Compartilhe

angry-birds

O amor das pessoas pelos passarinhos do Angry Brids acabou. É mais ou menos isso que o cenário atual da Rovio mostra, já que a empresa ai demitir até 130 funcionários (16% do seu quadro profissional).

A Rovio explica que as demissões acontecem porque eles não cresceram tão rápido como eles esperados. E isso com os seus jogos concentrando mais de 200 milhões de usuários ativos, e lucros nada depreciáveis. Apesar da empresa contar com vários títulos para dispositivos móveis, uma série de TV e um filme em fase de produção, sabemos que o carro chefe do seu catálogo é a saga Angry Birds, que desde o seu lançamento (em dezembro de 2009), conta com 11 jogos na franquia, além do ‘spin-off’ inspirado nos seus inimigos, o Bad Piggies.

Cinco anos depois do lançamento do primeiro jogo, o ‘boom’ gerado pelo game se dissipou. O ápice da febre Angry Birds foi no final de 2012, quando os jogos da saga alcançaram quase 300 milhões de usuários ativos. Agora, são 200 milhões. Nada mal, mas não são suficientes para manter o emprego de parte dos funcionários da Rovio.

Mikael Hed, CEO da Rovio, explica no blog da empresa que eles contrataram pessoas pensando em um crescimento que nunca aconteceu. Mesmo assim, os números da empresa são considerados bons: em 2013, foram acumulados 156 milhões de euros em ingressos, um pouco acima dos 152 milhões de euros do ano anterior.

A queda está nos lucros, já que em 2013 foram 26.9 milhões de euros, enquanto que em 2012 foram 55.5 milhões. Uma queda motivada, entre outras coisas, no aumento dos gastos pela produção da série de TV Angry Birds (já no ar, inclusive no Brasil) e no filme baseado no jogo, que estreia em 2016.

Em 2014, a Rovio adicionou 300 funcionários ao seu quadro, alcançando um total de 800, o que dava uma proporção muito alta de empregados para os ganhos gerados pela empresa. Apenas para comparar o tamanho do erro da Rovio, a Supercell, que com apenas dois jogos (um deles é o Clash of Clans) e 132 funcionários, alcançou ganhos de 706 milhões de euros em 2013.

Via The Guardian


Compartilhe