macbook air

Em 15 de janeiro de 2008, Steve Jobs apresentou ao mundo o MacBook Air, o ‘notebook mais fino do mundo’, com 1.9 cm de espessura e 1.36 kg de peso.

O modelo original chegou ao mercado em fevereiro do mesmo ano, e contava com uma tela de 13.3 polegadas e um processador Intel Core 2 Duo a 1.6/1.8 GHz.

O MacBook Air chegou acompanhado dos modelos maiores MacBook e MacBook Pro, e foi um dos promeiros notebooks a deixar de lado as unidades de CD/DVD.

Por fora, a Apple manteve várias características dos modelos mais avançados, como o teclado tradicional do MacBook com retroiluminação e a câmera iSight integrada na tela.

Interessante também foi a escolha do armazenamento do modelo original, com um disco rígido de 1.8 polegadas, mas com SSD apenas como opcional, e não de série como é hoje.

O notebook foi pensado na comodidade de uso e na longa autonomia de bateria. Além disso, era pensando naqueles que usavam um MacBook, mas que não queriam sacrificar demais no desempenho. Muitos críticos questionaram esse último ponto pelo modelo eliminar vários elementos considerados vitais para os usuários do MacBook tradicional, como portas USB (ou FireWire), discos óticos e bateria intercambiável.

Porém, o tempo foi o senhor da razão, mostrando que vários desses itens eram realmente dispensáveis para os usuários de notebooks da Apple.

 

 

Hoje, o MacBook Air segue vendendo, mesmo com as mudanças mais recentes se resumindo ao processadores e algumas peças internas. A tela Retina se destaca por sua ausência, mas não parece incomodar tanto aos compradores, diferente do muito criticado MacBook Pro, que eliminou várias características ‘pro’ do modelo.

Mesmo com vozes questionando a validade atual do MacBook Air, o modelo encontrou um nicho de usuários mais gerais, que em troca da perda de potência preferem a comodidade e portabilidade do modelo Air.