Ah, os Millennials… essa geração de pequenos seres conectados que podem ou criar uma startup ou mudar a forma em como muitas indústrias se apresentam ao mundo, especialmente quando essa indústria é a do entretenimento. Agora, sabemos que a geração Millennial prefere jogar Fortnite do que assistir a um jogo de futebol.

Quem afirma isso é o presidente do Liverpool FC, Peter Moore (antigo chefe da EA Sports). No parecer dele, “90 minutos é muito tempo para um Millennal masculino ficar sentado no sofá”, e vai além, afirmando que, enquanto presidente de um time de futebol, ele está preocupado quando vê as estatísticas sobre o público que ele recebe no seu estádio.

Não é a primeira vez que os millennials recebem a culpa pelas alterações em diferentes indústrias, algo que é um pouco descabido.

 

 

É claro que o Fortnite não será o responsável pelo fim do mundo

 

 

Peter Moore afirmou que hoje, para um adolescente, é impossível passar 90 minutos sentado no sofá. Porém, ele se esquece das longas sessões gaming que qualquer jovem faz sem maiores problemas.

E este não é um caso exclusivo do Fortnite, que é “apenas” um dos jogos mais populares da atualidade. O mesmo pode ser dito sobre (pasmem) FIFA 19, o mais popular simulador de futebol do mercado.

Não há dúvidas que as horas que os millennials passam jogando FIFA 19 são muito superiores aos 90 minutos assistindo a um jogo de futebol, e não acho que este é um problema dessa geração.

Não faz muito tempo que a Netflix revelou que o Fortnite era o principal concorrente de sua plataforma, mas nem por isso culpou o jogo por potenciais perdas. Pelo contrário: a empresa planeja novas estratégias para contra-atacar.

Logo, no lugar de ficar com essa choradeira e culpar os millennials, seria melhor o Liverpool e outros times de grandes ligas esportivas (inclusive o futebol) a pensar em novas estratégias para reconquistar o interesse das audiências mais jovens.