Compartilhe

NSA

 

O diretor da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos, Michael Rogers, confirmou que a agência rastreou ataques vindos de Moscou (Rússia) até os servidores eleitorais franceses.

Vale lembrar que dois dias antes das eleições presidenciais na França, acabaram vazando aproximadamente 9 GB de dados de e-mails da campanha do candidato Emmanuel Macron. Para a NSA, a finalidade do ataque seria para desestabilizar a democracia local.

Rogers informou que a NSA detectou atividade não usual, com o objetivo de afetar a infraestrutura das eleições francesas. Não sabemos o contexto e o significado quando ele cita o termo “infraestrutura”, já que não são revelados maiores detalhes.

A atividade foi alertada dias antes do vazamento dos e-mails, como advertência que elementos essenciais das eleições francesas foram interceptados por um suposto grupo de hackers russos. A NSA já sabia do ataque antes do vazamento, e alertou por diversas vezes aos responsáveis na França sobre as eleições, que nada fizeram a respeito.

Na última sexta-feira (5), o partido político de Macron confirmou que eles foram hackeados, com milhares de e-mails privados vazados. Em nenhum momento o governo russo é considerado responsável pelo vazamento.

No mês passado, o mesmo grupo russo hackeou o Comitê Nacional Democrata dos Estados Unidos, criando um domínio pishing para falsificar sites da Microsoft, incluindo o armazenamento na nuvem que eram utilizados pela equipe de campanha de Macron.

 

 

Os e-mails vazados estavam em um arquivo Torrent com metadados com configurações no idioma russo, inclusive com o nome de Roshka Georgiy Petrovich, da empresa de inteligência Eureka. Mas nada indica que a campanha de Macron foi exposta por um ataque específico.

Por outro lado, apesar da NSA sinalizar diretamente para a Rússia como responsável pelos ataques na França, o presidente Donald Trump não reconheceu publicamente o ataque à campanha de Macron.

 

Via Wired


Compartilhe