É de conhecimento público que a divisão móvel da LG, diferente de outros setores da empresa, não está tão bem das pernas. Deixou o Top 5 entre os fabricantes para dar lugar aos monstros chineses que não param de crescer, e os mais recentes lançamentos não tiveram o apelo popular esperado.

Rumores nunca confirmados ventilavam a possibilidade de fundir as linhas G e V, uma vez que a segunda é mais popular. Mas no lugar disso, a LG pensa em uma segunda reorganização na sua divisão de smartphones. A primeira foi em 2016, e a existência desse post por si mostra como não funcionou.

 

 

Uma grande mudança e uma nova CEO

Os resultados financeiros da LG na divisão móvel do primeiro trimestre de 2016 foi apenas um déjà vu dos trimestres anteriores. É uma divisão que seguia perdendo dinheiro, e na época a empresa tentou mudanças.

A ideia era deixar a divisão mais ágil e leve, com reorganização do time de comunicações móveis. O então CEO da LG, Cho Juno, deu sinal verde para as profundas mudanças. Demissões e movimentos de pessoal aconteceram.

Tudo isso aconteceu na época do lançamento do LG G5, modelo que a empresa jogou fora o seu conceito de modularidade. Em 2017, o LG G6 não tinha nada disso, e a empresa se recusava a comentar rumores sobre um eventual abandono do mercado móvel, mas os 170 milhões de euros de prejuízo naquele trimestre complicaram a vida dos executivos.

Nada melhorou. Entre altos e baixos, a divisão móvel não saiu do vermelho. Hwang Jeong-Hwan substituiu o CEO anterior no final de 2017 e, mais uma vez, uma nova mudança está por vir.

O novo chefe da divisão móvel da LG será Brian Kwon, ex-chefe da divisão de TV, áudio e computadores pessoais, e funcionário descrito como “especialista em mudanças”. Bom, as divisões de onde ele vem hoje são relativamente sustentáveis, então podemos presumir que ele deve saber o que fazer para reverter o cenário.

O até agora CEO da LG Mobile, Hwang Jeong-Hwan, será agora o chefe do Escritório de Desenvolvimento de Negócios Convergentes da LG, e Jo Seong-Jin, CEO da LG Electronics, vai se concentrar na estratégia e planejamento futuro da empresa. São mudanças mais profundas. É uma reestruturação global da divisão.

 

 

As mudanças se tornam efetivas em 1 de dezembro de 2018, mas já foram anunciadas pela LG. Veremos se algo vai mudar, e se as linhas G e V vão mesmo se fundir. Lembrando que a Mobile World Congress 2019 de Barcelona vem aí, e é o local perfeito para a LG surpreender a todos.

Uma última observação: a prova que as coisas estão meio bagunçadas na LG é que estamos no final de novembro de 2018 (praticamente em dezembro de 2018), e nós do TargetHD.net não recebemos o LG G7 ThinQ para análise e review. Nem ele, nem o LG V35 ThinQ. E não só nós não recebemos, como vários outros veículos de tecnologia nem viram o dispositivo.

Essa é a primeira vez desde o início dessa série G que não produzimos o review do produto. Eu entendo perfeitamente que a assessoria de imprensa da LG do Brasil não tem absolutamente nada a ver com esse cenário. Eles recebem ordens de cima. Porém, fica claro que a tal “agilidade” enfatizada pelo ex-CEO da empresa não aconteceu, e isso precisa ser revisto com certa urgência.