Pessoas narcisistas são mais propensas a desenvolver o vício pelo Facebook | TargetHD.net
TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Pessoas narcisistas são mais propensas a desenvolver o vício pelo Facebook | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Internet | Pessoas narcisistas são mais propensas a desenvolver o vício pelo Facebook

Pessoas narcisistas são mais propensas a desenvolver o vício pelo Facebook

Compartilhe

facebook

Um estudo publicado no PLOS One mostra os efeitos negativos do uso das redes sociais nas pessoas. Durante um ano, 179 estudantes alemães passaram pela Distúrbio do Vício no Facebook (FAD, em inglês), um teste especificamente desenvolvido para avaliar o uso compulsivo dessa rede social.

Nesse tempo, os pesquisadores entrevistaram os participantes sobre sua satisfação geral com a vida, a quantidade de apoio social, a depressão e ansiedade, o narcisismo, a saúde física e o uso geral dos meios de comunicação. E as conclusões são bem interessantes.

Ainda que os resultados indiquem que o nível médio de FAD não aumentou durante o período de pesquisa entre os estudantes, fica evidente que o vício no Facebook estava associado com certos fatores psicológicos.

O FAD se relacionou de forma significativamente positiva com as personalidades narcisistas, e com variáveis de saúde mental negativas, como a depressão, ansiedade e sintomas de estresse. Pessoas narcisistas correm mais risco de desenvolver o FAD. Por outro lado, é importante considerar as possíveis consequências negativas do uso excessivo do Facebook, que normalmente as pessoas mais jovens, que pertencem ao grupo principal de usuários do Facebook, simplesmente desconhecem.

O estudo é pioneiro em analisar o FAD na Alemanha, mas os autores reconhecem que colocaram pouca atenção nas implicâncias do FAD e seu reconhecimento como um transtorno psicológico formal. Mas alertam que mais estudos devem ser feitos, considerando grupos de outras regiões e envolvendo mais fatores.

É possível sim haver uma associação com o uso problemático da Internet. Em estudos posteriores, os pesquisadores recomendam centrar a atenção em marcadores fisiológicos que eventualmente potencializam o FAD.

Em resumo: tudo o que é demais faz mal. Incluindo o Facebook e as redes sociais.

 

Via PLOS One


Compartilhe