Por que o Pac-Man da NVIDIA com IA é algo tão relevante?

Compartilhe

O clássico jogo de arcade Pac-Man completou 40 anos de vida. Um feito que é ilustrado pela sua impressionante expansão ao redor do mundo, o que fez desse um dos jogos de videogames mais icônicos e representativos da história. Suas inúmeras versões foram jogadas por diversas gerações, e recentemente apareceu a curiosa adaptação da NVIDIA, gerada através de um motor de jogo simulado e concebido através de uma inteligência artificial.

A nova IA é a GameGAN da NVIDIA Research, que usou mais de 50.000 partidas para treinar o software, que resultou em uma versão completamente funcional de Pac-Man sem um motor de jogo subjacente, lembrando tudo o que foi gerado de dados para manter uma coerência visual do jogo quadro a quadro. Ou seja, mesmo que a IA não compreenda as regras do jogo, ela pode recriar o mesmo com resultados convincentes.

O feito da NVIDIA é importante por ser o primeiro modelo de rede neuronal que imita um motor de um jogo de computador, aproveitando as redes adversas generativas, ou GAN. Ou seja, duas redes neuronais se enfrentando, como gerador e discriminador, onde os modelos de inteligência artificial aprendem a criar novos conteúdos convincentes o suficiente para se passarem pelo jogo Pac-Man original.

Assim, e através do treinamento prévio com roteiros de jogos e múltiplos níveis, a GameGAN pode ser capaz de gerar novos designs inéditos de jogadores e totalmente funcionais com a estética, jogabilidade e percepção do mercado e jogadores atuais.

Além de abrir um mundo novo e cheio de possibilidades para os desenvolvedores de jogos com a geração automática de design e novos níveis de jogos, essa nova IA pode desenvolver de forma mais fácil sistemas de simulação para treinar máquinas autônomas.

 

 

 

Dos videogames para a vida real

 

As aplicações da descoberta da NVIDIA vão além do mundo dos videogames. Os robôs autônomos normalmente são treinados em um simulador, onde a IA pode aprender as regras do entorno antes de interagir com os objetos do mundo real.

Porém, a criação de simuladores passa por um lento e tedioso processo, onde é preciso codificar as regras sobre como os objetos devem interagir entre si e como vai funcionar a luz dentro do ambiente onde eles se encontram.

Os simuladores são utilizados para desenvolver robôs autômatos de todos os tipos, como aqueles utilizados em armazéns, que aprendem a agarrar e mover objetos, ou os robôs de entrega que devem navegar pelos diferentes locais da região para transportar alimentos ou medicamentos.

O que em um passado não muito distante parecia ser um futuro idílico e típico de filmes de ficção científica ou videogames já é nesse momento parte do nosso dia a dia. Hoje, a robótica é uma das principais pautas que marcam os próximos passos do nosso futuro tecnológico.

Diversas empresas como Amazon e AliExpress já utilizam robôs autônomos para o gerenciamento dos seus armazéns, onde todos eles seguem regras muito similares aos do Pac-Man. E por tudo isso, o feito da NVIDIA para comemorar os 40 anos do lendário jogo não é apenas uma brincadeira de criança ou uma ação para agradar aos mais nostálgicos. É um enorme avanço na tecnologia que conhecemos.

 


Compartilhe