Compartilhe

A Netflix está pensando em integrar um recurso que dá ao usuário o controle da velocidade de reprodução de vídeos em sua plataforma. A funcionalidade está em testes no Android, e já resulta em críticas por parte de criadores e atores.

 

 

Já está gerando polêmica

Essa prática é comum nos reprodutores de podcasts e já funciona no YouTube. Muitas pessoas também adotam a tática nos media players domésticos. Se alguém não tem muito tempo para assistir a um filme ou episódio de série, basta acelerar um pouco (entre +0.5x e +1.5x) e é possível consumir aquele conteúdo em um tempo menor.

Os criadores de conteúdo já demonstram o seu descontentamento com a medida. Judd Apatow (Love), publicou uma mensagem em sua conta no Twitter ameaçando a Netflix que vai “convocar todos os diretores e criadores de séries do planeta para lutar” contra a medida, e pede que a empresa poupe todos desse estresse, afirmando que vai vencer a briga, mesmo que ela leve muito tempo para terminar.

“Não brinque com o nosso tempo. Nós entregamos para vocês coisas boas. Deixe tudo como estava destinado a ser visto.”

 

 

Apatow disparou um arsenal de tweets contra a nova medida, garantindo que “os distribuidores não podem mudar a forma que esse conteúdo é apresentado. Fazer isso é uma ruptura de confiança, e não será tolerado pelas pessoas que o provém (…) Se você quer ver O Poderoso Chefão em 90 minutos, crie a sua máquina para fazer isso”.

 

 

Aaron Paul (El Camino: Um Filme de Breaking Bad e BoJack Horseman) também compartilhou o que pensa no Twitter sobre o novo recurso:

“Não há formas da Netflix seguir adiante com isso. Isso significaria que estão tomando completamente o controle da arte dos outros, destruindo a mesma. A Netflix é muito melhor que isso. Estou certo, Netflix?”

 

A Netflix ainda não respondeu a Aaron Paul. E vamos ter que esperar para ver como a empresa reage diante de tantas críticas.

Fato é que as medidas mostram claramente que vivemos hoje em um mundo repleto de conteúdos e estímulos. Muitas pessoas simplesmente não conseguem assistir a um filme ou uma série sem consultar o seu smartphone o tempo todo ou em segundo plano.

A ânsia por querer ver tudo e se informar de tudo no menor tempo possível podem estar por trás de recursos que buscam agilizar o processo de consumo de uma série ou filme.

Por outro lado, não é exatamente a Netflix que está modificando o conteúdo. A opção em aceleração do conteúdo não é obrigatória. Pode ser encarada como uma alternativa a mais para o usuário, assim como acontece com os formatos dublado e legendado, onde a dublagem invariavelmente modifica de forma decisiva o formato final do conteúdo apresentado, mas que é aceito como uma opção para quem quer consumir o filme ou série naquele formato.

A polêmica está servida. Dependendo de que lado você está, é possível ver a alteração de velocidade do conteúdo como uma mudança do formato que não é autorizada pelo seu criador, ou uma alternativa ao consumo de conteúdo.


Compartilhe