceu. Nada explica o esquema “pague o dobro para receber menos”. E acho que as pessoas precisam começar a repensar seriamente o valor que se dá para as coisas em tempos tão complicados.

 

 

 

E (parte) da culpa disso tudo é do otário que paga

 

 

Não tem muito o que discutir aqui.

A Apple só faz esse tipo de coisas com o mercado brasileiro porque sempre tem algum grande grupo de clientes (que carinhosamente chamo de otários) que aceitam pagar os preços estabelecidos por ela. É esse grupo de pessoas que contam com parte da responsabilidade por essas estratégias serem jogadas na nossa cara.

E não adianta você dizer aquela famigerada frase “paga quem quer”. O grande problema da Apple adotar esse perfil econômico é que outras grandes empresas do setor de telefonia móvel acabam fazendo o mesmo, e o movimento de alta tende a não ter controle.

Ou você já viu o preço da linha Galaxy Note 20 da Samsung? Isso mesmo… aquele Galaxy Note 20 que, na sua versão normal, tem acabamento de plástico e tela com taxa de atualização de apenas 60 Hz.

Ou seja…

Ou todo mundo repensa a sua relação com o consumo de tecnologia e os preços pagos pelos produtos, ou todo um mercado vai seguir ditando suas regras, impondo preços que são absurdos para uma tecnologia que bem sabemos que pode custar bem menos.

Deixa de ser otário, Apple Fanboy! A dona do iPhone odeia o Brasil, e deixou isso bem claro na semana passada. É melhor você acordar para isso, e tomar a melhor atitude nesse momento…

Pare de comprar produtos da Apple no Brasil! Simples assim!

 

 

Via Apple (123), Canaltech, Tudo Celular, Tecnoblog


Compartilhe