fake news

As fake news estão na ordem do dia, e as redes sociais como Twitter e Facebook tentam combater isso com filtros inteligência artificial e novos algoritmos. Mas todo esse esforço pode resultar em nada.

Uma pesquisa feita pela Pew Research Center com 1.000 especialistas em tecnologia e acadêmicos revela que 51% dos entrevistados entendem que o problema das notícias falsas permanecerão em nossas vidas nos próximos dez anos, enquanto que 49% consideram que teremos uma solução tecnológica para isso.

Os argumentos dos dois grupos estão baseados no potencial da tecnologia para prevenir (ou não) as notícias falsas. Um exemplo: a interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos Estados Unidos através de contas falas ou bots que compartilharam propagandas em diversas plataformas online, com mensagem que causaram a segregação na sociedade norte-americana.

Os 51% que consideram as fake news um problema sem solução contam com dois fortes argumentos.

O primeiro é a natureza humana que, inevitavelmente, vai alimentar a criação de notícias falsas. O segundo é os avanços tecnológicos que superam a nossa capacidade de compreensão e controle.

Além disso, eles entendem que a qualidade da informação não vai melhorar nos próximos dez anos, já que a tecnologia não é capaz de melhorar a natureza humana.

Já o grupo dos 49% que acredita ser possível controlar as notícias falsas apostam nas soluções tecnológicas, além da capacidade humana para reconhecer uma ameaça coletiva e organizar coletivamente uma solução.

Com uma forte pressão para a indústria resolver esse problema, serão desenvolvidas metodologias, com o avanço da mitigação desse problema a longo prazo.

Ou seja, com boa vontade, podemos encontrar um caminho.

Enquanto isso, as gigantes de tecnologia seguem buscando formas de evitar os anúncios falsos.

Via PewResearch