Compartilhe

A quarentena e o isolamento social que vários estados brasileiros estão passando resultou em uma mudança de comportamento generalizado, onde os restaurantes tiveram que fechar as suas portas, e seus proprietários foram obrigados a recorrer aos serviços de delivery para manter seus respectivos estabelecimentos em um mínimo de funcionamento.

Plataformas como Uber Eats e iFood se tornaram uma alternativa para quem não quer ficar cozinhando todos os dias. Porém, precisamos observar qual é a real situação desses estabelecimentos e, principalmente, incentivar os pequenos e médios restaurantes e lanchonetes, pois são eles os que mais correm o risco de desaparecer neste cenário de caos.

 

 

 

Os restaurantes independentes estão em desvantagens

 

 

As grandes franquias tomaram diferentes medidas. Algumas suspenderam as suas atividades, e outras adotaram o delivery para atender aos clientes. Porém, os pequenos e médios empresários estão passando por diversas dificuldades para manter os empregos dos seus funcionários.

Para os restaurantes independentes, atender aos envios é algo mais complicado, pois a divulgação é menor e a infraestrutura também. Um bom número de estabelecimentos não franqueados estão com as portas fechadas, e os que estão funcionando por delivery tendem a elevar de forma considerável o tempo de entrega.

Ou seja, clientes de todo o Brasil que estão optando pelo delivery nos estabelecimentos independentes, é altamente recomendado que vocês tenham uma boa dose de paciência na espera da entrega.

Os serviços independentes não só enfrentam a fragilidade de ficar com a imagem arranhada pela incompreensão do público diante desse cenário de caos, mas também precisam lidar com o preconceito de algumas pessoas por acreditarem em um possível contágio no preparo ou entrega da refeição.

Por isso, muitos desses restaurantes acabam fechando as portas nesse momento da pandemia, por entenderem que simplesmente não vale a pena enfrentar tantos problemas para não obter um faturamento que mantenha o negócio como minimamente sustentável.

As quedas de faturamento para os restaurantes independentes são enormes, principalmente para aqueles que não estão se organizando para entregar os produtos para os seus clientes. E sem fluxo de caixa, não tem receita financeira e, por tabela, não tem salário para pagar os funcionários.

2020 será um ano caótico para todos os setores, e os restaurantes e bares não serão exceção. Uma vez que a queda no faturamento desses estabelecimentos está alcançando a casa de 80%, não será surpresa se aquela lanchonete que você tanto gosta de ir após o trabalho fechar as portas, pois o negócio vai se tornar insustentável.

As consequências em curto prazo da pandemia do coronavírus nesse setor serão prejuízos, demissões e portas fechadas. A longo prazo, o coletivo pode ter uma perda de confiança, deixando de lado o hábito de consumir produtos em delivery ou frequentar determinados estabelecimentos.

A pandemia pode mudar a forma em como as pessoas vão ver a gastronomia. Não será de imediato que voltaremos aos restaurantes, e vamos passar por todo um processo de readaptação dos nossos hábitos de consumo de alimentos.

Por isso, uma das melhores formas de reduzir esse impacto é desde já manter os pequenos restaurantes e lanchonetes ativos através do delivery. As grandes franquias vão sobreviver. Já os pequenos estabelecimentos estão seriamente ameaçados.


Compartilhe