O iPhone XS da Apple foi anunciado em setembro de 2018, e é um dos smartphones mais cobiçados do mercado, apesar das vendas abaixo do esperado. Aliás, é indiscutível que os iPhones de 2018 são da mais alta qualidade.

Porém, o preço elevado desses modelos nos leva a questionar algumas decisões tomadas pela Apple. Uma delas é na forma em como encara a recarga rápida no dispositivo. Por exemplo, desde o iPhone X é possível recarregar o smartphone em modo de recarga rápida, mas a empresa insiste em não oferecer o carregador rápido no kit de venda do produto, mesmo com a concorrência mostrando como é o mundo ideal atual.

Porém, para aquelas pessoas que desejam recarregar o iPhone de forma mais rápida, a única maneira é o investimento em um carregador USB-C para Lightning, que custa lá fora aproximadamente 80 euros. É uma diferença de valor (e de visão de mercado) simplesmente inacreditável.

O site MacRumors publicou um vídeo (que está disponível no final do post) onde colocam duas unidades do iPhone X lado a lado. Um deles é carregado com o carregador que a Apple oferece no kit de venda do produto, e o outro com o carro carregador USB-C.

A diferença é grande. Em apenas uma hora, o iPhone X com o carregador rápido teve a sua bateria recarregada em 81%. Já o iPhone X com o carregador normal ficou nos 35%.

Vale observar que os dois dispositivos estavam com o modo avião ativo, ou seja, sem qualquer tipo de interferência de rede, algo que poderia afetar na autonomia de recarga. Mesmo não sendo tão rápido quanto o Huawei Mate 20 Pro ou o Galaxy S9, essa recarga rápida se mostrou bem mais capaz do que o esperado.

Em resumo: passou da hora da Apple se tocar e não mais ficar regulando o carregador rápido no kit de venda de um iPhone que, no Brasil, custa mais de R$ 5.000. Manter essa postura é algo simplesmente ridículo.