Press "Enter" to skip to content
Você está em | Home | Áudio e Vídeo | O Microsoft Zune era melhor que o iPod?

O Microsoft Zune era melhor que o iPod?

Compartilhe

Essa pauta pode parecer uma grande piada para quem estava vivo na época e testemunhou o fracasso que o Microsoft Zune foi. Mas… o tempo passa, nós amadurecemos, e olhamos para a tecnologia com outros olhos no presente.

Isso… e o fato de o Peter Quill ter hoje um Zune para chamar de seu no lugar daquele walkman que ele tanto amava. Saudades, Guardiões da Galáxia...

Eu queria ter um Zune, e hoje até me sinto tentado a ir atrás de uma unidade do dispositivo. E para me motivar, apresento aqui cinco motivos para considerar a possibilidade do player de música da Microsoft ser MELHOR que o iPod.

Por mais absurdo que isso possa parecer.

 

1 | Um pioneiro esquecido

O Zune foi apresentado pela Microsoft em 2006, e pode ser considerado um dispositivo inovador, oferecendo recursos bem à frente do seu tempo.

Ele já contava com serviço de streaming de músicas por assinatura por US$ 15 mensais. Sim, bem mais caro que qualquer outra proposta que apareceu no futuro. Mas era uma proposta pioneira.

A Zune Marketplace, loja virtual para download de músicas também estava disponível, permitindo a aquisição de músicas de forma direta no dispositivo com a ajuda do WiFi integrado.

Nem mesmo os smartphones da época contavam com o WiFi. Lembrando que o iPhone só foi lançado em 2007. Logo, ele não conta.

E sua tela era ampla o suficiente para ver vídeos. Bem antes do iPod touch ser uma realidade.

Mas como o iPod já era um rei absoluto dos players de música…

 

2 | Recursos avançados para 2006

O Microsoft Zune ia além de ser um simples player de música.

Ele contava com uma interface moderna e intuitiva, separando as mídias por categorias como músicas, vídeos, fotos, rádio online, loja virtual (Marketplace), jogos e configurações.

Ou seja, um nível de organização que hoje encontramos nos serviços de streaming, mostrando que o Zune antecipou tendências.

O dispositivo contava também com uma aba “Social” que (pasmem) permitia o compartilhamento de músicas entre dispositivos Zune, outro recurso futurista para a época.

Futurista, revolucionário e até mesmo preocupante para a indústria fonográfica. Se o Zune se popularizasse no mesmo nível que o iPod, muitas pessoas simplesmente deixariam de comprar músicas, já que o coleguinha seria a nova fonte de descoberta de artistas e bandas.

 

3 | Tela ampla e ótima experiência multimídia

Levando em consideração que o primeiro iPod touch só apareceu depois do lançamento do primeiro iPhone, a tela do Zune em 2006 era consideravelmente maior que a do player da Apple, tornando a visualização de vídeos e fotos muito mais agradável.

O iPod até permitia a visualização de filmes e séries de TV na tela do modelo Classic, mas a experiência de uso era ridícula perto do que o Zune oferecia na época.

Tudo bem, o Zune não entregava a mesma qualidade de imagem dos smartphones atuais por conta das naturais limitações de hardware e tecnologia da época.

Mesmo assim: era muito melhor do que o adversário da Apple, e isso não se discute.

 

4 | Design atraente e boa experiência de uso

O Microsoft Zune tinha um design elegante e minimalista, o que hoje chama a atenção positivamente, já que muitos abraçaram o “menos é mais” com força.

O dispositivo exibia as capas de álbuns armazenados em sua biblioteca de músicas em alta qualidade na sua grande tela, deixando tudo mais imersivo e intuitivo.

Tudo bem, o sistema de navegação do iPod é icônico e considerado melhor pela maioria dos usuários. Mas o Zune não era uma porcaria. Sua interface é simples, intuitiva e visualmente atrativa.

E como bônus, ajudou a “inspirar” o igualmente interessante Windows Phone, sistema operacional da Microsoft que tinha um excepcional potencial, mas foi abandonado por Steve Ballmer (e Satya Nadella).

 

5 | O legado

Infelizmente, o Zune nunca chegou perto de alcançar o mesmo patamar de popularidade do iPod.

Ele chegou tarde demais ao mercado, era caro demais (tanto o dispositivo quanto a assinatura mensal e os itens na Marketplace), e o mercado já estava completamente dominado pelo dispositivo da Apple.

Sem falar que o iPod quando virou touch abraçou recursos similares aos apresentados pelo Zune, o que ajudou a enterrar o dispositivo da Microsoft no ostracismo.

Apesar de todo o fracasso comercial, o Zune representa um marco na evolução dos players de mídia portáteis, abrindo o caminho para os recursos de streaming e downloads de músicas que utilizamos hoje em dia.

Vários dispositivos concorrentes beberam da proposta do Zune com força, o que mostra a influência da solução da Microsoft no mercado.

Afirmar que o Zune era melhor que o iPod pode até parecer algo absurdo em um primeiro momento. Mas quando analisamos com maturidade o dispositivo, a discussão começa a fazer sentido.

Se o Zune chegasse ao mundo em 2003 e com todas as soluções que apresentou ao mundo, o mercado de players digitais seria completamente diferente.

Mas o “se” não entra na equação. A história foi contada da forma como conhecemos.


Compartilhe