bloggers

Um hotel na Irlanda tomou uma drástica e polêmica decisão: proibir a entrada de todos que se apresentam como youtubers ou bloggers.

O que aconteceu?

Recentemente, a social media influencer Elle Darby escreveu para o hotel The White Moose Cafe de Dublin (Irlanda), pedindo hospedagem de graça para ela e um acompanhante em troca de publicidade em seus vídeos e publicações.

Os administradores do hotel não gostaram muito da ideia, e publicaram o e-mail em questão na sua conta oficial do Facebook como resposta, argumentando que o hotel já tinha uma respeitável quantidade de seguidores nas redes sociais.

Além disso, o hotel questiona como os seus funcionários estão pagos, e se seria justo que eles aparecessem de graça em seus vídeos. Por fim, sugere que Elle pague a hospedagem como todo mundo e, caso o estabelecimento entenda que a cobertura feita por ela vai ajudar de alguma forma em sua publicidade, quem sabe até um upgrade de apartamento ela acaba recebendo.

Tudo estaria resolvido, se não fosse o fato de Darby publicar um vídeo acusando o hotel de expor sua imagem. O resultado disso? Os influencers se uniram, e correram par ao Trip Advisor para deixar resenhas negativas sobre o hotel.

Porém, por conta da anormalidade do caso, o Trip Advisor bloqueou as resenhas. Os donos do hotel se deram conta da raiz do problema, mas tudo ficou ainda mais sério quando as autoridades irlandesas decidiram investigar e revisar as regras de transparência em geral da relação entre os influenciadores e os estabelecimentos.

 

 

As autoridades revelaram que, apesar de não haver queixas sobre os influenciadores há dois anos, elas representam atualmente 5% das queias de todos os usuários.

Muito além das questões legais, essa situação lança um sinal de alerta sobre o comportamento das pessoas quando alcançam certa ‘fama’ nas redes sociais, entendendo que se tornam especiais por conta disso.

O hotel se defende alegando que a comunidade de bloggers acredita que tem direitos acima dos demais, onde não aceitam ouvir um ‘não’ como resposta, e até apontam a vitimização como um sentimento muito comum nesse grupo de pessoas que ‘tentam ter tudo sem pagar nada’.

No final das contas, os donos do The White Moose Cafe conseguiram mais publicidade do que se tivessem aceitado os pedidos de Elle Darby.

E o precedente está criado.

Nota do editor: particularmente, eu nunca pedi nada de graça. No máximo peço produtos para testes e review em caráter de empréstimo. Tenho consciência que trabalho muito para conseguir pagar as minhas contas e manter o TargetHD.net em pé. E para aqueles que acreditam que ser blogger ou youtuber é sinônimo de fama, dinheiro fácil e produtos de graça, é melhor nem começar ou nem tentar. É uma ilusão imbecil, bem diferente da realidade.