Compartilhe

Em um passado não muito distante, o Windows Phone era a terceira alternativa ao duopólio Android/iOS. Porém, a Microsoft perdeu o bonde da história, e o sistema operacional desapareceu. E para Bill Gates, o caso anti-monopólio que eles enfrentaram teve papel essencial no fracasso da plataforma mobile.

Em entrevista para o New York Times, o co-fundador da Microsoft fez a surpreendente afirmação, ainda mais considerando o domínio da plataforma do Google diante da leniência de BlackBerry, Nokia e da própria gigante de Redmond ao não perceber que o Android chegou para ficar.

 

 

Para Bill Gates, foi “uma grande distração

 

 

Para Gates, a evolução dos sistemas, os recursos, os smartphones ou as políticas de atualizações não foram relevantes no fracasso do Windows Phone/Mobile. O grande culpado foi mesmo o processo anti-monopólio por parte do Departamento de Justiça dos Estados Unidos que a empresa teve que enfrentar. Esse teria sido o golpe definitivo que impediu que o seu sistema operacional móvel alcançasse o mercado em larga escala.

Com a palavra, Bil Gates:

 

“Não resta dúvidas que o processo anti-monopólio foi ruim para a Microsoft, e que poderíamos ter nos concentrado muito mais em criar o sistema operacional para smartphones, e no lugar de hoje utilizarmos o Android, estaríamos usando o Windows Mobile se não fosse por esse caso.”

 

Não dá para negar que o processo envolveu um grande esforço financeiro da Microsoft, e isso fez com que a empresa mudasse os seus planos. Mas a afirmação de Gates ignora a evolução do mercado mobile nos últimos anos. É evidente que todo um mercado se comportou diferente com a chegada do Android e iOS.

A Microsoft soube trabalhar com o mundo mobile por algum tempo, mas não suportou à força dos dois titãs. A empresa decidiu então investir na compra da divisão mobile da Nokia, mas isso também não deu certo. Porém, Gates faz a sua mea culpa pela “distração”.

“Estivemos muito perto. Eu estava muito distraído, e fracassei pela distração”.

 

 

Foi um pouco além da distração

 

 

A Microsoft teve o seu pedaço do bolo mobile, mas nunca chegou a reinar como o Symbian (até 2009) ou o Android (a partir de 2011). As parcerias do Google com os fabricantes foi essencial, além da ótima acolhida do Samsung Galaxy SII, o primeiro grande smarpthone Android a chegar ao mercado.

Conforme o Android se popularizada entre usuários e fabricantes, Windows Phone, Symbian RIM e os demais sistemas operacionais móveis menores iam desaparecendo, com exceção do iOS, que sempre se manteve estável.

Uma gigante como a Microsoft poderia ter feito mais. Não parece que o caso anti-monopólio foi o principal motivo para hoje você não usar um smartphone com Windows.

Pelo menos não é exatamente isso o que a história conta. A seguir, alguns vídeos que reforçam a minha teoria (o último vídeo é a entrevista com Bill Gates, falando sobre o tema que resultou nesse post).

 

 

 

Via CNBC, The Verge


Compartilhe