Compartilhe

O caríssimo Mac Pro 2019 lançado pela Apple (carinhosamente apelidado de “ralador de queijo” pelos integrantes brasileiros da escola do bullying arte) foi muito criticado pelas suas configurações. O seu processador Intel Xeon W de 24 núcleos suportam até 1.5 TB de RAM, e essa quantidade toda de memória só se justificaria para abrir várias abas do Google Chrome (e aí está a piada).

Porém, até então, ninguém tinha pensado em exibir publicamente as reais capacidades desse novo Mac Pro trabalhando com muitas abas do Google Chrome. Outros testes foram feitos mostrando tudo o que 1.5 TB de RAM pode fazer (e, é claro, também rolou o teste do ralador de queijo – #SPOILER: ele falhou nessa tarefa), mas ninguém tentou explorar a sua capacidade em abrir várias abas do navegador do Google.

Pois bem… Jonathan Morrison registrou o teste em vídeo, e mostrou os resultados.

 

 

Chrome entra em parafuso com 1.4 TB, mas o sistema operacional aguenta o tranco

 

Jonathan Morrison decidiu abrir uma quantidade simplesmente desesperador ade abas do Google Chrome, mas não fez isso de forma manual, obviamente. Se valeu do Automator, um dos grandes segredos do macOS. Ele usou um script com essa ferramenta, inserindo 50 links de sites diversos, repetiu esses links por 20 vezes, e adicionou a rotina para execução desses links no Chrome, com as respectivas repetições.

No primeiro round do teste, foram abertas 1.000 abas. O Chrome permaneceu estável, carregando tudo sem muito esforço. Porém, quando a automação foi repetida pela quinta vez e alcançou a marca de 6.000 guias abertas, a CPU de 28 núcleos do Mac Pro alcançou a marca de 100% utilizado em quase todos os seus núcleos. Lembrando que o uso de RAM moderado do mesmo computador fica entre 200 e 300 GB de RAM.

Morrison então deixou o navegador e as suas 6.000 abas aberto a noite toda. Pela manhã, o uso de RAM era equivalente a 800 GB, com o uso da CPU muito intenso, a 3.15 GHz, muito acima da frequência base. Depoi disso, o consumo de RAM cresceu de forma exponencial, ficando acima dos 1.4 TB.

 

Nesse ponto, o Chrome parou de responder, mas o sistema operacional macOS seguiu funcionando perfeitamente. Morrison conseguiu forçar o encerramento do navegador e tudo voltou ao normal, sem deixar maiores sequelas.

Ao reabrir o Chrome, o navegador tentou restaurar todas as abas, algo normal quando o navegador passa por um encerramento forçado. Logo, agora sabemos que o browser pode ocupar quase 1.5 TB de RAM com 6.000 abas abertas, especialmente se deixarmos o computador sem fazer absolutamente nada enquanto estamos dormindo.

Tá, o teste é inútil, desnecessário e praticamente impossível de ser replicado no mundo real e corrente. Nenhum mero mortal vai querer que o seu computador passe por esse pesadelo. A melhor parte do teste é o fim do vídeo, onde o youtuber mostra como é possível criar uma unidade de armazenamento de 1 TB a partir do ramdisk, com a própria RAM. O que entrega uma velocidade de leitura e armazenamento muito maior do que as unidades de SSD. Por outro lado, outro problema bem óbvio desse formato de armazenamento é perder absolutamente tudo o que você armazenou quando você desligar ou reiniciar o computador.


Compartilhe