TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia O iPhone SE (2022) quebra só de você olhar para ele | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Smartphones | O iPhone SE (2022) quebra só de você olhar para ele

O iPhone SE (2022) quebra só de você olhar para ele

Compartilhe

Eu sei que muita gente está de olho no iPhone SE (2022), por mais que especialistas de tecnologia ao redor do mundo (eu, inclusive) alertem para as limitações que o dispositivo pode oferecer, que são basicamente as mesmas presentes no iPhone SE (2020).

Mas todo mundo é livre para fazer do seu dinheiro o que quiser.

Tudo o que nos resta é seguir tentando alertar a você sobre o que pode acontecer de pior se você fizer essa escolha. E no caso específico do iPhone SE (2022), o pior é olhar para ele e o mesmo acabar trincado ou estilhaçado.

O pessoal do site CNET realizou um teste de queda do iPhone SE (2022), e os resultados são muito evidentes. E os trincados também.

 

 

 

Ele trinca na primeira queda

Se você é um usuário mais estabanado e desastrado (acredite, é o meu caso, apesar do meu Galaxy S21 Ultra estar intacto até hoje), é melhor pensar umas dez vezes antes de investir o seu dinheiro no iPhone SE (2022).

O teste realizado e publicado pelo site CNET consegue ser tão revelador, que deixa um importante sinal de alerta para os interessados na compra do produto. Na primeira queda que o iPhone SE (2022) se submete, e… pronto: a tela do dispositivo está trincada.

Simples assim.

O modelo até conta com uma boa proteção contra arranhões e quebras mais profundas na tela. Por outro lado, ver a tela trincando logo de cara é um sinal claro que o modelo não recebeu o mesmo tratamento que os seus irmãos mais caros nos aspectos da segurança, e isso pode se converter em um gosto amargo na boca e no bolso.

Qualquer smartphone que preste consegue suportar sem maiores problemas em caso de queda acidental da altura do bolso ou de uma mesa. Porém, no caso do iPhone SE (2022), essa mesma queda pode deixar a tela trincada por completo.

O telefone segue funcionando, mas é sempre importante lembrar que o cristal da tela trincado pode resultar em feridas no seu dedo, além de prejuízos diretos na visibilidade dos elementos e conteúdos exibidos pela tela.

No final das contas, você até pode ter um telefone novo nas mãos, mas com a tela quebrada a tal ponto que vai te obrigar a levar o telefone para um reparo em assistência técnica. Ou abandono do dispositivo, se entender que os danos são permanentes (ou se você concluir que não vale a pena consertar, e que é melhor comprar um telefone novo).

 

 

 

Ao menos o alumínio impede que algo ainda pior aconteça

Não é bem assim.

Quando o smartphone cai de canto ou de costas, a coisa muda de figura. O material baseado em alumínio presente no corpo do iPhone SE (2022) impede que os danos do dispositivo sejam tão profundos quanto aqueles constatados em sua tela. Mas isso não impede que as marcas de queda se tornem evidentes no corpo do smartphone.

Aos poucos, o acabamento colorido vai se descascando para dar lugar a um acabamento metálico. Em compensação, para que danos mais evidentes na parte estética do iPhone SE (2022) sejam percebidos, o dispositivo nem precisa cair de uma altura muito acima do normal. Basta que o telefone despenque do seu bolso da calça.

De qualquer forma, como dica final, é fundamental que você tenha o máximo de cuidado possível ao utilizar o iPhone SE (2022), pois vai doer no fundo do seu coração quando você constatar o tamanho do estrago se esse telefone cair com a tela para baixo ou de canto.

Quando o dispositivo cai com uma de suas bordas, as partes frontal e traseira são muito afetadas na região da queda, quebrando o iPhone quase que completamente e, mais uma vez, afetando de forma ainda mais sensível a tela do dispositivo.

Definitivamente, o iPhone SE (2022) não foi desenvolvido para aguentar as aventuras mais radicais do seu dia sem qualquer tipo de case ou película protetora. Esses itens são obrigatórios para garantir a longevidade do dispositivo.


Compartilhe