TargetHD.net | Notícias, Dicas e Reviews de Tecnologia Moto G53 faz algum milagre para ter 5G? | TargetHD.net Press "Enter" to skip to content
Wetten.com Brasil Apostas
Você está em | Home | Smartphones | Moto G53 faz algum milagre para ter 5G?

Moto G53 faz algum milagre para ter 5G?

Compartilhe

O Moto X40 não foi o único a dar as caras pelas mãos da Motorola neste final de ano. O Moto G53 também apareceu com vontade de bagunçar um pouco o cenário de telefones de linha média, tentando sair um pouco do lugar comum do que o setor oferece neste momento.

Com um jeito de ASUS Zenfone 9 (mas nem perto de chegar no mesmo nível de desempenho do modelo top de linha), o Motorola Moto G53 tem como destaques a tela de 120 Hz, o Android 13 de fábrica, o suporte ao 5G e o preço competitivo.

Mas sempre ficamos na dúvida se isso basta para convencer o consumidor. E é por isso que pessoas como eu usam o último dia útil de produção do TargetHD.net no ano (a não ser que me paguem para escrever posts) para mostrar os principais destaques do Motorola Moto G53.

 

Mais um que quer popular o 5G

O Moto G53 é um telefone intermediário que pode receber até 8 GB de RAM e 128 GB de armazenamento (expansíveis via microSD para até 1 TB).

Com processador Qualcomm (modelo não revelado) devemos supor que o modelo recebe algum chip um pouco mais avançado, já que ele recebe a conectividade 5G.

O Moto G53 conta com uma ótima bateria de 5.000 mAh, mas com recarga rápida de 18W, o que deve desanimar os usuários mais apressados.

Ao menos o modelo chega com o Android 13 de fábrica. Por outro lado, o histórico da Motorola levanta dúvidas se ele será atualizado por muitos ciclos.

 

De que vale a tela de 120 Hz quando a resolução é HD+?

A autonomia de bateria do Moto G53 deve ser enorme, pois sua tela de 6.5 polegadas com taxa de atualização de 120 Hz conta com uma pobre resolução HD+. E é quase inaceitável não ter o FullHD+ na tela de um smartphone em pleno 2023 (já podemos dar como encerrado 2022, certo?).

Sem falar que é uma tela LCD, o que é um downgrade em relação ao modelo anterior, que contava com tela pOLED.

Por mais que o seu preço seja mais competitivo em relação aos seus concorrentes, essas configurações a essa altura do campeonato não se explicam dentro do segmento de linha média, faixa de preço onde o Moto G53 se posiciona.

 

Câmera de 50 MP na traseira, mas sensor frontal de 8 MP

A câmera frontal de 8 MP é outro downgrade em relação ao modelo da geração anterior (que tinha 16 MP), o que causa arrepios nos amantes das selfies.

Na câmera traseira, o sensor principal recebe 50 MP, e vai trabalhar com um sensor macro de 2 MP. Pode ser um conjunto interessante quando trabalhado com um pixel binning, o que deve entregar resultados melhores em diferentes condições de luminosidade.

Mas não sei se os usuários ficarão felizes com o desaparecimento da lente ultrawide de 8 MP, um elemento que muitos utilizam em momentos pontuais para capturar um número maior de informações no registro de fotos.

 

Moto G53: quanto custa?

O Motorola Moto G53 ainda é um produto da China, e não tem previsão de lançamento para o Brasil. A seguir, os valores das duas versões no seu país natal:

  • Moto G53, com 4 GB RAM + 128 GB, por 899 yuans (R$ 685)
  • Moto G53, com 8 GB RAM + 128 GB, por 1.099 yuans (R$ 840)

Vale a pena?

Sim, se você aceitar as restrições técnicas que ele possui e, principalmente, se a Motorola não forçar no seu preço sugerido por aqui.

Bem sabemos que o “fator Brasil” sempre se faz presente na hora dos fabricantes de smartphones definirem os valores dos seus produtos em nosso mercado. Mas neste caso, estamos diante de um telefone tão acessível, que seria um absurdo ver esse dispositivo custando acima dos R$ 1.500 por aqui.

Aliás, me arrisco que ele tem que custar menos que isso. R$ 1.300 no máximo. E esse seria um preço mais do que justo, considerando a cotação do dólar e todos os elementos já apresentados dentro da nossa complexa dinâmica econômica.

O grande trunfo do Moto G53 é popularizar o 5G em telefones de baixo custo. Pensando nesse sentido, sua existência se justifica.

E, repito: ele só vale a pena se você estiver bem consciente de suas restrições técnicas. Analise todos os pontos de hardware (incluindo o modelo do processador que ainda não foi revelado) antes de investir o seu dinheiro nele.


Compartilhe