O Montblanc Summit 2 é o primeiro smartwatch a contar com o chipset Qualcomm Snapdragon Wear 3100, com o suporte do Wear OS da Google.

É uma atualização que se destaca principalmente pelo Snapdragon Wear 3100, chipset com processador quad-core Cortex-A7 acompanhado por um DSP de alta eficiência e co-processador de baixo consumo, melhorando a autonomia de bateria de forma considerável.

O chip foi desenhado do zero, e conta com otimizações específicas para entregar um alto desempenho com um consumo mínimo, além do motor dedicado para aprendizagem profunda e suporte para 4G-LTE.

O Montblanc Summit 2 possui uma tela AMOLED circular de 1.2 polegadas (390 x 390 pixels), 1 GB de RAM e 8 GB de armazenamento. Sua bateria é de 340 mAh.

 

 

O fabricante oferece várias carcaças entre aço inoxidável e titânio. Tem espessura de 14.3 mm e é resistente à água (até 50 metros de profundidade). Também é possível escolher as pulseiras em diversas cores e materiais, como couro e nylon.

O Wear OS oferece maior independência dos smartphones com a ajuda dos eSIM, além da maior personalização da interface, reformulação do design das notificações, melhorias no Google Assistente, Android Pay e no Google Fit, com foco na atividade esportiva e saúde dos usuários.

O Montblanc Summit 2 tem preço sugerido de US$ 995. Bem caro para o mercado de consumo, mas alinhado com o valor cobrado pela indústria de relógios de luxo.

Entendo que é preciso ir além de ser apenas um relógio de luxo, e oferecer características funcionais que agregam valor ao dispositivo e para os usuários. Não adianta cobrar quase US$ 1 mil em um smartwatch se ele não entrega desempenho e autonomia de bateria.

 

 

Se o Montblanc Summit 2 conseguir entregar características funcionais com um comportamento acima da média do que temos no mercado nesse momento (com a ajuda do novo processador da Qualcomm), quem sabe os US$ 995 não sejam tão caros.

Nesse momento, ele é bem caro sim. Mas vamos esperar que a impressão mude com as primeiras avaliações.