A Microsoft estaria desenvolvendo um novo navegador, com a mesma base do Chromium, que por sua vez é a base do Google Chrome. A decisão é surpreendente, mas muito bem alinhada com a nova filosofia da empresa.

O Edge é muito diferente do Internet Explorer, além de ser muito melhor em vários aspectos. Porém, para a maioria das pessoas, não é o Chrome. Por isso, a mudança se faz necessária.

 

 

O navegador da Microsoft baseado no Chrome

De acordo com fontes anônimas, a Microsoft está desenvolvendo um novo navegador baseado no Blink, o mesmo motor de renderização utilizado pelo Chrome, através do projeto Chromium, que é de código aberto.

Apesar do Chrome não ser um software livre, o seu motor de renderização e outros elementos do navegador são. O projeto Chromium libera o seu código para quem quiser usar. Assim, vários navegadores com a mesma base apareceram, como o novo Opera, o Brave ou o Vivaldi.

Assim, a Microsoft deixa de lado o EdgeHTML, motor de renderização do Edge. O novo navegador tem nome de código Anaheim, mas muito provavelmente vai manter o nome Edge, por questões comerciais. Inclusive mantendo a mesma interface do Edge, para que o usuário final não sinta a diferença na sua estética, com as mudanças mais sensíveis ficando no seu funcionamento interno.

O Anaheim funcionará como o Chrome, mesmo com uma interface diferente. As páginas web serão exibidas e funcionarão igual ao Chrome, com um desempenho muito similar e com a mesma compatibilidade com os aplicativos web.

 

 

Se você não pode vencer o seu inimigo, junte-se a ele

Houve um tempo em que a Microsoft dominava a web. A imensa maioria usava o Internet Explorer, mas na época já existiam alternativas muito melhores. Porém, o IE vinha pré-instalado no Windows, e isso deu vantagem para o navegador.

A desvantagem para todos era bem óbvia: a Microsoft estabelecia os padrões, e todos eram obrigados a criar sites específicos para o IE. Mas o tempo passou e muita coisa mudou. A internet mudou, a Microsoft mudou como empresa, e Satya Nadella abraçou os padrões abertos.

O Internet Explorer morreu, dando passagem para o Edge e o seu novo motor de renderização, o EdgeHTML, que é adaptado aos padrões HTML5. Porém, já era tarde demais: o Chrome se tornou o líder do mercado, e com larga vantagem.

Vale o registro que a decisão ainda não é oficial, mas falta pouco para ser. É possível que o Anaheim não passe de um projeto interno de testes, e que nunca chegue ao mercado. Mas não deixa de ser um passo muito importante para o panorama dos navegadores web.

 

Via Windows Central