Todo mundo sabe que o Internet Explorer é inseguro, cheio de falhas e que ainda existe apenas para fins de compartibilidade empresarial e para que todo mundo faça o download do Google Chrome em um computador que acabou de sair da caixa ou foi formatado. Mas tem gente que é teimosa, e continua usando o software, por algum motivo bem bizarro.

Por isso, o responsável pela cibersegurança da Microsoft foi obrigado a vir a público e desaconselhar o seu uso em favor de navegadores mais modernos.

Chris Jackson publica o seu ponto de vista no blog oficial da Microsoft, e não mede palavras para expressar a realidade dos fatos. E, sabendo que existe uma geração de internautas que julgam tudo pelo título, logo de cara ele afirma: “Os perigos em usar o Internet Explorer como o seu navegador padrão”.

E vai além:

“Não é um navegador, e sim uma solução de compatibilidade; não deve ser utilizado no trabalho diário”.

Jackson fala de sites e aplicativos web especialmente empresariais que o Internet Explorer teve que suportar e até penalizar o seu desenvolvimento e sua segurança.

“Não suportamos novos padrões web para esses desenvolvimentos, e ainda que muitos sites funcionem bem, os desenvolvedores não mais trabalham com o Internet Explorer, mas com navegadores web modernos.”

O responsável pela cibersegurança da Microsoft destaca que muitas empresas usam sites antigos e precisam de suporte para o antigo (e inseguro) HTML, algo que não está disponível nos navegadores modernos como Chrome, Firefox e Edge, todos recomendados.

Jackson ainda explica que, se a Microsoft adicionar um suporte maior aos navegadores mais antigos, estaria estimulando os usuários a trabalhar com um navegador cujos padrões web modernos simplesmente não foram desenvolvidos para funcionar, e tais usuários “perderiam uma grande parte da web”.

Ele não entra em detalhes sobre os motivos que levaram a Microsoft a perder um segmento de navegação web que dominava de maneira absoluta. De qualquer forma, o Internet Explorer está morto. Vamos ver o que vai acontecer com o Edge Chromium.

É um momento curioso.

Antes, a Microsoft aconselhou a “não comprar” o Office 2019, e agora recomenda abandonar o Internet Explorer. O que será depois? Abandonar o Windows 7 para usar o Linux?

 

Via Microsoft