Compartilhe

O Disney+ está chegando, e ele será um sério competidor (ou importante complemento) à Netflix. E se tem alguém que pode fazer danos (ou complementos) a qualquer serviço de streaming é a Disney.

Um dos indícios para reconhecer a Disney como ameaça está nos cinemas. Em julho, a empresa arrecadou US$ 7.67 bilhões em bilheterias, mais do que os US$ 7.61 bilhões arrecadados em 2016, o seu melhor ano de bilheteria na história. E nenhum estúdio conseguiu superar essa marca até hoje.

 

 

Os heróis que dão grandes alegrias para a Disney

 

 

São nada menos que cinco filmes da Disney que arrecadaram mais de US$ 1 bilhão nas bilheterias. Dois deles pertencem ao Marvel Cinematic Universe (MCU). Esses filmes são Vingadores: Ultimato e Capitã Marvel. Os outros dois são os remakes live-action de Aladdin e O Rei Leão, sendo que este último já é a nona maior bilheteria da história do cinema, com US$ 1.4 bilhão. E o quinto é Toy Story 4, o 42do filme do ranking bilionário nas bilheterias.

E o futuro é promissor para a Disney nesse aspecto. Nos próximos meses, teremos Maléfica 2, Frozen 2 e, especialmente, Star Wars: A Ascensão Skywalker. Logo, esses números serão espetaculares no final de 2019.

 

 

Disney tem dinheiro para queimar e acabar com a Netflix

 

 

O futuro para a concorrência é mais sombrio do que nunca, especialmente no caso da Netflix, que domina o segmento de streaming de vídeo. Apple e, principalmente, Disney prometem chegar com tudo. E sem os conteúdos da Disney, o que a Netflix vai fazer?

Muito bem, a Netflix vai seguir investindo em conteúdos originais, mas o número de assinantes está caindo. E aumentar os valores dos planos de assinatura não ajuda muito. Por outro lado, por causa do Disney+, a Disney deve registrar prejuízos de US$ 4 bilhões no ano fiscal de 2019. É muito dinheiro para apostar.

Mas… imagine quando os filmes bilionários desembarcarem no Disney+ em 2020, e esse dinheiro certamente será recuperado. Ou seja, a aposta de risco pode ser benéfica a longo prazo para a Disney, e muito prejudicial para a Netflix.


Compartilhe