Wetten.com Brasil Apostas
Home » Análises e Reviews » Precisamos de um smartphone totalmente wireless?

Precisamos de um smartphone totalmente wireless?

Compartilhe

Há quem diga que o futuro iPhone 13 (ou seja lá como a Apple vai chamar esse telefone) não terá um conector para carga de bateria, e muitos dos fabricantes de smartphones devem fazer o mesmo. Ou seja, os telefones do futuro serão 100% sem fios, e tal decisão tem vantagens e desvantagens.

Vamos olhar para os dois lados dessa moeda neste post.

 

 

 

Temos vantagens…

 

 

Essa transição começou quando a Apple decidiu se desfazer do conector para os fones de ouvido no iPhone, e outros fabricantes seguiram essa estratégia. A dependência da porta USB-C fez com que esta fosse praticamente a única opção para fones de ouvido. É isso, ou os fones de ouvido sem fio Bluetooth True Wireless.

No final das contas, um novo segmento dentro do mundo da tecnologia foi criado. Os usuários abraçaram de vez os fones de ouvido sem fio, com os AirPods como claros protagonistas. E não ficar presos aos fios resulta em liberdade de movimento do usuário… e maiores chances de perdas dos acessórios. Mas ao menos contamos com recursos como cancelamento de ruído nos modelos mais caros.

Remover o cabo de recarga e dados dá continuidade para esse movimento de liberdade. No novo cenário, basta uma superfície de carga sem fio na mesa, e pronto: seu smartphone é recarregado. O mesmo aconteceu com os telefones fixos, onde a grande maioria hoje são modelos sem fio.

Eliminar carregadores cabeados pode ser algo bem interessante, mas não salva o meio ambiente, já que só vamos substituir um formato por outo. Ainda precisamos de um carregador efetivo conectado na tomada.

 

 

 

…e inconvenientes (que podem ser grandes)

 

 

Os rumores apontam para pelo menos um modelo do iPhone em 2021 totalmente sem fio, diferenciando este modelo dos demais. E imaginar um futuro com smartphones totalmente sem fio não é nenhum absurdo, ainda mais olhando para o histórico de outros produtos já mencionados neste post.

Porém, a mudança resulta em desvantagens óbvias. A carga sem fio é mais lenta, onde só agora a Xiaomi conseguiu entregar um carregador sem fio de 80W. Na maioria dos casos, a recarga por cabo é muito mais rápida e eficiente. É só comparar com o MagSafe dos novos iPhones, que carrega sem fio a 15W (a metade se você usa um carregador Qi), e a maioria dos carregadores nesse formato disponíveis no mercado não passam dos 10W.

Além disso, conexões sem fio sofrem de quedas e conflitos, algo que raramente existe nos dispositivos cabeados. E o USB-C alcançou um ponto de maturidade que não pode ser ignorado ou desprezado pela indústria de smartphones.

 

 

 

O mundo sem fio vai custar caro

 

 

A recarga sem fio vai exigir de todos a compra de mais acessórios que, por regra, são mais caros. Até porque estamos falando de uma tecnologia que ainda não está massificada. É claro que a Apple não está pensando nisso, e muito provavelmente os outros fabricantes também não vão pensar. Mas a questão financeira é um tema que você sempre deve se importar.

E a desculpa de proteção ao meio ambiente dada pela Apple para não incluir carregadores ou fones de ouvido nos seus novos iPhones é interessante, porém, discutível.

Primeiro, isso não resolve o problema. Os carregadores e cabos vendidos em separado serão vendidos em novas caixas e manuais. Ou seja, mais gastos, mais papel no meio ambiente e, de forma inevitável, mais elementos contaminando o meio ambiente. Se os demais fabricantes seguirem os passos da Apple, esta regra será a mesma.

Logo, eliminar a porta de recarga nos futuros smartphones pode resultar no descarte de muitos acessórios que dependiam dessa porta, além da obrigatoriedade na compra de novos acessórios, o que pode aumentar o problema dos resíduos no meio ambiente, o que contraria a filosofia de preservação do meio ambiente da Apple.

Os poucos experimentos com smartphones sem fio que foram apresentados nos últimos anos podem se materializar nos próximos anos. O problema é que tem muita gente olhando essa decisão como uma eliminação de opção para os usuários, além de uma obsolescência programada para fazer todo mundo gastar mais em acessórios para uma experiência de uso mais completa no dispositivo.

Vamos ver como o mercado vai responder. Os usuários e alguns especialistas já fazem um barulho enorme contra a decisão da Apple. Mas como os fabricantes podem impor as suas decisões…

Prevejo uma polêmica muito saborosa para os próximos meses.


Compartilhe