Compartilhe

A HMD Global tem o meu respeito. De verdade. Diferente do que a Microsoft fez na era Steve Ballmer (que avacalhou tudo para comprar a marca e, depois, não fazer nada que preste com ela), a nova empresa soube valorizar a marca Nokia, mantendo o seu DNA de qualidade e apresentando produtos que, se não são os modelos mais poderosos do mercado, ao menos são honestos.

Quem sabe isso está acontecendo porque algumas das pessoas que comandam a HMD Global foram funcionários da antiga Nokia, a original finlandesa que era tão amada por oferecer ao mundo celulares excelentes e praticamente indestrutíveis.

Pois bem, a HMD Global lançou oficialmente no Brasil o Nokia 5.3, smartphone de linha média fabricado no Brasil e com preço sugerido de R$ 1.899. E nesse post, vamos tentar descobrir se ele vale a pena para chamar de seu.

E logo de cara, vejo caras preocupadas na Samsung, LG, Motorola e derivados.

 

 

 

Admiro a honestidade do Nokia 5.3

 

 

O Nokia 5.3 pode não ser o melhor smartphone de linha média do mercado (e, de fato, ele não é), mas ao menos ele tenta ser sincero com o consumidor na relação custo-benefício. Só pelo fato dele chegar ao Brasil não custando mais de R$ 2 mil já é uma vitória, pois a crise global afetou todos os setores, de forma implacável.

De qualquer forma, a HMD Global também mostra que tem muito fabricante por aí que está se valendo da “desculpa” da crise para cobrar mais caro por dispositivos de entrada ou intermediários. Ou talvez o momento atual seja mesmo mais favorável.

Mas vamos falar dos motivos que levam o Nokia 5.3 a custar R$ 1.899.

Sua tela LCD IPS de 6.55 polegadas está dentro do padrão para a sua faixa de preço. Porém, onde está o pulo do gato desse dispositivo é a presença do processador Qualcomm Snapdragon 655, já que normalmente os fabricantes estão colocando chips da MediaTek em dispositivos dentro da mesma faixa de preço.

Porém, o Nokia 5.3 fica um pouco atrás nesse aspecto daquele que é o seu concorrente direto na minha opinião, o Multilaser H, que conta com o Snapdragon 710, teoricamente mais potente. Mesmo assim, com a interface Android quase limpa trabalhando com 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento, este modelo tem tudo para entregar uma boa experiência de uso para os menos exigentes.

Não se anime muito com o conjunto de câmera quádrupla. Mais sensores fotográficos significa maior versatilidade de uso nas câmeras, e não necessariamente melhor qualidade das fotos. Por outro lado, tenha esperanças que a Nokia trabalhe bem com o resultado final das fotos com sensores teoricamente mais simples.

Do mais, o Nokia 5.3 tem o que se espera de um dispositivo de linha média atual: bateria de 4.000 mAh, sistema operacional Android 10 (com atualização para o Android 11 garantida), USB-C (graças ao bom Deus), 4G, WiFi, leitor de digitais na parte traseira e rádio FM. Tudo certo.

 

 

 

Nokia 5.3: vale a pena?

 

 

Por R$ 1.899, o Nokia 5.3 vale a pena sim. Ele é o tipo de smartphone para quem busca algo mais simples e não tem um orçamento mais caro para comprar um dispositivo mais novo. Para mim, o seu concorrente direto é mesmo o Multilaser H, que está na mesma faixa de preços e ganha dele em alguns aspectos, mas perde para outros.

E sem o Multilaser H, que decidiu desafiar a lógica em oferecer um smartphone com 128 GB de armazenamento por menos de R$ 2 mil, talvez o Nokia 5.3 jamais chegaria por aqui por este preço. Logo, temos que agradecer à Multilaser pela graça alcançada.

Você pode até dizer que o Samsung Galaxy Note 10 Lite por R$ 1.999 é um negócio melhor, e eu até concordo, pois esse preço é o ideal para um dispositivo com essa proposta. Porém, tem gente correndo do Exynos como corre de gente com caixa de cloroquina na mão. E o Nokia 5.3 é uma das alternativas com Snapdragon para quem quer os tais 128 GB de armazenamento sem gastar muito mais por isso.

 

 

 

Nokia 5.3: especificações técnicas

 

Tela: 6,55 polegadas (LCD IPS)
Processador: Qualcomm Snapdragon 665
RAM: 4 GB
Armazenamento: 128 GB
Câmera traseira quádrupla:
principal: 13 megapixels
ultrawide: 5 megapixels
profundidade: 2 megapixels
macro: 2 megapixels
Câmera frontal: 8 megapixels
Bateria: 4.000 mAh
Sistema operacional: Android 10 (irá receber Android 11)
Conectividade: USB-C, 4G, Wi-Fi, Bluetooth 4.2
Mais: leitor de digitais na traseira, radio FM
Cores: verde ciano e cinza


Compartilhe