A Apple decidiu encher de recursos de privacidade no iOS 13 e no macOS 10.15. Durante o keynote inaugural da WWDC 2019, não faltou momentos onde os conferencistas repetiam o mesmo, como se fosse um mantra: tudo está protegido e codificado, a ponto de nem mesmo a Apple poder ler ou ver o conteúdo. Desde os vídeos gravados pelas câmeras de segurança aos dados do ciclo menstrual obtidos pelo Apple Watch.

 

 

A Apple quer se diferenciar dos demais pela privacidade

 

 

A Apple quer deixar bem claro que não é como o Google ou o Facebook. E diz isso literalmente quando apresenta uma novidade que deveria ser copiada por todos: um novo botão para iniciar a sessão com a Apple. Ess botão permite usar os dados da nossa conta Apple para iniciar sessão em aplicativos e sites.

Para evitar polêmicas diversas, a Apple promete que o seu sistema está construído baseado na privacidade dos usuários, mas sem deixar de ser conveniente. O botão não apenas impede o rastreamento de usuários, mas oferece mais possibilidades para ocultar a nossa identidade. E o recurso mais chamativo é a possibilidade de escolher quais dados queremos compartilhar com os sites e aplicativos.

 

 

Como funcionam os endereços de e-mail falsos da Apple

 

 

A interface vai mudar, mostrando uma lista de dados que podem ser compartilhados com o desenvolvedor. O mais interessante é que podemos oferecer dados falsos, incluindo um endereço de e-mail. A Apple vai gerar um endereço de e-mail único para cada app, composto por uma série de caracteres + @privaterelay.appleid.com. Por exemplo, ‘fc452bd5ea@privaterelay.appleid.com’. Os caracteres representam um número de 40 bits em notação hexadecimal, e isso garante que a Apple possui números suficientes para garantir um acesso único para cada aplicativo.

Quando o app ou o site enviar um e-mail para esse endereço, a mensagem será automaticamente redirecionada para o nosso endereço real. Você pode desativar o e-mail falso e deixar de receber mensagens a qualquer momento. Em nenhum momento o serviço vai saber qual é o seu endereço de e-mail real, de modo que não vai poder voltar a entrar em contato com você de forma direta.

Como é habitual na Apple, tal recurso não é necessariamente uma novidade. Vários serviços já permitem a criação de endereços de e-mail falsos para evitar o rastreamento, mas é a primeira vez que um sistema operacional popular como o iOS implementa essa medida como padrão. E esse é um recurso que todo mundo deveria copiar. Não custa tanto para implementar, mas pode fazer uma grande diferença para diminuir o recebimento de spam e evitar que o nosso e-mail verdadeiro acabe em uma enorme lista compartilhada na deep web.