Compartilhe

O TIM Black recebeu novos planos, que recebem mais benefícios, mas mantendo o acesso às redes sociais de forma ilimitada. Por outro lado, esses planos deixam de incluir a franquia exclusiva para serviços de streaming, o que pode ser um contra significativo para muitos usuários.

Em um momento onde a grande maioria dos usuários está consumindo um maior volume de streaming de áudio e vídeo, a TIM vai na contramão ao retirar o pacote de dados dedicados ao consumo de conteúdos nas plataformas como YouTube e Netflix. Essa proposta deveria permanecer nos planos TIM Black, já que pedir por um pacote com zero rating (ou consumo livre) tal e como outras operadoras estão fazendo é algo considerado impossível na operadora.

 

 

 

Como são os novos planos TIM Black 2020

 

São três novos planos:

– 15 GB (sem acúmulo de internet), por R$ 109,99/mês (sem fidelidade), ou R$ 129,99/mês (com fidelidade)
– 20 GB (com acúmulo de dados), por R$ 124,99/mês (sem fidelidade), ou R$ 144,99/mês (com fidelidade)
– 25 GB (com acúmulo de dados), por R$ 149,99/mês (sem fidelidade), ou R$ 169,99/mês (sem fidelidade)

 

 

 

 

Todos os planos permitem ligações livres para telefones de todo o Brasil e com qualquer operadora, SMS à vontade e roaming nacional, além de acesso ilimitado ao WhatsApp (com exceção das ligações de voz e vídeo), Facebook, Twitter e Instagram. Também estão incluídos a assinatura Premium do Deezer sem desconto da franquia e o uso dos apps TIM Banca Virtual, TIM Segurança Digital e Skeelo.

Os novos planos removem também o acesso ao tráfego livre do Telegram, Waze e Easy. E, tal e como destacamos previamente, os pacotes de dados dedicados ao uso dos serviços de streaming (Netflix, YouTube, Looke, Cartoon Network Já e Esporte Interativo Plus) também foram extintos.

Cuidado com as letras miúdas no roaming internacional

O novo TIM Black inclui também o roaming internacional… naquelas!

Os planos de 20 GB e 25 GB incluem o roaming internacional em países como Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Estados Unidos, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana e Uruguai. Porém, o pacote não contempla chamadas de voz ou SMS (apenas o acesso à rede de dados), de modo que você continua pagando a mais para fazer ou receber ligações telefônicas nesses países.

Além disso, o roaming do TIM Black só inclui 30 diárias de 700 MB no plano com 20 GB, e 800 MB de dados por 30 dias no plano de 25 GB. Ao esgotar esses pacotes, a velocidade de navegação é reduzida para 128 kb/s até o dia seguinte.

 

 

 

Vale a pena?

 

É mais um caso onde os novos planos não oferecem vantagens substanciais em relação aos planos antigos.

Muitos leitores (e até a assessoria de imprensa da TIM) podem achar que eu estou pegando no pé da operadora (só porque o meu término de relacionamento com a mesma não foi da melhor forma possível), mas não é nada disso. Os números são frios, e contra eles, não tem muitos argumentos.

Os novos planos TIM Black podem ser uma boa opção se o usuário realmente não pode usar (ou não quer contratar) os serviços de outras operadoras. Insisto que tem planos controle da concorrência que estão muito mais interessantes e vantajosos.

E para os assinantes que nesse momento estão em um antigo plano TIM Black, se mantenha nesse plano se puder. Sei que os novos clientes não poderão mais contratar os antigos planos. Porém, os clientes antigos podem ficar nos planos atuais até o fim dos tempos…

…ou até que a TIM diga “você vai mudar de plano sim ou sim”.

E, infelizmente, a TIM pode fazer isso.

 

 

Via TIM


Compartilhe