ATENÇÃO! O conteúdo desse post vai doer no coração de vários geeks. Não é recomendado para os mais sensíveis.

Imagina que você viu um produto na Amazon, mas não tem o dinheiro para comprar. Ele fica em estoque esperando por você? Nada disso! Ele é QUEIMADO ou JOGADO NO LIXO pelas mãos da própria Amazon!

Há quem diga que esta é a prática que a gigante varejista está adotando para economizar dinheiro e minimizar os prejuízos. Meio simplesmente absurdo, diga-se de passagem.

Todo o tipo de objetos novos com preços de até mais de US$ 100 estão sendo simplesmente descartados pela Amazon. Em alguns casos são queimados, em outros são lançados em trituradores ou jogados no lixo, sem cerimônias. Algumas imagens gravadas com câmera escondida dentro um dos armazéns da Amazon nos Estados Unidos mostra a prática que, mesmo com as imagens, é algo quase inacreditável.

 

 

Por que a Amazon está cometendo essa insanidade?

 

 

Isso está acontecendo quando os produtos não são vendidos (e são produtos de vendedores externos, mas entregues pela Amazon). A empresa oferece duas opções aos vendedores:

1) ou os vendedores levam os objetos de volta para o seu país (que, em muitos casos, são países bem distantes, como é o caso da China);

2) ou os vendedores simplesmente se desfazem dos produtos.

 

E você já pode imaginar que é muito mais barato para os vendedores de países asiáticos simplesmente transformar os produtos em uma grande fogueira ou jogá-los no lixo. Devolver tudo para o país de origem custa caro, e manter os armazéns da Amazon também. Logo, as duas pontas do processo querem minimizar prejuízos.

O problema aqui não está apenas no impacto ecológico, mas também o social (esses produtos poderiam ser doados para quem realmente não tem condições de sequer cogitar comprar alguma coisa na Amazon). Por outro lado, a prática é legal e não viola nenhuma lei.

 

 

A investigação sobre o procedimento começou na França, mas agora sabemos que também foi adotada nos armazéns de vários outros países. Em três meses, aproximadamente 300 mil produtos novos foram descartados ou queimados, e os números podem alcançar a marca de 3 milhões de produtos em apenas um ano.

Dói para mim escrever isso. E deve doer para você números tão inflados.